Bula Controller - Dow AgroSciences
CME MILHO (SET/20) US$ 3,116 (0,00%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (-0,92%)

Bula Controller NT

Mancozebe
1914
Dow AgroSciences

Composição

Mancozebe 800 g/kg

Classificação

Terrestre/Aérea
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato

Embalagem 1:
10.1. Tipo de embalagem: caixa
10.2. Material: papelão
10.3. Capacidade de acondicionamento: sacos hidrossolúveis de 20g, 50g, 100g, 200g, 250g e 500g
Embalagem 2:
10.1. Tipo de embalagem: caixa
10.2. Material: papelão
10.3. Capacidade de acondicionamento: 20 sacos de lkg
Embalagem 3:
10.1. Tipo de embalagem: saco
10.2. Material: polietileno e/ou aluminizado
10.3. Capacidade de acondicionamento: 1kg, 2kg, 5kg, 10kg, 25kg, 50kg e 100 kg
Embalagem 4:
10.1. Tipo de embalagem: saco 1 kg
10.2. Material: polietileno e/ou aluminizado
10.3. Capacidade de acondicionamento: sacos hidrossolUveis de 20g, 40g, 50g, 100g,
200g, 250g e 500g
Embalagem 5:
10.1. Tipo de embalagem: saco 1,2 kg
10.2. Material: polietileno e/ou aluminizado
10.3. Capacidade de acondicionamento: sacos hidrossolGiveis de 20g, 40g, 50g, 100g,
150g, 200g, 250g, 300g e 500g
Embalagem 6:
10.1. Tipo de embalagem: saco 1,5 kg
10.2. Material: polietileno e/ou aluminizado
10.3. Capacidade de acondicionamento: sacos hidrossolúveis de 20g, 40g, 50g, 100g,
150g, 200g, 250g, 300g e 500g
Embalagem 7:
10.1. Tipo de embalagem: tamborete de fibra e saco de papel
10.2. Material: fibra e papel
10.3. Capacidade de acondicionamento: 10kg, 15kg, 20kg, 25kg, 30kg, 35kg, 40kg, 45kg, 50kg e 100kg
Embalagem 8:
10.1. Tipo de embalagem: tambor
10.2. Material: fibra
10.3. Capacidade de acondicionamento: 10kg e 25kg, 30kg, 45kg, 50kg e 100kg
Embalagem 9:
10.1. Tipo de embalagem: balde
10.2. Material: metal e/ou polietileno
10.3. Capacidade de acondicionamento: 10kg e 25kg, 30kg, 45kg, 50kg e 100kg.

INSTRUÇÕES DE USO

MODO E EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO

Por ser um produto com ação de contato, Controller NT deve ser aplicado em quantidade de água
suficiente para uma cobertura completa e uniforme das plantas.
Controller NT é indicado para aplicações terrestres e aéreas. As aplicações terrestres podem ser
através de equipamento costal (motorizado ou manual), ou tratorizados equipados com barras, turboatomizadores,
mangueiras e pistolas. O volume de calda varia de acordo com o porte da cultura e o número de plantas por hectare.

A. Soja

Aplicação terrestre:

Os parâmetros de aplicação através de equipamento tratorizado, como ângulo de barra, tipo e número de
pontas, pressão de trabalho, largura da faixa de aplicação, velocidade do pulverizador, entre outros,
deverão seguir as recomendações do modelo do pulverizador definido pelo fabricante e as recomendações
do Engenheiro Agrônomo, seguindo as boas práticas agrícolas.
Os parâmetros climáticos a serem seguidos no momento da aplicação deverão favorecer a adequada
cobertura do alvo biológico pela calda de pulverização e deverão minimizar o risco de deriva para áreas
adjacentes.
Normalmente, as condições favoráveis à pulverização são: temperatura abaixo de 32°C, umidade relativa
superior a 60% e vento inferior a 10 Km/h.

B. Feijão e Trigo:

Pulverizadores costais:

Como os pulverizadores costais manuais não possuem regulador de pressão, o volume a ser aplicado
depende muito do operário que executa a operação. A calibração deve ser feita individualmente, sendo
considerada uma velocidade usual aquela ao redor de 1m/segundo. A pressão de trabalho varia conforme
o ritmo de movimento que o operador imprime à alavanca de acionamento da bomba, combinado com a
vazão do bico. Bicos de alta vazão geralmente são trabalhados à baixa pressão, uma vez que no ritmo
normal de bombeamento não se consegue atingir altas pressões. Em oposição, bicos de baixa vazão são
operados em pressões maiores, pois o operador consegue manter o circuito pressurizado acionando
poucas vezes a alavanca da bomba.

Aplicação aérea:
Deve-se observar os seguintes parâmetros:
- Tipo de bico: bico cônico (cheio ou vazio) série D
- Volume de aplicação: 30 litros/ha
- Diâmetro das gotas: 150-250 micra
- Densidade das gotas: 50-70 gotas/cm2
- Altura do voo: 2 a 3 metros
- Largura da faixa: 12-16 metros
- Pressão: 30-45 lb/pol²
- Condições climáticas: não aplicar o produto com ventos superiores a 6 km/h
- Umidade relativa do ar: mínimo de 55%
Obs.: A critério do engenheiro agrônomo, as condições de aplicação podem ser alteradas.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Feijão: 14 dias
Soja: 30 dias
Trigo: 32 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da completa secagem da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes desse período, utilize os EPIs recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Controller NT é incompatível com caldas altamente alcalinas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. Como prática de manejo de resistência e para evitar os problemas com a resistência dos fungicidas, seguem algumas recomendações: Alternância de fungicidas com mecanismos de ação distintos do Grupo M 03 para o controle do mesmo alvo, sempre que possível; Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, controles culturais, cultivares com gene de resistência quando disponíveis, etc; Utilizar as recomendações de dose e modo de aplicação de acordo com a bula do produto; Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas; Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac- br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).

GRUPO M03

FUNGICIDA INFORMAÇÕES SOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA PARA A FERRUGEM-DA-SOJA

O uso sucessivo de fungicidas do mesmo mecanismo de ação para o controle do mesmo alvo pode contribuir para o aumento da população de fungos causadores de doenças resistentes a esse mecanismo de ação, levando a perda de eficiência do produto e consequente prejuízo. Como prática para retardar a queda de eficácia dos fungicidas ao fungo causador da ferrugemasiática- da-soja, seguem algumas recomendações:
• Aplicação alternada de fungicidas formulados em mistura rotacionando os mecanismos de ação distinto do Grupo M03 sempre que possível; Se o produto tiver apenas um mecanismo de ação, nunca utilizá-lo isoladamente;
• Respeitar o vazio sanitário e eliminar plantas de soja voluntária;
• Semear cultivares de soja precoce, concentrando a semeadura no início da época recomendada para cada região (adotar estratégia de escape);
• Jamais cultivar a soja safrinha (segunda época);
• Utilizar cultivares com gene de resistência incorporado, quando disponíveis;
• Semear a soja com a densidade de plantas que permita bom arejamento foliar, o que permitirá maior penetração e melhor cobertura do fungicida;
• Adotar outras práticas de redução da população de patógenos, seguindo as boas práticas agrícolas, tais como rotação de culturas, uso de sementes sadias, adubação equilibrada, manejo da irrigação do sistema, outros controles culturais etc.
• Sempre que possível, realizar as aplicações direcionadas às fases mais suscetíveis do agente causador de doenças a ser controlado;
• Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados; • Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais para o manejo de resistência e a orientação técnica da aplicação de fungicidas;
• Realizar o monitoramento da doença na cultura;
• Adotar estratégia de aplicação preventiva;
• Respeitar intervalo máximo de 14 dias de intervalos entre aplicações;
• Realizar, no máximo, o número de aplicações do produto conforme descrito em bula;
• Sempre consultar um engenheiro agrônomo para o direcionamento das principais estratégias regionais sobre orientação técnica de tecnologia de aplicação e manutenção da eficácia dos fungicidas;
• Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac- br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).