Bula Karathane EC - Dow AgroSciences

Bula Karathane EC

acessos
Dinocap
6696
Dow AgroSciences

Composição

Dinocape 369 g/L Dinitrofenol

Classificação

Acaricida
I - Extremamente tóxica
I - Produto extremamente perigoso
Inflamável
Não corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato

Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da leprose
(Brevipalpus phoenicis)
50 mL p.c./100L água 5 a 25 L de calda / planta - Reaplicar caso necessário. 7 dias. Início do aparecimento da praga
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ácaro da macieira
(Panonychus ulmi)
100 mL p.c./100L água 800 a 1200 L de calda/ha - Reaplicar caso necessário. 7 dias. Início do aparecimento da praga

Frascos metálicos (folhas de flandres): 1; 1,5 e 5 L. Baldes metálicos (chapa de aço) ou plásticos: 10 e 20 L. Tambores metálicos (chapa de aço) ou plásticos: 50, 100 e 200 L.

NÚMERO, ÉPOCA EINTERVALO DE APLICAÇÃO:
Iniciar as aplicações no início do aparecimento dos ácaros, repetindo-se quando necessário.

MODO DE APLICAÇÃO: KARATHANE EC é um acaricida específico, de contato, com alto poder de mortalidade inicial e efeito residual prolongado, recomendado para o controle dos ácaros que atacam as culturas. KARATHANE EC é recomendado para aplicação com pulverizadores terrestres, costais ou acoplados a tratores, atomizadores ou pistolas. O volume de calda varia de acordo com o porte da cultura e o número de plantas por hectare. KARATHANE EC deve ser aplicado em quantidade de água suficiente para uma cobertura completa e uniforme das plantas, principalmente da parte inferior das folhas e frutos, onde normalmente se encontram os ácaros.

EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO:
ATOMIZADORES:
Deve-se observar os seguintes parâmetros:
- Velocidade do trator: Citros: 2-3 km/hora; Maçã: 3-6 km/hora.
- RPM na tomada de força: 540 RPM. Pressão: 160-300 libras /pol2.
- Tipo de bico: disco ou chapinha nºs 3 a 6.
Considerando-se que todos estejam abertos, recomenda-se alternar bicos com difusor de 2 furos, com bicos de difusor de 3 furos.
- Volume da aplicação: Citros: usar 5-25 litros de calda por planta, dependendo do porte da árvore. Maçã: 800-1200 litros/ha.
- Condições climáticas: Não aplicar o produto com ventos superiores a 8 km/hora.

PISTOLAS:
Deve-se observar os seguintes parâmetros:
- Velocidade do trator: 1,8 km/hora.
- RPM do trator: 1.400 RPM.
- Marcha do trator: 1ª reduzida.
- Pressão: 300-350 libras / pol 2 .
- Tipo de bico: disco ou chapinha nºs 4 a 10.
- Volume de aplicação: 5-25 litros de calda por planta, dependendo do porte da árvore.
- Condições climáticas: não aplicar o produto com ventos superiores a 8 km/hora.

PULVERIZADORES COSTAIS:
Como os pulverizadores costais manuais não possuem regulador de pressão, o volume a ser aplicado depende muito do operário que executa a operação. A calibração deve ser feita individualmente, sendo considerada uma velocidade usual aquela ao redor de 1m/segundo. A pressão de trabalho varia conforme o ritmo de movimento que o operador imprime à alavanca de acionamento da bomba, combinado com a vazão do bico. Bicos de alta vazão geralmente são trabalhados à baixa pressão, uma vez que no ritmo normal de bombeamento não se consegue atingir altas pressões. Em oposição, bicos de baixa vazão são operados em pressões maiores, pois o operador consegue manter o circuito pressurizado acionando poucas vezes a alavanca da bomba. Obs.: A critério do Engenheiro Agrônomo responsável, as condições de aplicação poderão ser alteradas.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Citros e Maçã: 7 dias.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS: (De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana- ANVISA/MS).
LIMITAÇÕES DE USO:

FITOTOXICIDADE: KARATHANE EC não é fitotóxico às culturas indicadas quando utilizado de acordo com os usos e doses recomendados.

COMPATIBILIDADE: incompatível com soluções altamente alcalinas, como calda bordaleza e calda sulfocálcica.

PRECAUÇÕES GERAIS: Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto. Não utilize equipamento com vazamento. Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA: Use protetor ocular: O produto é irritante para os olhos. Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use máscara cobrindo o nariz e a boca: Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Use luvas de borracha: Produto irritante para a pele. Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS. Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos: Use macacão com mangas compridas, óculos ou viseira facial, luvas, botas, avental impermeável e máscara cobrindo o nariz e a boca.

PRECAUÇÕES DURANTE O USO: Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação. Não aplique contra o vento. Use macacão com mangas compridas, botas, avental impermeável, óculos ou viseira facial, luvas e máscara cobrindo o nariz e a boca.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO: Não reutilize a embalagem vazia, mantenha o restante do produto adequadamente fechado em local trancado longe do alcance das crianças e animais .Tome banho, troque e lave as roupas (não misture com roupas de uso diário).

PRIMEIROS SOCORROS: Ingestão: Não provoque vômito, beba água e procure logo o médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Olhos: lave com água em abundância e procure o médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Pele: Lave com água e sabão em abundância e procure um médico, levando a embalagem, o rótulo, a bula ou o receituário agronômico do produto. Inalação: Procure local arejado.

TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA E ANTÍDOTO: Tratamento sintomático. Não há antídoto específico.

MECANISMOS DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA O SER HUMANO: O metabolismo do princípio ativo do KARATHANE CE foi extensivamente estudado em animais de laboratório. Em um estudo realizado em coelhos com o objetivo de comparar o metabolismo do produto quando administrado por diferentes vias de exposição, concluiu-se que DINOCAP é absorvido relativamente rápido por via oral, sendo que aproximadamente 60 a 69% da dose administrada é absorvida. Pela via dérmica, a absorção é mais lenta e significativamente menor, atingindo 4 a 9% da dose total aplicada. Os picos plásmaticos atingidos são proporcionais à dose aplicada, para ambas as vias de administração.

Estudos demonstraram que DINOCAP tem uma extensa metabolização em ratos albinos, gerando vários metabólitos. Devido a este fato, a via de metabolização que o produto segue não está bem definida. Observa-se também que em ratos albinos, após 5 dias de dosagem a 500 ppm e um período de depuração do organismo d4 4 dias, apenas 0,35 do produto ou seus metabólitos permanece nos tecidos ou órgãos, não havendo tendência de acúmulo em local específico do organismo. A excreção do produto se dá igualmente pelas fezes e urina, sendo mais rápida após administração oral do que dérmica. Em coelhos, após 1 a 2 dias da aplicação oral única o produto havia sido eliminado, comparando-se aos 2 a 3 dias para a via dérmica.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICO: KARATHANE CE possui as seguintes Doses Letais: 50%: DL 50 oral para ratos machos e fêmeas: entre 500 e 5000 mg/kg. DL 50 dermal para coelhos machos e fêmeas: que 5000 mg/kg. Estudos de laboratório demonstraram que o produto é irritante para pele e olhos.

EFEITOS COLATERAIS: Uma vez que nenhum efeito terapêutico do produto é esperado para o homem, qualquer um dos efeitos acima descritos são considerados colaterais.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE: Este produto é ALTAMENTE PERIGOSO ao meio ambiente. Este produto é ALTAMENTE TÓXICO a organismos aquáticos (peixes e microcrustáceos). Este produto é ALTAMENTE ACUMULATIVO em peixes. Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza. Não utilize equipamento com vazamento. Aplique somente as doses recomendadas. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Descarte corretamente as embalagens e restos do produto. Siga as instruções constantes no item Destinação Adequada de Resíduos e Embalagens. Em caso de acidente, siga corretamente as instruções constantes na bula.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO: Mantenha o produto em sua embalagem original. O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas ou outros materiais. A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente. O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável. Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO. Trancar o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças. Deve haver sempre sacos plásticos disponíveis, para envolver adequadamente embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados. Em caso de armazéns maiores deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843. Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES: Contate as autoridades locais competentes e a Empresa. Utilize o EPI (macacão de PVC, luvas e botas de borracha, óculos protetores e máscara contra eventuais vapores). Isole e sinalize a área contaminada. Em caso de derrame, estancar o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou cursos de águas naturais, siga as instruções:

PISO PAVIMENTADO: Absorver o produto derramado com terra ou serragem. Recolher o material com auxílio de uma pá e colocar em tambores ou recipientes devidamente lacrados e identificados. Remover a área de descarte de lixo químico. Lave o local com grande quantidade de água.

SOLO: Retirar as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, e adotar os mesmos procedimentos acima descritos para recolhimento e destinação adequada;

CORPOS D'ÁGUA: Interromper imediatamente o consumo humano e animal, e contactar o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do recurso hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido. Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

DESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS E EMBALAGENS: Não reutilize embalagens vazias. As embalagens devem ser destruídas e enterradas em fosso para lixo tóxico. O local para construção do fosso deve ser distante de casas, de instalações ou de qualquer fonte de água, fora do trânsito de pessoas ou animais, porém de fácil acesso e onde não se preveja o aproveitamento agrícola, mesmo a longo prazo. O local não deve ser sujeito a inundações ou acúmulos de água. O solo deve ser profundo, de permeabilidade média para permitir uma perlocação lenta e degradação biológica do agrotóxico. Abrir um fosso de 1 a 2 m de profundidade, comprimento e largura, não devendo exceder a 3 m, de acordo com as necessidades. Distribuir no fundo do fosso uma camada de pedras irregulares e uma camada de brita. Ao redor do fosso cavar uma valeta, com escoadouro, para impedir a penetração de enxurradas.

Reservar uma área suficiente para a instalação de mais fossos, de acordo com a necessidade. Isolar a área com cerca de tela, para impedir a entrada de animais e dificultar a entrada de pessoas. Colocar uma placa de advertência (CAVEIRA) com os dizeres: CUIDADO LIXO TÓXICO. Antes de iniciar o uso do fosso, e após cada 15 cm de material descartado, colocar camadas de cal virgem ou calcário para ajudar a neutralização. Completada a capacidade do fosso, cobrir com uma camada de 50 cm de terra e compactar bem. Uma camada adicional de 30 cm de terra deve ser colocada sobre o aterro, para que este fique acima do nível do terreno. Observar legislação Estadual e Municipal específica. Fica proibido o enterrio de embalagens em área de abrangência do PROGRAMA NACIONAL DE RECOLHIMENTO E DESTINAÇÃO ADEQUADA DE EMBALAGENS DE AGROTÓXICOS, consulte o órgão estadual de meio ambiente.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa publica ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas – IRAC-BR, recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:

· Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.

· Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula.

· Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.

· Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, Biológico, etc...) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.

Compatibilidade

Incompatível com produtos altamente alcalinos.