Bula Cerconil WP

acessos
Chlorothalonil + Thiophanate methyl
2188606
Iharabras

Composição

Clorotalonil 500 g/kg Carbonitrilas
Tiofanato-metílico 200 g/kg Benzimidazóis

Classificação

Fungicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato, Sistêmico
Crisântemo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Oídio
(Oidium chrysanthemi)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. UNA. No início do florescimento
Feijão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum lindemuthianum)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Cercosporiose
(Cercospora spp)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Ferrugem
(Uromyces appendiculatus)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Mancha angular
(Phaeoisariopsis griseola)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Míldio
(Phytophthora phaseoli)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Míldio
(Peronospora manshurica)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Oídio
(Erysiphe polygoni)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Pinta preta
(Alternaria spp)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
1,5 a 2 kg p.c./ha 800 a 1000 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Pré e pós florescimento. 14 dias. 20 dias após a emergência
Melancia Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Crestamento gomoso do caule
(Didymella bryoniae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Mancha das folhas
(Cercospora citrullina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Mancha de alternaria
(Alternaria cucumerina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Oídio
(Sphaerotheca fuliginea)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 13 dias. No início da frutificação
Melão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Crestamento gomoso do caule
(Didymella bryoniae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Mancha das folhas
(Cercospora citrullina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Mancha de alternaria
(Alternaria cucumerina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Oídio
(Sphaerotheca fuliginea)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 14 dias. No início da frutificação
Pepino Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum orbiculare)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Crestamento gomoso do caule
(Didymella bryoniae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Mancha das folhas
(Cercospora citrullina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Mancha de alternaria
(Alternaria cucumerina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Mancha zonada
(Leandria momordicae)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Míldio
(Pseudoperonospora cubensis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Oídio
(Sphaerotheca fuliginea)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Podridão de esclerotinia
(Sclerotinia sclerotiorum)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. 7 dias. No início da frutificação
Rosa Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. UNA. Logo após a poda
Oídio
(Sphaerotheca pannosa)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 a 10 dias. UNA. Logo após a poda
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 14 dias. Início da frutificação
Septoriose
(Septoria lycopersici)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - 7 dias. 14 dias. Início da frutificação
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Antracnose
(Colletotrichum gloeosporioides)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Florescimento. 14 dias. Fase de brotação
Antracnose
(Elsinöe ampelina)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Fase do florescimento. 14 dias. Fase de brotação
Cercospora
(Pseudocercospora vitis)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Fase do florescimento. 14 dias. Fase de brotação
Míldio
(Plasmopara viticola)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Fase do florescimento. 14 dias. Fase de brotação
Mofo cinzento
(Botrytis cinerea)
200 g p.c./100 L de água 800 a 1000 L de calda/ha - Florescimento. 14 dias. Fase de brotação

Saco de papel multifoliado de 25 kg;
Saco plástico de polietileno de 1; 5 e 25 kg;
Saco plástico contendo internamente 6 pacotes de 5 kg;
Saco plástico contendo internamente sacos hidrossolúveis de 0,1; 0,2; 0,25; 0,5; 1; 5; 10; 20 de 25 kg.

INSTRUÇÕES DE USO:
CULTURAS, DOENÇAS E DOSES:
CERCONIL WP - Trata-se de um fungicida Pó Molhável, com ações sistêmica e de contato, empregado no controle de inúmeras doenças fúngicas em diversas culturas.

CULTURAS/DOENÇAS/DOSES: Vide Sessão indicações de uso/doses

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Os tratamentos deverão ser iniciados preventivamente conforme as condições climáticas ou aos primeiros sintomas do aparecimento das doenças, conforme abaixo:
-Na cultura do Cravo e Gladíolo: Realizar de forma preventiva (com início do florescimento), em um total de até 3 aplicações, com intervalos de 7 a 10 dias.
- Na cultura do Crisântemo: Realizar as aplicações em um total máximo de 4 aplicações, iniciando-se no início do florescimento, com intervalos de 7 a 10 dias.
-Na cultura do Feijão: Realizar até 3 aplicações, onde a primeira aplicação deverá ser realizada aos 20 dias após a emergência e as demais na fase de pré e pós florada.
- Nas culturas de Melancia, Melão e Pepino: Realizar até 3 aplicações iniciando-se no início da frutificação, com intervalos de 7 a 10 dias.
- Na cultura da Rosa: Realizar até 5 aplicações anuais (iniciando-se logo após a primeira poda) com intervalos de 7 a 10 dias.
- Na cultura do Tomate: Realizar até 4 aplicações, sendo a primeira no início da frutificação e as demais em intervalos de 7 dias.
- Na cultura da Uva: Realizar até 2 aplicações, sendo a primeira na fase da brotação e a segunda no florescimento. Evitar aplicações nas horas mais quentes do dia.

