Bula Paramaster - Helm

Bula Paramaster

Paraquate
13309
Helm

Composição

Paraquate 276 g/L
Paraquate íon 200 g/L

Classificação

Herbicida
4 - Produto Pouco Tóxico
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Concentrado Solúvel (SL)
Contato, Não seletivo

Algodão

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Gossypium hirsutum (Algodão)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)

Arroz

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Echinochloa crusgalli (Capim arroz)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Oryza sativa (Arroz)
Oryza sativa (Arroz vermelho) (Arroz vermelho)

Banana

Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)

Batata

Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Solanum americanum (Maria preta)
Solanum tuberosum (Batata)
Sonchus oleraceus (Serralha)

Café

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Senna obtusifolia (Fedegoso branco)

Cana-de-açúcar

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Saccharum officinarum (Cana de açúcar)
Senna obtusifolia (Fedegoso branco)

Citros

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Portulaca oleracea (Beldroega)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Solanum americanum (Maria preta)

Feijão

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Solanum americanum (Maria preta)

Milho

Amaranthus retroflexus (Caruru gigante)
Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Cenchrus echinatus (Capim carrapicho)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Galinsoga parviflora (Picão branco)
Zea mays (Milho)

Soja

Bidens pilosa (Picão preto)
Brachiaria plantaginea (Papuã)
Digitaria sanguinalis (Capim colchão)
Eleusine indica (Capim pé de galinha)
Euphorbia heterophylla (Amendoim bravo)
Glycine max (Soja)
Richardia brasiliensis (Poaia branca)
Senna obtusifolia (Fedegoso branco)
Solanum americanum (Maria preta)

Uva

Amaranthus hybridus (Caruru roxo)
Commelina benghalensis (Trapoeraba)
Digitaria horizontalis (Capim colchão)
Raphanus raphanistrum (Nabiça)

Frasco plástico:
0,5 e 1 L.

Bombonas plásticos:
5, 10, 20, 25 e 50 L.

Baldes plásticos:
20, 25 e 50 L.

INSTRUÇÕES DE USO

PARAMASTER® é um herbicida não seletivo, com ação de contato, utilizado em pulverização com jato dirigido ou em área total antes do plantio direto, para o controle em pós-emergência de plantas infestantes, nas culturas de algodão, arroz, batata, banana, café, cana-de-açúcar, citros, feijão, milho, soja e uva. É também utilizado em dessecação das culturas de algodão, arroz, batata, cana-de-açúcar, milho e soja.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Época da aplicação: vide tabelas de recomendação de uso. Número de Aplicações: PARAMASTER® deve ser aplicado uma única vez durante o ciclo da cultura de acordo com as recomendações de uso. Quando utilizado na dessecação de culturas, recomenda-se uma única aplicação.

MODO DE APLICAÇÃO

O herbicida PARAMASTER® pode ser utilizado em pulverização com jato dirigido ou em área total antes do Plantio Direto, para o controle de plantas infestantes, nas culturas de algodão, arroz, batata, banana, café, cana-de-açúcar, citros, feijão, milho, soja e uva. Pode ser utilizado em dessecação nas culturas de algodão, arroz, batata, cana-de-açúcar, milho e soja. Aplicação terrestre em área total plantio direto: Utilizar pulverizador tratorizado de barras, bicos jato plano (leque) da série 80 ou 110. Manter pressão constante entre 30 a 40 libras/pol². Aplicação terrestre em jato dirigido: Aplicação terrestre com costal utilizando bicos jato plano da série 80 ou 110, com pressão de 30 a 40 lb por pol², evitando o contato do produto com as folhas e tronco, usando-se um protetor. Aplicação terrestre na dessecação da cana-de-açúcar: Utilizar equipamento atomizador costal, com volume de calda de 40 L/ha e pressão de 18 a 25 psi.
Aplicação terrestre na dessecação do algodão, arroz, batata, milho e soja: Utilizar pulverizador tratorizado de barras, bicos jato plano (leque) da série 80 ou 110. Manter pressão constante entre 30 a 40 libras/pol2 . A aplicação deve ser sempre conduzida de modo a se obter cobertura uniforme do alvo, nas horas em que a temperatura é mais amena (primeiras horas da manhã ou fim do dia), velocidade do vento ente 2 a 10 km/h. Para obter melhores orientações, consultar um engenheiro agrônomo.

INTERVALO DE SEGURANÇA PARA CADA CULTURA

Algodão (Pós-emergência/dessecação): 7 dias
Arroz (Pós-emergência/dessecação): 7 dias
Banana (Pós-emergência): 1 dia
Batata (Pós-emergência): Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.
Batata (Dessecação): 7 dias
Café (Pós-emergência): 7 dias
Cana-de-açúcar (Pós emergência/dessecação): 7 dias
Citros (Pós-emergência): 1 dia
Feijão (Pós-emergência): Intervalo de segurança não determinado devido à modalidade de emprego.
Milho (Pós-emergência/dessecação): 7 dias
Soja (Pós-emergência/dessecação): 7 dias
Uva (Pós-emergência): 1 dia

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Recomenda-se um intervalo de 48 horas para a reentrada na área tratada sem o uso de EPI’s (Equipamentos de Proteção Individual). Antes deste período, caso seja necessário reentrar na área tratada, utilizar macacão de mangas compridas, touca árabe, luvas e botas de borracha.

LIMITAÇÕES DE USO

O produto deve ser utilizado única e exclusivamente conforme as recomendações de uso. Devido ser altamente fitotóxico, ao atingir plantas que não se deseja controlar pode provocar danos irreversíveis.
- Não aplicar o produto em dias chuvosos ou com prenúncio de chuva.
- Não aplicar o produto durante a ocorrência de ventos acima de 10 km/h, pois pode ocorrer desvio do produto em relação ao alvo (deriva).
- A calda deve ser aplicada no mesmo dia da preparação. A utilização da mesma preparada de um dia para o outro reduz a eficiência do produto.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado de pragas (MIP), envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle, como o controle cultural, controle biológico (predadores e parasitoides), controle microbiano, controle por comportamento, variedades resistentes e controle químico, sempre alternando produtos de diferentes grupos químicos, com mecanismos de ação distintos.
Recomenda-se, de modo geral, o manejo integrado de doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, controle biológico, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

O uso continuado de herbicidas, com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes. Como prática de manejo e resistência de plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrados para a cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos, consulte um Engenheiro Agrônomo.