Bula Asulox 400 - UPL

Bula Asulox 400

acessos
asulam
178704
UPL

Composição

Asulam 400 g/L Sulfanililcarbamato

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Seletivo, Sistêmico

Cana-de-açúcar Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Capim amargoso
(Digitaria insularis)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim angola
(Brachiaria mutica)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim colchão
(Digitaria horizontalis)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim favorito
(Rhynchelytrum repens)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim gengibre
(Paspalum maritimum)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Capim pé de galinha
(Eleusine indica)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Grama seda
(Cynodon dactylon)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
9 L p.c./ha 200 a 500 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) 9 dias. Não determinado. Pós-emergência da cultura e das plantas infestantes

Embalagem: 1, 5, 20, 50 e 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO: ASULOX 400 é um produto destinado ao controle de ervas daninhas, especialmente as gramíneas, que invadem a cultura de CANA-DE-AÇÚCAR.

INDICAÇÕES: CULTURA, DOSE, ÉPOCA DE APLICAÇÃO: Cana-de-açúcar,(Cana soca e Cana planta),9 litros / ha, Em pós-emergência das ervas daninhas, quando estas estiverem em pleno desenvolvimento vegetativo.

PERÍODO DE CARÊNCIA: Não determinado devido a modalidade de emprego Plantio direto.

FORMAS DE APLICAÇÃO: Recomenda-se aplicar com pulverizador costal manual, equipamentos tratorizados ou aeronaves agrícolas. Deve-se sempre utilizar água limpa para o preparo da calda, fazendo uma pré-mistura do produto em um pouco de água, que após será colocado no volume total a ser pulverizado.

APLICAÇÃO TRATORIZADA: Empregar conjunto de barras e bicos de jato cônico vazio com a combinação de ponta e difusor (core) adequado a uma cobertura uniforme das ervas sem escorrimento do produto. A barra deverá estar posicionada à altura de 50 cm em relação ao alvo de deposição. A pressão de trabalho deverá ser entre 60-80 psi, a uma vazão de 100 a 200 litros/ha.

APLICAÇÃO AÉREA: Em aviões do tipo Ipanema, utilizar o total de 40-42 bicos de jato cônico na barra de pulverização, fechando de 4 a 5 bicos nas extremidades das asas, para ser evitada a influência e arraste das gotas pelos vértices da asa. Os bicos trabalharão em angulação de 110° a 180° em relação à linha de vôo e de acordo com as variações das condições climáticas locais durante a aplicação, de maneira a se obter uma gotulação com um DMV entre 120-150 m e um mínimo de 40 gotas/cm2, a uma vazão de 40-50 litros/ha. Não utilizar Micronair AU 3000 devido aos volumes estabelecidos não permitirem uma geração e distribuição uniforme das gotas dentro da faixa de deposição.

FAIXA DE DEPOSIÇÃO: Em aviões do tipo Ipanema, a faixa de deposição será de 15 metros a uma altura de vôo de 4-5 m em relação ao alvo de deposição. Para outros tipos de aeronaves consultar a Área de Tecnologia de Aplicações da empresa. Em equipamentos terrestres, equipados com barras de pulverização, a faixa de deposição ficará limitada ao comprimento da própria barra.

CONDIÇÕES CLIMÁTICAS: Temperatura máxima: 270 ºC, umidade relativa do ar: mínima 55%, velocidade do vento: máximo 10 km/hora (3m/s). Nas aplicações com qualquer tipo de equipamento, observar as condições climáticas recomendadas, considerando que a umidade relativa do ar é o fator mais influente na maior ou menor rapidez de evaporação das gotas de pulverização e onde as gotas grandes terão uma deposição irregular e as gotas finas um desvio acentuado do alvo de deposição desejado.

AMADURECEDOR QUÍMICO (Regulador de Crescimento): ASULOX 400 é recomendado como amadurecedor químico, para a cultura de Cana-de-açúcar. Deve-se utilizar a dosagem de 10 litros/ha. Aplicar 10 semanas (aproximadamente 70 dias) antes da colheita, fazendo uma única aplicação. Diluir o produto em 40 litros de água/ha para aplicação por avião. (Período de carência - 70 dias).

AÇÃO HERBICIDA: A ação desse produto sobre gramíneas é lenta, porém segura. Após uma semana, cessa o crescimento das ervas que começam a apresentar coloração verde-clara, amarelecem, para, em seguida, ocorrer à morte.

FITOTOXICIDADE: Nas doses e culturas indicadas o produto não é fitotóxico.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: MEDIDAS GERAIS E PRIMEIROS SOCORROS: Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação, use macacão com mangas compridas, chapéu impermeável de abas largas e botas. Não contamine coleções de água de qualquer natureza. Mantenha o produto na embalagem original, sempre fechada, em lugar seco e ventilado, fora do alcance de crianças, pessoas não responsáveis e animais domésticos, e longe de alimentos, bebidas, rações e medicamentos. Utilize e enterre as embalagens vazias. Evite o contato com a pele. Lave as mãos e partes expostas do corpo com abundância de água e sabão ao fim de cada turno de serviço, principalmente antes de comer, beber ou fumar. Não lance restos do produto, nem limpe equipamentos de aplicação ou recipientes usados, em coleções de água de qualquer natureza ou junto a poços de água potável. Manuseie em locais arejados. Evite a deriva e não aplique sobre áreas ocupadas por pessoas desprotegidas ou animais domésticos, que devem ser mantidos fora da área tratada. Não aplique o produto contra o vento. Não utilize equipamentos com vazamentos, não desentupa bicos, orifícios, válvula, etc. com a boca. Em caso de ingestão acidental, provoque vômito, beba água e procure imediatamente um médico, levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isso aconteça, procure local arejado e se houver sinais de intoxicação chame o médico. Evite contato com a pele. Caso isso aconteça, lave imediatamente as partes atingidas com água e sabão em abundância e se houver sinais de irritação procure o médico. Evite contato com olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e se houver sinais de irritação procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. RAPIDAMENTE ABSORVIDO ATRAVÉS DA PELE, VENENOSO SE INGERIDO, INALADO OU ABSORVIDO ATRAVÉS DA PELE. INALAÇÕES OU CONTATOS REPETIDOS COM A PELE PODEM, SEM SINTOMAS APARENTES, AUMENTAR PROGRESSIVAMENTE A SUSCETIBILIDADE A INTOXICAÇÕES POR PRODUTOS ORGANOFOSFORADOS E CARBAMATOS. ATROPINA É O ANTÍDOTO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INTOXICAÇÃO. NUNCA ADMINISTRE ATROPINA ANTES DO APARECIMENTO DOS SINTOMAS DE INTOXICAÇÃO. Se o acidentado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para assistência médica mais próxima.

SINTOMAS DE ALARME: Fraqueza, dor de cabeça, opressão no peito, visão turva, pupilas não reativas, salivação abundante, suores, náuseas, vômitos, diarréias e cólicas abdominais.

ANTÍDOTO DE TRATAMENTO: SULFATO DE ATROPINA, pelas vias intramuscular ou intravenosa (eventualmente também por via oral): 1 a 6 mg cada 5 a 30 minutos até atropinização leve.

CONTRA-INDICAÇÃO: Oximas (Contrathion), morfina, aminofilina, tranqüilizantes.

Não avaliado pelo IBAMA - Registro Decreto nº 24.114/34.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes sejam implementados.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para
o aumento de população de plantas daninhas a ele resistentes.
Como prática de manejo de resistência de plantas daninhas deverão ser aplicados
herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a
cultura.
Não havendo produtos alternativos, recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o
uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos,
consulte um Engenheiro Agrônomo.

Compatibilidade

Incompatível com produtos ácidos.