Bula MELTAN - TradeCorp

Bula MELTAN

CI
Flutriafol
32419
TradeCorp

Composição

Flutriafol 125 g/L

Classificação

Terrestre
Fungicida
Não Classificado
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 5 a 20 L
Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade: 0,5 a 1,0 L.

INSTRUÇÃO DE USO

MELTAN é um fungicida sistêmico, do grupo químico triazol, usado em pulverização para controle das doenças da parte aérea das culturas de banana, café e melão.

MODO DE APLICAÇÃO

MELTAN deve ser aplicado nas doses recomendadas, diluído em água, conforme o tipo de aplicação:

BANANA:
Aplicação localizada: o produto deverá ser depositado na axila da folha número 2 (a segunda folha totalmente aberta, contando-se de cima para baixo). O equipamento de aplicação deve ser uma pistola dosadora com haste longa para atingir a inserção das folhas.

CAFÉ:
Aplicação foliar: aplicar o produto visando boa cobertura da planta evitando-se o escorrimento. Utilizar atomizador motorizado costal ou tratorizado.
Aplicação via solo: pulverizar o produto no solo com jato ou bico, dirigindo a aplicação sob a projeção da copa.

MELÃO:
As aplicações devem ser terrestres, podendo-se utilizar equipamento costal ou equipamento acoplado a tratores, barra ou pistola munidos de bicos cônicos. Em ambos os equipamentos devem ser utilizados as doses recomendadas, diluídas em água e aplicadas em alta vazão (1000 litros em calda/ ha), visando a completa cobertura das folhas.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Banana: 60 dias
Café (aplicação foliar): 30 dias
Café (aplicação no solo): 120 dias
Melão: 10 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entrar nas áreas tratadas sem equipamento de proteção individual por um período de 24 horas ou até a completa secagem da calda pulverizada. Caso haja necessidade de reentrar nas lavouras ou áreas tratadas antes deste período, usar macacão de mangas compridas, luvas e botas.

LIMITAÇÕES DE USO

Desde que sejam seguidas as recomendações de uso, não ocorre fitotoxicidade para as culturas.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Quando houver recomendação/informações sobre MIP oriundas de pesquisa pública ou privada, as mesmas devem ser implementadas.

GRUPO G1 FUNGICIDA

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos.
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula.
- Incluir outros métodos de controle de doenças (Ex. Resistência genética, controle cultural, biológico, etc. no programa de Manejo Integrado de Doenças quando disponível e apropriados).
- Sempre consultar um engenheiro agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.
- Informações sobre possíveis casos de resistência em fungicidas no controle de fungos patogênicos devem ser consultados e, ou, informados à: Sociedade Brasileira de Fitopatologia (SBF: www.sbfito.com.br), Comitê de Ação à Resistência de Fungicidas (FRAC-BR: www.frac-br.org), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA: www.agricultura.gov.br).