Bula Cupuran 350 PM

acessos
Oxicloreto de cobre
998
Mitsui

Composição

Oxicloreto de cobre 588 g/kg Inorgânico

Classificação

Fungicida, Bactericida
IV - Pouco tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Corrosivo
Pó molhável (WP)
Contato
Batata Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Requeima
(Phytophthora infestans)
350 g p.c./100 L de água 500 a 1000 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) 7 a 10 dias. Não determinado. Quando as plantas tiverem 15 cm de altura
Batata Dessecação Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
350 g p.c./100 L de água 500 a 1000 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) 7 a 10 dias. Não determinado. Quando as plantas tiverem 15 cm de altura
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pinta preta grande
(Alternaria solani)
300 g p.c./100 L de água 500 a 1000 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) 7 a 14 dias. Não determinado. No aparecimento dos primeiros sintomas
Requeima
(Phytophthora infestans)
300 g p.c./100 L de água 500 a 1000 L de calda/ha 50 L de calda/ha (aéreo) 7 a 14 dias. Não determinado. No aparecimento dos primeiros sintomas

Embalagens: 1, 2 e 4 Kg do produto são embalados em caixas de papelão ou sacos plásticos multifoliado 25 Kg do produto são embalados em sacos de papel multifoliado com filme plástico.

INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO:
CUPURAN 350 é um fungicida cúprico de ação de contato, do grupo químico inorgânico, que contém 588 g/kg do Ingrediente Ativo Oxicloreto de Cobre, na formulação Pó Molhável.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

- BATATA: Iniciar as pulverizações, quando as plantas tiverem 15cm de altura. Repetir a intervalos de 7 a 10 dias.
- TOMATE: Iniciar as pulverizações no aparecimento dos primeiros sintomas. Repetir a intervalos de 7 a 14 dias.

* Em condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento de fungos, realizar as pulverizações em intervalos menores. Efetuar o tratamento sempre no início do aparecimento das doenças. Em caso de chuvas após a pulverização, repetir a aplicação.

MODO DE APLICAÇÃO: fazer uma pré-mistura antes de colocar o produto no pulverizador. Pulverizar uniformemente as plantas, procurando atingir todo o vegetal.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NA CULTURA E ÁREAS TRATADAS:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
Use de acordo com as recomendações do rótulo e observe as precauções necessárias.
Somente usar as doses recomendadas.
Não pulverizar sobre o orvalho.
Evite contato com superfícies metálicas. O produto pode reagir com superfícies metálicas, como metais galvanizados.

FITOTOXICIDADE PARA AS CULTURAS INDICADAS:
- Em videiras (variedade Niagara, Red Globe) pode ocorrer leve bronzeamento nas folhas de variedades sensíveis, porém sem danos para os frutos e à produção.
- Calda de pulverização, em pH baixo menor que 5,5 poderá ocorrer fitotoxicidade e em pH alto, acima de 8 poderá inativar o produto. Recomenda-se realizar teste prévio em pequena escala, no caso de dúvida.
- Aplicações de doses elevadas a intervalos reduzidos podem provocar fitotoxicidade em cultivares sensíveis ao cobre. Descontinuar o uso quando ocorrerem sintomas de fitotoxicidade.

INFORMAÇÕES SOBRE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL:
(Vide as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS)

INFORMAÇÕES SOBRE EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO A SEREM USADOS:
Recomenda-se o uso de pulverizadores manuais, motorizados ou acoplados a tratores com bicos cônicos tipo D2 apropriados para a aplicação de Pó Molhável. A aplicação de doses recomendadas em g/100 Litros de água se refere a alto volume (1.000 L ou mais de calda/ha); para volumes menores de água por ha, manter a quantidade equivalente do fungicida por ha. Por via aérea 50 L/ha, tão somente por empresa especializada, sob orientação de um Engenheiro Agrônomo.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamentos com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO: Usar protetor ocular. O produto é irritante para os olhos. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e veja primeiros socorros. Use máscara cobrindo o nariz e a boca. Produto perigoso se inalado ou aspirado. Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e veja primeiros socorros. Use luvas de borracha. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e veja primeiros socorros. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos, viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO: Não aplique o produto contra o vento. Use macacão com mangas compridas, chapéu de aba larga, óculos, viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara apropriada.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize as embalagens vazias. Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais. Tome banho, troque e lave as roupas.

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: em caso de ingestão acidental provoque vômito e procure imediatamente o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: lave com água em abundância e se houver irritação procure imediatamente o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Pele: lave com água e sabão em abundância e se houver irritação procure imediatamente o médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Inalação: procure lugar arejado e vá imediatamente ao médico, levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.

SINTOMAS DE ALARME (Efeitos Colaterais): Náuseas e vômitos, diarréia, colapso, convulsões, icterícia, anúria, pneumonite química, febre, excitação do sistema nervoso central, seguido de depressão. Lesões necróticas nos contatos prolongados com a pele e mucosas. Se não houver vômitos, há absorção gradual e intoxicação sistêmica podendo ocorrer a morte em poucos dias.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS (DL 50): DL 50 ORAL - superior a 6.000 mg/kg; DL 50 DERMAL - superior a 12.000 mg/kg

ANTÍDOTOS E TRATAMENTOS (Informações para Médicos): Não há antídoto específico; o tratamento deve ser sintomático.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO: O produto não é absorvido pela pele; mas é absorvido pelas mucosas e trato intestinal; sendo excretado pelas vias urinárias.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é PERIGOSO (CLASSE III) ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO PARA ORGANISMOS AQUÁTICOS (algas). Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE BIOCONCENTRÁVEL em peixes. Não lave o equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação ambiental - PRESERVE A NATUREZA. Não utilize equipamentos com vazamentos. Aplique somente as doses recomendadas. Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância mínima de 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público; e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e culturas suscetíveis a danos. Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes as atividades aeroagrícolas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto - siga as instruções da bula. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES PARA ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, seco, coberto e ter piso impermeável. Coloque a placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados. Em casos de armazéns maiores, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a empresa Griffin do Brasil Ltda - telefone de emergência: (024) 3325-4100.

Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame siga as instruções: Piso pavimentado: recolher o material com auxilio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover para área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água. Solo: retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada. Corpos de água: interrompa imediatamente o consumo humano e animal e contatar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido; Em caso de incêndio: use extintores de água em forma de neblina; CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESATIVAÇÃO DO PRODUTO: O Cobre é um elemento químico e pode não ser quebrado. A incineração oxidará deixando o produto um cúprico, daí o fato do fabricante recomendar que o produto seja levado de volta a fábrica para que possa ser reciclado.

INFORMAÇÕES SOBRE DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em áreas inadequadas. Consulte o órg��o estadual do meio ambiente.

Incluir outros métodos de controle de patógenos (Ex. controle cultural, biológico, etc) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de patógenos pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o patógeno alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência a fungicidas (MRF) poderíamos prolongar a vida útil dos fungicidas.
Qualquer produto para controle de patógenos da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas no mesmo patógeno alvo.
Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo sobre as recomendações locais para o MRF.

Compatibilidade

Incomp. com calda sulfocálcica e carbamatos