MODO DE APLICAÇÃO:
Via terrestre:
Usar pulverizadores tratorizados de barra, bicos cônicos, com volume de 800-1.000 L/ha, Usando-se outros tipos de equipamentos, procurar obter uma cobertura uniforme da parte aérea da planta. - No caso de barras, usar bicos cônicos pontas D6 e D12 disco (core) inferior a 45°.
Via Aérea: Uso de barra e atomizador rotativo Micronair.
-Volume de aplicação: 30-40 L/ha;
- Altura do vôo com barra: 2-3 m e com Micronair: 3-4 m; - Largura da faixa de deposição efetiva: 15 m;
-Tamanho/densidade da gota: 80 micra com mínimo de 60 gotas/cm2. - Usando micronair, o número de atomizadores deve ser 4, onde para o ajuste do regulador de vazão (VRU), pressão e ângulo de pá, seguir tabela sugerida pelo fabricante.
Condições climáticas: o diâmetro de gotas deve ser ajustado para cada volume de aplicação (L/ha) para proporcionar a adequada densidade de gotas, obedecendo ventos de até 10 km/h, temperatura e umidade relativa, visando reduzir ao mínimo, perdas por deriva e evaporação.
Em se tratando de aplicação aérea obedecer umidade relativa não inferior a 70%.
O sistema de agitação do produto no interior do tanque deve ser mantido em funcionamento durante toda aplicação.
OBS.: Seguir as recomendações técnicas de aplicação e consultar sempre um Engenheiro Agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Obedecer ao intervalo (dias) entre a última aplicação e a colheita: . Feijão, melão, uva e tomate: 14 dias
. Melancia: 13 dias
. Pepino: 7 dias
. Cravo, crisântemo, gladíolo e rosa: U.N.A.
U.N.A. = Uso Não Alimentar.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana — ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
Fitotoxicidade: Não é fitotóxico para as culturas indicadas nas doses recomendadas. Outras restrições à serem observadas: O produto é incompatível com Óleo Mineral.

MEDIDAS GERAIS E PRIMEIROS SOCORROS: Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação, use macacão com mangas compridas, avental impermeável, chapéu impermeável de aba larga, botas, máscara protetora especial, provida de filtro adequado ao produto. Leia e siga as instruções do rótulo. Mantenha o produto afastado de crianças e animais domésticos. Evite comer, beber ou fumar durante o manuseio ou aplicação do produto. Mantenha o produto afastado de alimentos ou de ração animal. Não contamine lagos, fontes, rios e demais coleções de água lavando as embalagens ou aparelhagem aplicadora, bem como lançando-lhes seus restos. Mantenha a embalagem original sempre fechada e em lugar seco e ventilado. Inutilize e enterre profundamente as embalagens vazias do produto. Mantenha afastado das áreas de aplicações crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas por um período de 7 dias após a aplicação do produto. Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc., com a boca. Não utilize equipamentos com vazamentos. Uso exclusivamente agrícola. Após a utilização do produto, remova as roupas protetora e tome banho. Distribua o produto da própria embalagem sem o contato manual. Procure imediatamente assistência médica em qualquer caso de suspeita de intoxicação. Aplique somente as doses recomendadas. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas, use luvas impermeáveis. Mantenha a embalagem longe do fogo. Não dê nada por via oral à uma pessoa inconsciente. Não aplique o produto na presença de ventos. Tóxico para peixes.

PRECAUÇÕES E PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de ingestão acidental, provoque o vômito e procure imediatamente o médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isso aconteça, remova o paciente para local arejado. Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave imediatamente com água e sabão e se houver sinais de irritação, procure o médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite o contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Oxigenoterapia, na eventualidade do paciente apresentar cianose ou séria dificuldade respiratória.

SINTOMAS DE ALARME: Dor de cabeça, náusea.

ANTÍDOTOS E TRATAMENTO: Tratamento sintomático a critério médico.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: - Este produto é:
- MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II)

- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
-Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos. - Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
-Não utilize equipamento com vazamento.
-Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
-Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500(quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos animais e vegetação suscetível a danos.
-Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO S CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
-Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas para o recolhimento de produtos vazados.
-Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:
-Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa IHARABRAS S/A INDÚSTRIAS QUÍMICAS - Telefone de Emergência: (0xx15) 3235-7700.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
. Piso pavimentado: recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
-Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.

.Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores DO TIPO GÁS CARBÔNICO OU PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
As orientações abaixo deverão ser mantidas para embalagem FLEXÍVEL. - ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Oarmazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local o guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término prazo de validade.
Ousuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebida, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

Embalagem SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)
- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
O Armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

-TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

-DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

- É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

- PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através da incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

RESTRIÇÕES ESTADUAIS: De acordo com as orientações do Órgão Estadual competente.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC-BR (Comitê de Ação a Resistência à Fungicidas - Brasil) - Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou do mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.

Compatibilidade

Incompatível com óleo mineral.