28/08
CBOT
BM&F

Soja
US$ 10,9 (SET14)
R$ ()

Milho
US$ 3,61 (SET14)
R$ 24,27 (NOV14 )


Saúde Animal


Leptospirose Bovina

Visitas: 14581
Comentários: 3

Leptospirose Bovina
02/03/11 - 10:40 


A leptospirose é uma doença infecciosa de distribuição cosmopolita, causada por bactérias do gênero Leptospira, que acomete entre os animais domésticos tais como: bovinos, suínos eqüinos, muares, gatos e cães, podendo ocorrer também em vários animais selvagens. 
Sua relevância se deve a seu potencial zoonótico, podendo levar a doença humana, onde as principais características é febre, icterícia, alterações hepática e renal, além de cefaléia, alterações gastrointestinais e a febre hemorrágica, podendo levar a óbito em pouco tempo.
Podemos dizer que nos bovinos tem grande interesse econômico, pois são eles os grandes reservatório e disseminadores da doença, principalmente quando se instala em forma crônica, geralmente esta é assintomática sendo então um portador em potencial e que poderá eliminar a bactéria por longo período, contaminando as pastagens e os estábulos.É causada por espiroquetas: Ordem Spirochaetales; Família Spirochaetaceae; Gênero Leptospira.
O gênero contém 7 diferentes espécies, com mais de 200 sorovariantes em todo o mundo, sendo que no Brasil, as mais importantes em bovinos são: pomona, wolfii, sejroe, hardjo e bratislava. e interogans.   

EPIDEMIOLOGIA 

A leptospirose bovina é endêmica no Brasil, podendo nos bovinos, ocasionar alterações congênitas, abortos, distúrbios reprodutivos (retenção de placenta e natimortos), com infecções subclínicas capazes de prejudicar a eficiência reprodutiva do animal, levando-o à infertilidade. 
São acometidos bovinos de ambos os sexos, porém com perdas mais significativas em fêmeas, levando a perdas zootécnicas principalmente na produção de leite, devido a problemas com mastites.


TRANSMISSÃO


A via de transmissão mais importante é pela urina. A via venérea constitui vetor pelo trato genital de vacas durante um período de oito dias após o abortamento e encontra-se, também, no trato genital de touros. A via transplacentária (não é comum, porém a infecção neonatal é provavelmente contraída no útero) e mamária ou até o hábito de limpeza da genitália, escroto, tetas ou outras partes entre os animais, pode constituir-se vias de transmissão.A transmissão ao homem é carreada pela urina ou órgãos e infectam o humano pelo contato direto com a pele, mucosa oral e conjuntival com água contaminada e outras fontes, sendo risco para fazendeiros, trabalhadores rurais, pessoal de lida no frigorífico e veterinário.PATOGENIA
Após a penetração da pele ou mucosa, os microorganismos fazem bacteremia, sendo carreados ao fígado, multiplicando-se e fazendo nova bacteremia. Podem se reproduzir no sangue, levando a um quadro de septicemia, com hemólise e hemoglobinúria (este quadro é mais comum em bezerros). Se o animal sobreviver a esta fase, poderá evoluir para a fase renal.


A lesão capilar é comum a todas as sorovariantes e, durante a fase septicêmica, hemorragias petequiais são comuns. A lesão vascular também ocorre no rim, levando a um quadro de nefrose hemoglobinúrica. Diferentemente de outros animais e do homem, o quadro de insuficiência renal no bovino é muito mais raro de acontecer e o abortamento é uma seqüela comum após a invasão inicial sistêmica, com ou sem degeneração placentária. 
Podem ocorrer várias semanas após a invasão sistêmica, com mais freqüência na segunda metade da gestação, provavelmente devido à maior facilidade de invasão da placenta neste estágio. 
O abortamento sem prévia doença clínica também é comum. Raramente as leptospiras estão presentes no feto abortado, e o período de incubação na leptospirose, usualmente, vai de quatro a dez dias.


