Bula Hexin 500 SC - Helm
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)

Bula Hexin 500 SC

Carbendazim
11612
Helm

Composição

Carbendazim 500 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea/Tratamento de sementes
Fungicida
4 - Produto Pouco Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico

CONTEÚDO: 1, 5, 10, 20, 200, 240, 250 e 1000 litros

INSTRUÇÕES DE USO

HEXIN 500 SC é um fungicida sistêmico do grupo químico dos benzimidazóis, indicado no tratamento de doenças da parte aérea nas culturas de algodão, citros, feijão e soja, com ação preventiva e curativa e no tratamento de sementes de soja.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Aplicações Foliares
Algodão: Em condições climáticas normais, iniciar a aplicação preventivamente aos 30 dias após a emergência, repetindo o tratamento em intervalos de 15 dias. Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante o ciclo da cultura.
Citros: Pulverização com fungicidas na época de formação de folhas novas e após a floração. Aplicar quando 2/3 das pétalas da florada principal tenham caído. Em variedades suscetíveis e quando o período é chuvoso, uma segunda aplicação 4 a 6 semanas após a 1ª aplicação é recomendável.
Feijão: Iniciar as aplicações preventivamente ao redor de 30 dias após a emergência e repetir a cada 10 a 15 dias de acordo com as condições climáticas e pressão da doença. Realizar no máximo 3 (três) aplicações.
Soja: Iniciar a aplicação na fase de florescimento à formação de vagem, repetindo 15 a 20 dias após a primeira aplicação. Realizar no máximo 2 (duas) aplicações durante o ciclo da cultura.
Tratamento de semente: Misturar o produto às sementes antes da semeadura.

MODO DE APLICAÇÃO

HEXIN 500 SC® é indicado para aplicação em mistura com água. Para a aplicação foliar nas culturas recomendadas, HEXIN 500 SC® poderá ser utilizado na forma de pulverização via terrestre ou aérea, visando cobrir uniformemente caules, folhas e/ou frutos da cultura.
Para tratamento de sementes HEXIN 500 SC® deverá ser diluído previamente, na proporção de 100 mL de produto em 400 mL de água, e misturado homogeneamente em 100 kg de sementes durante um período mínimo de 10 minutos em tambor giratório, betoneiras ou outros equipamentos específicos para este fim.
ATENÇÃO: As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal. Durante o procedimento, deve-se adicionar um corante específico para tratamento de sementes. O corante denominado Vermelho Sun deve ser adicionado na água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida. Recomenda-se utilizar 15 mL de corante / 100 kg de sementes.

EQUIPAMENTOS

APLICAÇÃO VIA TERRESTRE

ALGODÃO, FEIJÃO e SOJA: Utilizar pulverizador tratorizado dotado de barras com bicos cônicos da série D ou similar; Velocidade do Trator: em torno de 6 km/h; Pressão de trabalho: 80 a 120 lb/pol²; Tamanho de gotas: 200 a 400 micra; Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm².
CITROS: Aplicar através de equipamentos pulverizadores ou atomizadores tratorizados, adequados ao porte da cultura, visando obter uma boa cobertura de pulverização das plantas. Como referência recomenda-se utilizar uma pressão de trabalho entre 200 e 300 lb/pol² e usando um volume de 1000 L de calda/ha.
Preparo da calda: agitar bem a embalagem do produto antes de colocar no tanque de aplicação. Primeiro adicionar água limpa no tanque até a metade, em seguida colocar o produto na quantidade adequada conforme controle a ser realizado (cultura/alvo), completando com água limpa até a quantidade de calda estabelecida para a aplicação.
Volumes de calda: Algodão: 200 L/ha; Feijão: 300 a 600 L/ha; Soja: 300 a 400 L/ha; Citros: 1000 L/ha ou utilizar 5 a 15 L de calda por pé, dependendo da altura e volume da copa.
Condições de aplicação: Realizar as aplicações nas horas mais frescas do dia, ou seja, no início da manhã ou final da tarde com ventos de até 10 km/ha, temperatura máxima de 30ºC e umidade relativa mínima de 50%.

APLICAÇÃO VIA AÉREA

ALGODÃO, FEIJÃO e SOJA: Para aeronaves Ipanema, utilizar barras dotadas de bicos cônicos série D ou similar, com disco (core) com ângulo inferior a 45° ou micronair com 4 atomizadores, seguindo a tabela do fabricante para ajuste do regulador de vazão (VRV), pressão e ângulo de pá. Volume de aplicação: 30 a 50 L/ha. Altura do voo: com barras: 2 a 3 m do alvo a ser atingido largura da faixa de deposição efetiva: 15 m. Tamanho das gotas: 200 a 400 micra. Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm².

CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS

Ventos de no máximo 10 km/hora; temperatura máxima de 30ºC; umidade relativa do ar: mínimo de 50%.

Tanto para pulverização terrestre quanto aérea, a escolha do volume de calda e o tamanho de gotas a serem utilizados, deve levar em consideração as condições climáticas e o stand da cultura, conforme orientações do engenheiro agrônomo.

É PROIBIDA A APLICAÇÃO COM EQUIPAMENTO MANUAL OU COSTAL.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Tratamentos foliares: Algodão, Feijão, Soja: 14 dias; Citros: 07 dias.
Tratamento de semente: Soja: (1) - Intervalo de segurança não determinado por referir-se a tratamento de semente e do solo durante o plantio.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entre na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite de entrar antes desse período, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

Fitotoxicidade: O produto não é fitotóxico para as culturas indicadas, quando aplicado conforme instruções de uso e doses recomendadas.
Compatibilidade:
- HEXIN 500 SC® é incompatível com calda sulfocálcica e calda bordaleza; não devendo ser usado em mistura de tanque com qualquer produto.
- A água da calda de pulverização deve ser de boa qualidade (não deve ser “dura” e/ou alcalina) e com pH5, ideal par aplicação do produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

É importante associar ao emprego de fungicidas, outros métodos de controle de fungos (cultural, biológico, etc.), sempre com base no programa de Manejo Integrado de Doenças para cada cultura, quando disponível e apropriado.

Seguir as recomendações atualizadas de manejo de resistência do FRAC-BR (Comitê de Ação a Resistência à Fungicidas - Brasil). Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência à Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Qualquer produto para controle de doenças da mesma classe ou de mesmo modo de ação não deve ser utilizado em aplicações consecutivas do mesmo patógeno, no ciclo da cultura.
- Utilizar somente as doses recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um profissional legalmente habilitado para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa do Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados.