Bula Commence

acessos
Clomazona
4907
FMC - Campinas

Composição

Clomazone 500 g/L Isoxazolidinona

Classificação

Herbicida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Sistêmico, Pré-emergência, Seletivo condicional
Arroz irrigado Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Angiquinho
(Aeschynomene rudis)
1,4 L p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Única. Não determinado. Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz
Capim arroz
(Echinochloa crusgalli)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Única. Não determinado. Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz
Capim arroz
(Echinochloa colona)
0,5 a 0,6 L p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Única. Não determinado. Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz
Capim colchão
(Digitaria sanguinalis)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Única. Não determinado. Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz
Papuã
(Brachiaria plantaginea)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 300 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) Única. Não determinado. Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz

Conteúdo: 1; 5; 20; 500; 945 e 1.000 L.

INSTRUÇÕES DE USO:

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
-Realizar somente uma única aplicação para controlar as plantas infestantes.

MODO DE APLICAÇÃO:
-Pós-plantio, pré-emergente em relação às plantas infestantes e à cultura, podendo ainda ser aplicado logo após o início da emergência do arroz.
-O solo deve estar livre de torrões, previamente eliminados por um bom preparo do solo pela gradagem.
-COMMENCE para sua ativação precisa de uma quantidade mínima de umidade no solo.
Na ausência desta, deve-se aguardar uma chuva leve (maior que 10 mm) para sua ativação. Neste caso, se houver mato já germinado, o mesmo deve ser eliminado através de um cultivo superficial (tratorizado ou manual) nas entrelinhas, evitando-se o movimento intenso do solo para manter COMMENCE na camada superficial.
-Uso em arroz-irrigado: antes do plantio as sementes devem ser tratadas com Permit. O Permit funciona como "safener" (protetor), conferindo seletividade ao COMMENCE para a cultura.
-Em arroz irrigado as doses menores são recomendadas para a utilização do produto em solos médios e as doses maiores para solos pesados. A recomendação da dose em faixa também ocorre em função do nível de infestação de plantas infestantes.

Preparo da calda:
-Colocar água limpa no tanque do pulverizador até a metade de sua capacidade, após estar regulado com a correta vazão. Adicionar COMMENCE na dose previamente calculada. Acionar o agitador e completar com água o tanque de pulverização.
-A aplicação de COMMENCE poderá ser efetuada através de pulverização terrestre (manual ou tratorizada) e aeronaves agrícolas.

Equipamentos terrestres:
Bicos:
Bicos de jato plano (leque} com ângulo de jato de 1100 e dos tipos (LP, DG, TK, TF ou ADI). Todos os bicos da barra de aplicação deverão se manter à mesma altura em relação ao topo das plantas.

Pressão:
-pulverizadores costais manuais e tratorizados: de 20 a 40 psi.
-equipamentos com bicos de jato plano convencional: não ultrapassar a pressão de 40 psi.
-não utilizar bicos de jato plano uniforme (ex: 11002 E} a não ser em aplicações exclusivamente na linha de plantio ou de uma única faixa.

Volume de calda: 150 a 300 L/ha.

Diâmetro e densidade de gotas: DMV de 450 µm e densidade mínima de 20 gotas/cm².

Faixa de deposição: utilizar a recomendada para um bico ou barra completa que apresente maior uniformidade de distribuição de gotas sem falhas ou áreas com excesso.
Aeronaves agrícolas:

Bicos: bicos de jato plano da série 8010 ou 8015.
Diâmetro e densidade de gotas: DMV de 420 a 480 µm e densidade mínima de 20 gotas/cm².
Número de bicos:
-Aviões IPANEMA: 40 a 42 bicos, fechando de 4 a 5 em cada extremidade das asas e três intermediários de cada lado próximo à fuselagem, mantendo em operação os oito bicos sob a fuselagem (barriga), e posicionados no mesmo ângulo dos bicos das asas.
-Outros modelos de aeronaves agrícolas: utilizar a deposição que permita uma uniformidade de distribuição das gotas.
-Não realizar aplicações com bicos rotativos tipo MICRONAIR.
Altura de vôo:
-Aviões IPANEMA: 4 a 5 metros em relação ao topo da cultura.
-Outros modelos de aeronaves agrícolas: altura mínima de 3 a 4 metros do alvo.

Ângulo da barra: entre 120 e 135° (UR > 70%). Aumentar o ângulo com a redução da umidade relativa do ar (UR}.

Volume de aplicação: 30 a 40 L/ha.

Faixa de deposição:
-Aviões IPANEMA e similares: faixa máxima de 15 m.
-Aviões grandes: não deverá exceder 22 m.

Condições climáticas:
Temperatura ambiente: máximo 28°C.
Umidade relativa do ar (UR): mínima 70%.
Velocidade do vento: 2 a 10 km/hora.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Não determinado devido à modalidade de emprego.

LIMITAÇÕES DE USO:
-Não se recomenda aplicar COMMENCE a menos de 800 m da cultura de girassol e milho e das seguintes atividades: hortas, pomares, viveiros, casas de vegetação (estufas), jardins, videiras, arboredos, vegetações ribeirinhas e outras nativas.
-Culturas de inverno (trigo, aveia, centeio) subseqüentes à aplicação de COMMENCE poderão apresentar leve clorose em locais se houver erro de aplicação como doses duplicadas ou sobreposição de barra. Entretanto, estas plantas recuperam-se normalmente, não afetando a produção nestas condições.
-Aguardar um período mínimo de 150 dias após a última aplicação do COMMENCE para a instalação de culturas subseqüentes.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Como prática de manejo de resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas devidamente registrados para a cultura, com diferentes mecanismos de ação.
Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.