Mancha angular ou Mancha reticular, mancha reticulada (Drechslera teres)

Mancha angular

Mancha reticular, mancha reticulada (Drechslera teres)

Culturas Afetadas: Cevada

Sinônimo: Helminthosporium teres
Teleomorfo: Pyrenophora teres

Esta doença já foi relatada em todos os locais de cultivo da cevada no Brasil, causando, geralmente, prejuízos elevados, de tal forma que é considerada a moléstia mais importante da cultura. Devido à suscetibilidade dos cultivares disponíveis, boas produtividades de cevada geralmente implicam no emprego de fungicidas.

Danos: Os primeiros sintomas localizam-se nas folhas basais e são conseqüência da transmissão do patógeno a partir da semente. Tais sintomas caracterizam-se como manchas ou estrias marrons que, pela produção de linhas longitudinais e transversais, formam redes de tecido necrosado. As manchas ou estrias, quase sempre, são circundadas por um nítido halo amarelado. Estas lesões evoluem ou coalescem, podendo formar estreitas e extensas áreas de tecido necrosado, sobre as quais o fungo esporula abundantemente. Manchas marrons também podem ser observadas nas espigas.

Controle: Devido à especificidade do patógeno pela cevada, a rotação de culturas durante dois anos, especialmente com linho e leguminosas, reduz o inóculo presente no solo a níveis insignificantes. Esta prática deve ser complementada com o uso de sementes sadias ou tratadas. Neste sentido, vários produtos têm mostrado resultados satisfatórios. Na parte aérea, aplicações de fungicida são necessárias quando, entre os estádios de perfilhamento e grão em massa mole, as manchas foliares atingirem 10% da área foliar, na média das três folhas superiores do colmo principal de plantas colhidas na lavoura. Para tanto, são recomendados o uso de fungicidas triazóis sistêmicos.

Deslize o dedo na tabela abaixo para movê-la horizontalmente
Mostrando 1 até 12 de 67