Antracnose ou (Colletotrichum orbiculare)

Antracnose

(Colletotrichum orbiculare)

Culturas Afetadas: Abóbora, Abobrinha, Maxixe, Melancia, Melão, Pepino

A antracnose é uma doença muito importante não só pela freqüência com que incide como também pelos danos que causa às culturas, especialmente de cucurbitáceas como o pepino, chuchu, melão e melancia.

Danos: As plantas podem ser afetadas em qualquer estádio de desenvolvimento e todos os órgãos aéreos são suscetíveis. Em pepino, chuchu e melão, os sintomas são muito semelhantes. Lesões nas folhas iniciam-se com encharcamento do tecido, seguido de necrose, resultando em mancha circular de cor parda e centro mais claro. O diâmetro das manchas pode variar de alguns milímetros a vários centímetros, podendo ou não apresentar halo amarelo.

Em folhas mais velhas, constata-se coalescência de manchas, resultando em extensas áreas necrosadas. Nas hastes e no pecíolo, as lesões são elípticas, deprimidas, de coloração variável de cinza a parda e, sob elevada umidade, podem apresentar-se recobertas de massa rosada, constituída de esporos do fungo. Nos frutos, os sintomas são elípticos a circulares, deprimidos e, num estádio mais avançado, recobertos de massa rosada. Estes sintomas podem aparecer após a colheita.

Em abóbora, os sintomas nos frutos aparecem na forma de placas brancas superficiais. A colonização interna dos frutos só ocorre quando eles atingem a maturação. A podridão geralmente é seca e constata-se formação de acérvulos de cor preta na superfície das áreas afetadas.

Controle: As medidas de controle recomendadas são:

a) utilização de sementes sadias;

b) destruição de restos de cultura e outras cucurbitáceas;

c) rotação de culturas por 2 a 3 anos;

d) emprego de variedades e/ou híbridos resistentes;

e) pulverização com fungicidas protetores ou sistêmicos.

Nos cultivos em estufas plásticas, deve-se fazer manejo ambiental através do controle de irrigação.

Fotos

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente
Mostrando 1 até 12 de 61