24/04
CBOT
BM&F

Soja
US$ 14,65 (MAI14)
R$ 69,38 (MAI14 )

Milho
US$ 5,01 (MAI14)
R$ 30,75 (MAI14 )



Ração de baixo custo e boa aceitação para abelhas nativas sem ferrão

Visitas: 1978
Comentários: 3

Ração de baixo custo e boa aceitação para abelhas nativas sem ferrão
15/06/11 - 15:33 
Alimento artificial à base de soja para meliponicultura

Os criadores de abelhas nativas sem ferrão contam, desde 2009, com duas novas dietas artificiais protéicas desenvolvidas pela Embrapa Amazônia Oriental (Belém/PA) para a manutenção das colônias. A instituição realiza, há cerca de uma década, trabalhos de pesquisa em meliponicultura, considerada excelente alternativa para a geração de renda entre as populações do interior da Amazônia. O Prosa Rural desta semana fala sobre alimento artificial à base de soja para a meliponicultura e tem a participação do pesquisador Giorgio Venturieri.

As abelhas se alimentam, basicamente, com pólen e néctar provenientes das flores. Nos períodos de escassez de florada, a utilização de alimentação artificial é prática habitual entre os meliponicultores. Garante a sustentabilidade da produção de ninhos e sua multiplicação em larga escala, evitando também a derrubada de árvores para a retirada dos ninhos.

As duas dietas são à base de soja, escolhida por ter alto valor protéico, ser semelhante ao pólen e ter valor comercial mais baixo que o do pólen de Apis mellifera (abelha-européia), alimento normalmente usado como substituto na alimentação de abelhas nativas sem ferrão. Foram desenvolvidas para alimentar colônias de uruçu-cinzenta (ou tiúba, no Maranhão) e uruçu-amarela - Melipona fasciculata e Melipona flavolineata, respectivamente - duas das oito espécies de meliponíneos consideradas de grande potencial para a geração de renda no Pará, entre as 70 conhecidas pela ciência no Estado.

Compostas por saburá (pólen fermentado), extrato de soja, açúcar e água, as dietas têm metodologias diferentes de preparo da mistura para adaptá-las às necessidades das duas espécies.

Durante os trabalhos de elaboração da alimentação artificial para a M. fasciculata, também foi estabelecida (para efeitos de pesquisa, mas facultativa para fins de criação) uma metodologia de rastreamento. O alimento ingerido foi rastreado dentro do ninho e no aparelho digestivo das abelhas com o auxílio de anilina líquida colorida comestível.

Ouça o Prosa Rural desta semana e saiba mais sobre este assunto. O Prosa Rural é o programa de rádio da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. O programa conta com o apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Responsável: Izabel Cristina Drulla Brandão
Email: izabel@cpatu.embrapa.br
 

Notícias Relacionadas

24/04/14 » RS registra maior safra agrícola da história
24/04/14 » Porto de Rio Grande tenta evitar perda bilionária por possível calote chinês‏
24/04/14 » Plano de sucessão:preparando as próximas gerações de gestores da agroindústria
24/04/14 » Com aporte de R$ 55 milhões, Yara reabre unidade mais moderna do País
24/04/14 » Sobras de soja‏ preocupam produtores argentinos

Comentários (3)

Comente esse conteúdo preenchendo o formulário abaixo e clicando em enviar






- Opiniões expressas nesse ambiente são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representam o posicionamento do Portal Agrolink.

03/05/2013 às 11:19h - Prezados, mais informações podem ser obtidas através do e-mail izabel@cpatu.embrapa.br. (Redação Agrolink)

02/05/2013 às 08:32h - Tenho uma criação de abelhas sem ferrão e quero comprar a ração proteica,onde posso encontrar em Belém,são da raça Uruçú Cinzenta (Betania Viegas )

20/04/2012 às 06:16h - Onde comprar alimento artificial p/ abelhas nativas(mandaçaia)? (Regis Rodrigues)

Colunistas | Eventos  | Cadastre-se  | Agrotempo  | Feiras e Fotos  | Vídeos
Ip: 54.211.153.104 Cod: -1 Est: -1 Cid: -1
Siga o Agrolink também nos seguintes sites
Twitter Orkut