17/12
CBOT
BM&F

Soja
US$ 10,30 (JAN15)
R$ 22,62 (MAI15)

Milho
US$ 4,09 (MAR15)
R$ 30,34 (JAN15)


Fertilizantes


Tipos de Fertilizantes

 
Os fertilizantes são classificados em minerais, orgânicos e organo-minerais. Os fertilizantes minerais são os constituídos de compostos inorgânicos (compostos desprovidos de carbono). Fertilizantes orgânicos são os fertilizantes constituídos de compostos orgânicos de origem natural, vegetal ou animal. Fertilizantes organo-minerais são os fertilizantes resultantes da mistura de fertilizantes orgânicos e minerais.

 

1. Fertilizantes minerais

Em geral, os fertilizantes minerais são sais inorgânicos de diferentes solubilidades. A eficiência agronômica depende da sua solubilidade e das reações químicas com os solos. Os fertilizantes nitrogenados, por exemplo, são totalmente solúveis no solo, podendo ser lixiviados parcialmente. Os fertilizantes potássicos são também solúveis, apresentando, porém, menores perdas por lixiviação pois o íon K+ é retido nos sítios de troca das partículas do solo, sendo retirado pela água somente aquela parcela presente na solução do solo. Já os fertilizantes fosfatados apresentam solubilidade bastante variável, em função do tipo de fosfato, do tratamento térmico ou químico dado a rocha fosfatada e do tipo de partícula predominante no solo (areia, silte ou argila).

Os fertilizantes minerais se subdividem em três classes segundo sua composição, fertilizante simples formado por um composto químico, sem ser misturado com outro material fertilizante, contendo um ou mais nutrientes como a rocha fosfatada. O fertilizante misto é a mistura de dois ou mais elementos simples, contendo pelo menos dois dos três nutrientes primários (N, P e K). Fertilizante complexo é formado a partir de fertilizantes resultantes de processo tecnológico em que se misturam dois ou mais compostos químicos. São misturas produzidas a partir de matérias primas dando origem a compostos químicos. 

Os fertilizantes podem ser sólidos, líquidos ou gasosos. A forma sólida é a predominantemente usada no Brasil. Os fertilizantes minerais apresentam uma fórmula ou concentração, que expressa, em porcentagem, a quantidade de nutrientes contidos no fertilizante e é representada por três números em linha horizontal e separados por um traço. O primeiro corresponde à porcentagem de N, o segundo à porcentagem de P2O5 e o terceiro à porcentagem de K2O.

Os fertilizantes minerais podem ser na forma de pó ou farelo e granulados. Pó quando as partículas são de pequenas dimensões, e granulados quando as partículas são de dimensões que permitem caracterizar um granulo. As misturas de granulados são obtidas pela simples mistura de dois ou mais fertilizantes simples granulados, caracterizam-se por apresentar os nutrientes diferentes nos grânulos; as misturas granuladas são obtidas pela mistura de dois ou mais fertilizantes simples em pó e sua posterior granulação, contendo todos os nutrientes referenciados na formula em cada grânulo.

A influência do tamanho das partículas nas características dos fertilizantes sólidos ocorre porque a subdivisão de um material aumenta sua superfície de exposição por unidade de massa. Características dos fertilizantes como dissolução, higroscopicidade e outras, são aumentadas ou reduzidas em função do tamanho das partículas componentes do fertilizante.   Os fertilizantes solúveis em água e higroscópicos, como nitrato de amônio, ureia, nitrocálcio, são mais eficientes com granulometria grosseira, fertilizantes pouco solúveis em água, como os termofosfatos, fosfatos naturais, devem ser preferencialmente usados os de granulometria fina.

Um único produto pode apresentar um, dois ou mais macronutrientes primários,  podendo conter, também, macronutrientes secundários e micronutrientes. Na maioria das condições de cultivo mais de um macronutriente primário é necessário, o que fez crescer o uso de fertilizantes com vários nutrientes, especialmente o nitrogênio, o fósforo e o potássio, obtido através da mistura de fertilizantes.  Entretanto os fertilizantes que contêm apenas um ou dois nutrientes (fertilizantes simples) permitem o preparo de misturas especificas pelo consumidor e o parcelamento na aplicação de certos nutrientes. 

 

2. Fertilizantes orgânicos

Vários materiais orgânicos podem ser utilizados como fertilizantes. Os fertilizantes orgânicos aplicados no solo precisam ser mineralizados pois as plantas não absorvem compostos na forma orgânica. Os principais fertilizantes orgânicos são esterco de galinha, esterco de curral, torta de mamona, torta de algodão, resíduos industrializados, vermicomposto. Além de contribuir com a melhoria da fertilidade dos solos, os resíduos orgânicos contribuem com a melhoria da agregação do solo, da estrutura, da aeração, da drenagem e da capacidade de armazenagem do solo.

Os fertilizantes fluidos ou líquidos estão subdivididos em duas classes que são as soluções e as suspensões. Os fertilizantes fluidos surgiram comercialmente no mercado norte americano há aproximadamente 20 anos. O uso de fertilizantes líquidos é bastante recente no Brasil, mas o consumo vem crescendo, principalmente em adubações foliares e fertirrigação.

No estado gasoso, o único fertilizante com aplicação direta é a Amônia Anidra, mas, no Brasil, praticamente não é usada, pois exige cuidados rigorosos na utilização. 

Os fertilizantes minerais em relação aos orgânicos apresentam uma vantagem do ponto de vista econômico, por apresentarem elevadas concentrações de nutrientes, resultando em menores custos de armazenamento, transporte e aplicação por unidade de massa de nutriente.  Os produtos orgânicos desempenham muito mais as funções de condicionador do solo e muito pouco as funções de fertilizante, enquanto os produtos minerais desempenham efetivamente as funções de fertilizante.

As diferentes formas de fertilizantes minerais por apresentam diferentes características e no caso dos orgânicos várias composições e formas de mineralização apresentam comportamento variado no solo.

 

3. Características de qualidade dos Fertilizantes

As características de qualidade dos fertilizantes são as condições naturais ou artificiais  que esses produtos se apresem, e têm relação direta ou indireta com a sua eficiência,  são de natureza física, química ou físico-química. 

As características de natureza física são o estado físico do fertilizante que pode ser sólido, fluido ou gasoso.  A granulometria dos fertilizantes sólidos está relacionada com o tamanho e a forma das partículas.  Todos os fenômenos que dependem do contato, como velocidade de dissolução, absorção de umidade atmosférica ou higroscopicidade são intensificados ou reduzidos em função do tamanho. Os fertilizantes solúveis em água e higroscópicos como, nitrato de amônio, uréia, nitrocálcio devem ser preferencialmente de granulometria grosseira.

Fertilizantes pouco solúveis em água, como os termofosfatos, fosfatos naturais, devem ser com granulometria fina. Uma característica de qualidade dos fertilizantes sólidos, relacionada com o tamanho de partículas, é a uniformidade do tamanho. A desuniformidade causa a separação e acomodação seletiva das partículas por ordem de tamanho, com a movimentação e trepidação do produto, o que pode comprometer a homogeneidade, em especial da mistura de grânulos, onde a separação por ordem de tamanho leva automaticamente à separação dos nutrientes, levando também a distribuição irregular dos fertilizantes nas adubações, tanto quantitativamente, dificultado as regulagens das adubadoras, quanto qualitativamente, se ocorrer a segregação no caso das misturas de grânulos. A consistência é o grau de dureza ou resistência dos à quebra ou à abrasão.

A fragilidade dos grânulos pode provocar a quebra dos grânulos no armazenamento, transporte ou manuseio, tornando suas partículas desuniformes no tamanho.  Outra característica é a capacidade de livre escoamento do fertilizante por determinados espaços, a fluidez, que está relacionada com a eficiência da distribuição mecânica dos fertilizantes. Diversos fatores influem nessa característica, como a higroscopicidade, uniformidade e forma das partículas.  

As características de natureza química são, o número de nutrientes, a qualidade de um fertilizante é, em geral, bastante dependente do número de nutrientes que contém, desde que necessários.  Os nutrientes são usados nos fertilizantes sob várias formas químicas e/ou em vários compostos químicos.  As diferentes formas ou compostos químicos podem ter reações diferentes, como fertilizantes, pois apresentam várias reações no solo, podem influenciar certas propriedades do solo como pH e salinidade, podendo apresentar incompatibilidade como outros fertilizantes numa mistura. Uma das características importante na qualidade dos fertilizantes é a concentração de nutrientes nele contidos.

Os fertilizantes com alta concentração de nutrientes apresentam vantagens econômicas quanto ao armazenamento, transporte e distribuição, apesar desses produtos, serem, em geral, destituídos de nutrientes secundários e micronutrientes. Fertilizantes de baixa concentração, como os fertilizantes naturais, em geral devem ter o uso indicado, nas regiões próximas das fontes de produção.  Característica de natureza físico-química como solubilidade em água associada à concentração de nutrientes, são hoje as características mais importantes que definem a qualidade um fertilizante.

A higroscopicidade é a tendência que os materiais apresentam de absorver umidade do ar atmosférico. Para cada fertilizante simples, ou mistura, há um máximo de umidade relativa do ambiente (umidade relativa critica) à qual o produto pode ser exposto sem absorver umidade. Vários problemas podem ocorrer quando um fertilizante fica úmido, como queda no teor de nutrientes, dificuldade de manuseio e de distribuição, diminuição da resistência das partículas, aderência nos condicionadores, além da umidade ser a principal responsável pelo empedramento dos fertilizantes.

O empedramento é a cimentação das partículas do fertilizante formando grânulos maiores que as das partículas originais, sendo resultante da recristalização do material dissolvido na superfície das partículas umedecidas, o que ocorre pela perda da umidade absorvida, quando diminui a umidade relativa do ar ou a temperatura se eleva. Diversos fatores influem no empedramento como a natureza do material, higroscopicidade, pressão (devida ao empilhamento), tempo de armazenamento, tamanho e forma das partículas.

 

Ecila Maria Nunes Giracca                            José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrª, Drª em Ciência do Solo               Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia