Bula Malathion 500 EC Cheminova

acessos
Malathion
1598705
FMC - Campinas

Composição

Malationa 500 g/L Organofosforado

Classificação

Inseticida
II - Altamente tóxico
II - Produto muito perigoso
Não Classificado
Corrosivo
Concentrado Emulsionável (EC)
Contato, Ingestão

Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Mosca sul americana
(Anastrepha fraterculus)
350 mL p.c./100 L água + melaço 600 a 800 L de calda/ha - 7 a 15 dias. 3 dias. Início da infestação da praga
Tomate Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Pulgão verde
(Myzus persicae)
250 mL p.c./100L água 1000 L de calda/ha - 7 a 15 dias. 7 dias. Início da infestação da praga
Vaquinha verde amarela
(Diabrotica speciosa)
250 mL p.c./100L água 400 a 600 L de calda/ha - 7 a 15 dias. 3 dias. Início da infestação da praga

Tambor de folha de flandres: 20 litros. Tambor de ferro revestido com resina epoxi: 200 litros. Frascos de vidro: 200 ml e 1 litro. Frasco plástico (COEX): 100 e 500 ml e 5 litros.

INSTRUÇÕES DE USO:

MALATHION 500 EC CHEMINOVA é um inseticida organofosforado, com ação de contato e ingestão, apresentado sob a forma de concentrado emulsionável, indicado para o controle das seguintes pragas:
- Citros: Mosca-das-frutas (Anastrefa fraterculus)
- Tomate: Pulgão-verde (Myzus persicae)
Broca-pequena-do-fruto (Neoleucinodes elegantalis)

INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
As pulverizações devem ser feitas no início do ataque das pragas relacionadas em cada cultura.

Efetuar uma aplicação no início da infestação das pragas, repetindo-se em caso de reinfestação, com intervalo médio de 7 ou 15 dias, podendo-se realizar até 3 aplicações durante o ciclo da cultura, observando-se as especificações abaixo para as seguintes pragas:

Pulgão: Nas cultura de tomate, efetuar a aplicação no início da infestação, antes da praga provocar "engruvinhamento" das folhas. Efetuar 2 a 3 aplicações com intervalos de até 15 dias.

Mosca-das-frutas: Na cultura de citros, visando identificar o início do ataque, preparar "iscas" utilizando pequenas garrafas (boca estreita) contendo mistura de melaço com o produto. Iniciar o tratamento quando da maior incidência de moscas fêmeas repetindo, se necessário, a cada 7 dias podendo-se efetuar no máximo 3 aplicações.

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto deve ser aplicado em pulverização com equipamento manual ou motorizado terrestre.

Tomate rasteiro:
Usar bico tipo cone D2-25 (com vazão de 0,8 litros/min) ou bicos tipo X2 ou X3 (com vazão de 0,3 litros/min); nestes casos utilizar água limpa de modo a evitar o entupimento dos bicos. A densidade de gotas deve ser de 30-80 gotas/cm2, de tamanho entre 70-300 micra. A pressão de trabalho deve ser de 60 a 100 libras/pol2.
Calibrar o equipamento para volume de calda de 1000 litros/ha a uma velocidade de trator de 3 a 5 km/h. Utilizar pulverizador tratorizado com barra, com espaçamento de 50 cm entre bicos e altura da barra em torno de 46 cm).

Culturas de porte alto:
Utilizar pistolas modelo FIX com pressão de trabalho em torno de 300 libras/pol2 e vazão de 1,5 a 2,2 litros/min.
Calibrar o equipamento para volume de calda de 600 a 800 litros/ha a uma velocidade de trator de 3 a 5 km/h.

Providenciar sempre cobertura uniforme de pulverização das plantas.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Culturas Intervalo de Segurança
Citros 7 dias
Tomate 3 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo orgao responsavel pela Saude Humana – ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
Não há restrições de uso além de seguir criteriosamente as recomendações de uso do produto.

MEDIDAS GERAIS: Leia e siga as instruções do rótulo: Durante a manipulação, preparação da calda ou aplicação use macacão com mangas compridas, avental impermeável, botas, máscaras protetoras especiais providas de filtros adequados a cada tipo de produto. Mantenha o produto afastado de crianças ou animais domésticos. Evite comer, beber ou fumar durante o manuseio ou aplicação do produto. Mantenha o produto afastado de alimentos ou ração animal. Não contamine lagos, fontes, rios e demais coleções de água, lavando as embalagens ou aparelhagens aplicadoras, bem como lançando-lhes seus restos. Mantenha a embalagem original fechada e em lugar seco e ventilado. Inutilize e enterre profundamente as embalagens do produto em áreas desabitadas. Mantenha afastado das áreas de aplicação crianças, animais domésticos e pessoas desprotegidas. Não utilize equipamentos com vazamentos. Não desentupa bicos, orifícios, válvulas, tubulações, etc. com a boca. Uso exclusivamente agrícola. Após a utilização do produto, remova as roupas protetoras e tome banho. Não dê nada via oral a uma pessoa inconsciente. Distribua o produto da própria embalagem, sem contato manual. Procure imediatamente assistência médica em qualquer caso de suspeita de intoxicação. Aplique somente as doses recomendadas. Não distribua o produto com as mãos desprotegidas; use luvas impermeáveis. Mantenha a embalagem longe do fogo. Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes. Tóxico para abelhas. Tóxico para peixes.

PRIMEIROS SOCORROS: Em caso de ingestão acidental não provoque vômito. Beba água e procure imediatamente um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente durante 15 minutos e, se persistir a irritação, procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas com água e sabão em abundância e, se persistir a irritação, procure um médico levando a embalagem ou o rótulo do produto. Evite a inalação ou aspiração do produto, caso isso aconteça, procure um local arejado e, se houver sinais de intoxicação chame o médico.

SINTOMAS DE ALARME (indicações para uso médico): Fraqueza, dor de cabeça, opressão no peito, visão turva, pupilas não reativas, salivação abundante, suores, náuseas, vômitos, diarréias e cólicas abdominais.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO: (indicações para uso médico): Sulfato de Antropina é antídoto de emergência em caso de intoxicação. Nunca administre Sulfato de Antropinaantes do aparecimento dos sintomas de intoxicação. Se o acidentado parar de respirar aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para assistência médica mais próxima.

TRATAMENTO: Sulfato de Antropina pelas vias intramusculares ou intravenosa (eventualmente também por via oral): 1 a 6 g cada 5 a 30 minutos, até atropinização leve. Oximas (Contrathion): 1 a 2 g/dia, nos primeiros 3 dias.

CONTRA-INDICAÇÕES: morfina, aminofilina, tranqüilizantes.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Incluir outros métodos de controle de insetos (ex.: Controle Cultural, Biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas (MIP) quando disponível e apropriado.

Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de Manejo de Resistência a Inseticidas (MRI) podería-se prolongar a vida útil dos inseticidas:
- Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
- Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.

Compatibilidade

Incomp. com produtos alcalinos e comp. oxidantes.