Bula PFC-Control - Simbiose

Bula PFC-Control

Bacillus amyloliquefaciens Isolado SIMBI BS 10 (CCT 7600)
8318
Simbiose

Composição

Bacillus amyloliquefaciens Isolado SIMBI BS 10 (CCT 7600) 30 g/L

Classificação

Fungicida microbiológico, Nematicida Microbiológico
3 - Produto Moderadamente Tóxico
IV - Produto pouco perigoso ao meio ambiente
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Fungicida microbiológico, Nematicida microbiológico

Todas as culturas com ocorrência do alvo biológico

Pratylenchus brachyurus (Nematóide das lesões)
Sclerotinia sclerotiorum (Podridão de esclerotinia)

Tipo: Frasco.
Material: Plástico (PEAD).
Capacidade: 1 e 2 L.
Tipo: Bombona.
Material: Plástico (PEAD).
Capacidade: 5; 10; 20; 25; 50; 60 L.

INSTRUÇÕES DE USO

PFC-CONTROL é um nematicida microbiológico, eficaz no controle de Pratylenchus brachyums (Nematoide das lesões radiculares) e Sclerotinia sclerotiorum (mofo branco).

NÚMERO E ÉPOCA DE APLICAÇÃO E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Número de aplicação:
- Realizar uma aplicação (via semente) para o controle de Pratylenchus Brachyurus;
- Realizar duas aplicações via pulverização para o controle de Sclerotinia sclerotiorum. Época: No pré-plantio e pós plantio.

MODO DE APLICAÇÃO

Tratamento de sementes (pré-emergente): Agitar vigorosamente o produto em sua embalagem original. O produto pode ser misturado com água, perfazendo um total máximo de 600 mL de calda para tratar 100kg de sementes.
Pulverização (Pré e pós emergente): Agitar vigorosamente o produto em sua embalagem original. O volume de calda a ser utilizado é de 200 L por hectare.

MODO E EQUIPAMENTOS DE APLICAÇÃO, ESTRATÉGIAS DE USO

O tratamento de sementes pode ser realizado em tratores de sementes na unidade de beneficiamento, bem como, em tambor giratório excêntrico. Recomenda-se realizar a semeadura em até 12 horas após o tratamento das sementes. O tratamento via pulverização deve ser aplicado por pulverizador costal ou tratorizado em no máximo 12 horas após o preparo da calda.

ÉPOCA, NÚMERO E INTERVALO DE APLICAÇÃO

Uma aplicação (via semente) no pré-plantio. Duas aplicações (via pulverização) Preparo da calda: O produto pode ser misturado com água, perfazendo um total máximo de 600 mL de calda para tratar 100kg de sementes. Para o tratamento via pulverização, o produto deve ser misturado com água totalizando 200 L por hectare.

INTERVALO DE SEGURANÇA

Não determinado em função da não necessidade de estipular limite máximo de resíduo (LMR) para este produto.

LIMITAÇÕES DE USO

Os usos do produto estão restritos aos indicados no rótulo e bula. Quando este produto for utilizado nas doses recomendadas, não causará danos à cultura indicada.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre MIP, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados. Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Não existem informações sobre o desenvolvimento de resistência de Bacillus amyloliquefaciens, isolado SIMBI BS 10 (CCT 7600). Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido o desenvolvimento de resistência. O comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Inseticidas – IRAC-BR – recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência a inseticidas (MRI), visando prolongar a vida útil dos mesmos:
- Qualquer produto para controle de insetos da mesma classe ou modo de ação, não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga. -Utilizar somente as dosagens recomendadas no rótulo/bula.
- Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.
- Incluir outros métodos de controle de insetos (ex. Controle Cultural, Biológico etc.) dentro do Manejo Integrado de Pragas (MIP), quando disponível e apropriado.