SINTOMAS  

A forma aguda é relacionada à fase inicial da doença, que coincide com a bacteremia, e geralmente é de difícil visualização, sendo descritos, entretanto, sinais de febre alta (40,5 a 41,5o C), hemoglobinúria, icterícia, anorexia, aborto em animais prenhes e queda na produção do leite devido a uma mastite atípica, com o úbere podendo apresentar-se edematoso e flácido à palpação e o leite amarelado ou tingindo de sangue. Porém estes sintomas são comuns em várias outras enfermidades. A anemia leva à taquicardia e dispnéia. Nesta fase, a taxa de mortalidade é alta, principalmente em bezerros, ou quando sobrevivem, a convalescência é prolongada.
Na forma subaguda, são também descritas diminuição na produção do leite, a febre é moderada entre 39 a 40,5 °C, levando a uma leve icterícia e diminuição da ruminação. Na forma crônica, as alterações estão restritas à esfera reprodutiva, culminando em sinais como abortos que ocorrem com maior freqüência do quinto ao sexto mês de gestação, retenção de placenta, culminando em deficiências reprodutivas e natimortos. As formas agudas e subagudas são mais observadas em animais jovens e em vacas em lactação.
Nos bezerros além do quadro agudo, alguns apresentam rigidez dos membros posteriores. Ao baixar a temperatura os animais afetados voltam ao normal, porém retardam o crescimento em relação aos que não sofreram a doença. O prognóstico em animais de produção é bom, pois a doença é normalmente benigna, exceto pelos casos que ocorram em neonatos e abortos, havendo um grande prejuízo funcional e econômico.


DIAGNÓSTICO 


O diagnóstico da leptospirose depende de um bom exame clínico, boa anamnese, histórico de vacinação e avaliação laboratorial empregando-se testes voltados para o diagnóstico da leptospirose. 
 Em bovinos os abortos podem até ser atribuídos à outra doença ou até serem confundidos com abortos de origem não infecciosa, e neste caso é muito importante o diagnóstico diferencial com outras doenças reprodutivas que apresentam os mesmos sintomas.No exame histopatológico, a observação do agente exigi a fixação do tecido imediatamente no pós morte, e coloração pelo método de impregnação pela prata, contudo os resultados são muito mais satisfatórios em condições experimentais. A cultura para isolamento do agente e a inoculação em cobaias ainda são as técnicas mais eficientes e seguras de diagnóstico. 
Os métodos indiretos de diagnóstico baseiam-se na demonstração de anticorpos por provas de soro aglutinação, fixação de complemento, imunofluorescência indireta e ELISA. As leptospiras induzem a produção de anticorpos, principalmente do tipo IgM. As imunoglobulinas IgA e IgG aumentam mais discretamente com a evolução da doença.


CONTROLE


O controle deve ser feito através do diagnóstico, com tratamento e isolamento dos animais doentes. Os animais devem ser retirados de áreas alagadas. Mantê-los distantes dos depósitos de alimentos.Em casos de abortos, o feto e restos placentários, devem ser enterrados evitando contaminação. Enquanto nos surtos, tratar preventivamente os animais sadios, evitando colocá-los em pastos alagados, nem mesmo agrupá-los.

Autor/s. Dr. Joseir Monteiro
Mato Grosso
Médico Veterinário

Notícias Relacionadas

22/08/14 » Febre aftosa
25/07/14 » Análise dos avanços na erradicação da febre aftosa no âmbito do plano hemisférico
16/06/14 » Um Estudo de Autômatos Celulares com Parâmetros Fuzzy para a Dispersão da Febre Aftosa em Bovinos
16/06/14 » Contribuição ao estudo do diagnóstico de gestação em Capra hircus
19/05/14 » Development and performance of inactivated vaccines against foot and mouth disease

Comentários (3)

Comente esse conteúdo preenchendo o formulário abaixo e clicando em enviar






- Opiniões expressas nesse ambiente são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente representam o posicionamento do Portal Agrolink.

27/07/2014 às 08:40h - SE VACINAR TOUROS CONTRA IBR E LEPTOSPIROSE TRANSMITIRA AS VACAS OU DEVO DESCARTA-LOS? (GILBERTO)

20/05/2013 às 10:45h - Gostaria de ter mais inforrmações sobre o tratamento e diagnostico? (Alexandre)

21/11/2011 às 10:05h - Muito bom o conteúdo!! Tenho um trabalho a respeito e foi uma otima fonte de pesquisa!! Gostaria de saber oque traz de prejuizos p os machos? Obg. (Taina)