Juiz permitirá provas controversas no caso glifosato

TRIBUNAL

Juiz permitirá provas controversas no caso glifosato

A Bayer nega as alegações de que o glifosato causa câncer
Por: -Leonardo Gottems
310 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

O juiz federal dos Estados Unidos, Vince Chhabria, que supervisiona ações judiciais que alegam que o herbicida Roundup, da Bayer AG, causou câncer, permitiu a obtenção de evidências controversas que a empresa esperava excluir dos próximos testes. Ele afirmou que sua decisão "provavelmente é mais decepcionante para a Monsanto", a unidade da Bayer que fabrica o herbicida mais usado no mundo. 

A empresa nega as alegações de que o glifosato causa câncer e diz que décadas de estudos independentes mostraram que o produto químico é seguro para uso humano. O juiz afirmou que os queixosos poderiam apresentar algumas evidências das supostas tentativas da Monsanto de influenciar as descobertas de cientistas e reguladores durante a primeira fase dos próximos testes. Ele disse que os documentos que mostravam a empresa tomando uma posição sobre a ciência ou um estudo apresentado durante a primeira fase eram "super relevantes". 

A empresa esperava que o juiz adotasse uma linha mais dura com base em evidências depois de uma ordem de 3 de janeiro de Chhabria que restringia a evidência de má conduta corporativa. Na época, essa decisão elevou as ações da Bayer em quase 7%. A Monsanto argumentou que muitas dessas evidências eram um "espetáculo secundário" que apenas distrairia os jurados das evidências científicas. 

As partes concordaram que outros documentos internos, incluindo e-mails de funcionários da Monsanto discutindo esforços de lobby, não pertencem à fase inicial de testes. Sob a ordem de Chhabria, essa evidência seria permitida somente se o glifosato tivesse causado o câncer do autor Edwin Hardeman e o julgamento procedeu a uma segunda fase para determinar a responsabilidade da Bayer.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink