Pecuaristas devem informar coordenadas geográficas das propriedades à Agrodefesa

OBRIGATÓRIO

Pecuaristas devem informar coordenadas geográficas das propriedades à Agrodefesa

A partir de 1º de novembro, os pecuaristas só irão conseguir fazer a declaração de vacinação e do rebanho total após informar as coordenadas
Por:
1204 acessos

Os pecuaristas que ainda não cadastraram as informações sobre as coordenadas geográficas (ponto de localização) da sede de suas propriedades precisam adotar essa providência rapidamente, alerta o Governo de Goiás por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa). A medida é obrigatória e faz parte do conjunto de exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Mapa, previstas no Plano Estratégico do Programa Nacional de Prevenção e Erradicação da Febre Aftosa - PNEFA, para a retirada da vacina contra febre aftosa em 2021.

Os criadores já podem inserir essas informações em seus respectivos cadastros no Sistema de Defesa Agropecuária do Estado de Goiás (Sidago). A partir de 1º de novembro, quando terá início a segunda etapa de vacinação do rebanho, os pecuaristas só irão conseguir fazer a declaração de vacinação e do rebanho total após informar as coordenadas geográficas das propriedades. Como consequência, se não apresentarem a declaração de vacinação, ficarão impedidos de movimentar seus animais.

O presidente da Agrodefesa, José Essado, enfatiza que a medida é muito importante e tem como objetivo melhorar o controle zoossanitário dos rebanhos pela Defesa Sanitária Animal, uma das ações que vão contribuir para a obtenção do status de zona livre de febre aftosa sem vacinação, com reconhecimento internacional. Atualmente, 48% das propriedades que realizam atividade pecuária e constam no cadastro da Agrodefesa já estão regulares com esta informação. A meta é chegar ao fim de dezembro deste ano com 100% das propriedades com informações das coordenadas geográficas.

O roteiro para obter as coordenadas geográficas das sedes das propriedades rurais é muito simples. Elas devem ser buscadas no ponto de localização da sede da propriedade, no formato Latitude e Longitude (graus, minutos e segundos). Esta informação pode ser obtida in loco na propriedade, por meio de aplicativos de celular e aparelho de GPS, ou mesmo de programas/softwares como o Google Earth e o Google Maps, diretamente na Internet. Os pecuaristas também podem procurar os escritórios Regionais e Locais da Agrodefesa nos municípios onde estão as fazendas, onde terão orientação sobre como obter e informar as coordenadas geográficas.

A Gerência de Sanidade Animal recomenda aos produtores que realizam a atualização/comunicação o quanto antes, evitando transtornos e atropelos futuros para a emissão das Guias de Trânsito Animal - GTAs e consequente movimentação de animais. A Agrodefesa tem até março de 2020 para a entrega, ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), de 100% das propriedades georreferenciadas em Goiás, sendo que o Serviço Veterinário Oficial goiano passará por auditoria neste período.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink