19/12
CBOT
BM&F

Soja
US$ 10,23 (JAN15)
R$ 22,50 (MAI15)

Milho
US$ 4,10 (MAR15)
R$ 29,94 (JAN15)


Ferrugem Asiática


Embrapa fornece recomendações para o combate ao oídio do cajueiro

Visitas: 3361
Comentários: 1

Embrapa fornece recomendações para o combate ao oídio do cajueiro
30/09/11 - 15:19 
O oídio (Oidium anacardii) é uma doença que, até pouco tempo, era considerada secundária pelos produtores de caju. No entanto, nos últimos anos, ela vem provocando graves perdas para a cultura do cajueiro, afetando a produção da amêndoa e do pseudofruto (pedúnculo). De acordo com o pesquisador da Embrapa Agroindústria Tropical, Emilson Cardoso, ela está presente nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí. No Ceará, o oídio atinge todas as regiões produtoras.

Os sintomas do oídio são: folhas maduras com pó branco ou acinzentado na face superior; folhas jovens com o mesmo pó, mas com deformações; superfície do pedúnculo jovem com aspecto grosseiro e pedúnculo maduro com cicatrizes e rachaduras que expõem um tecido de coloração esbranquiçada. Pode ocorrer ainda abundante produção de espuma no local afetado. As plantas em viveiros também podem ser atacadas pelo oídio.

Pesquisadores da Embrapa estão realizando reuniões técnicas para auxiliar os produtores a combater essa doença. Dois encontros foram realizados semana passada, nos municípios de Aracati (CE) e Acaraú (CE). As reuniões contaram com a presença de secretários municipais, técnicos extensionistas, técnicos da Secretaria de Desenvolvimento Agrário (DAS), agentes da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), líderes comunitários e agricultores.

Ao contrário do que vem sendo especulado, não há relação do oídio do cajueiro com o continente africano. “Não se pode afirmar que o oídio veio da África. Não há evidências científicas disso”, assegura Emilson Cardoso.
 
Seguem as recomendações emergenciais para a prevenção da doença:

Pulverize as plantas preventivamente no início do ataque, empregando enxofre e água (caldo).

Repita as aplicações com intervalos de sete dias até a completa formação dos frutos.

A dose deve ser de 500-600g de enxofre por 100 litros de água e o volume da calda de 800 a 1000 litros por hectare. Não associe óleos minerais ao produto ou à calda.

Mexa a calda constantemente e utilize-a no mesmo dia da preparação.

Mais informações podem ser obtidas pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão da Unidade (SAC): sac@cnpat.embrapa.br.

As informações são da Embrapa.

Agrolink com informações de assessoria
Página gerada em: 20/12/2014 11:36:08 - (5 min)

Notícias relacionadas

19/12/14 » Produção de cacau tem aumento de 590% em produtividade no Sul da Bahia
19/12/14 » Agricultores contrataram R$ 6,8 bilhões em máquinas
19/12/14 » Importação de fertilizantes cresce 11% no acumulado do ano
19/12/14 » Fim do embargo à Cuba é resultado de lobby da Cargill
19/12/14 » Reeleita presidência do Fundesa

Comentários (1)

Comente esse conteúdo preenchendo o formulário abaixo e clicando em enviar






- Opiniões expressas nesse ambiente são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representam o posicionamento do Portal Agrolink.

11/11/2014 às 04:48h - O CONTEÚDO É MUITO IMPORTANTE PARA NÓS, QUE VIVEMOS DA CAJUCULTURA. (FRANCISCO SIRLANDIO FELIX AZEVEDO)