Bula Photon SC

acessos
Triadimenol
3605
Bayer

Composição

Triadimenol 312 g/L Triazol

Classificação

Fungicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ferrugem do cafeeiro
(Hemileia vastatrix)
1 L p.c./ha 500 a 600 L de calda/ha - 30 dias. 30 dias. Aparecimento dos primeiros sintomas
Ferrugem do cafeeiro
(Hemileia vastatrix)
2 a 4 L p.c./ha 500 a 600 L de calda/ha - Única aplicação. 30 dias. Preventiva (Novembro/dezembro), ou no aparecimento dos primeiros sintomas
Trigo Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Ferrugem da folha
(Puccinia triticina)
0,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 10 a 30 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar se atingir nível crítico novamente. 45 dias. Primeiros sintomas. Incidência em folhas atingir de 30 a 40 %
Oídio
(Blumeria graminis f.sp. tritici)
0,35 a 0,5 L p.c./ha 200 a 300 L de calda/ha 10 a 30 L de calda/ha (aéreo) Reaplicar se atingir nível crítico novamente. 45 dias. Incidência em folhas no estádio do afilhamento entre 10 e 15 %

Frascos plásticos (Polietileno) de 250 ml, 500 ml e 1,0 litro. Bombonas plásticas (Polietileno ) de 5,0 e 20,0 litros. Baldes metálicos de 20 litros.

INSTRUÇÕES DE USO:
Vide Indicações de uso/doses.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Café
Pulverização: Iniciar as aplicações imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas, devendo ser feitas 3 aplicações com intervalos de 30 dias.
Drench: Para lavouras onde há dificuldade, ou não é possível a entrada de máquinas para pulverizações, ou também com o objetivo de retardar a entrada da ferrugem em um programa de manejo, utilizar a modalidade de aplicação via solo (Drench), iniciando o tratamento imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas, ou preventivamente entre os meses de Novembro e Dezembro, fazendo uma única aplicação. Utilizar as menores doses para lavouras mais jovens (até 3 anos ou máximo 2 m de altura), e em condições de carga pendente baixa. Para lavouras adultas, e em condições de carga pendente alta, utilizar as maiores doses.

Trigo:
Oídio - o controle deve ser iniciado quando a incidência em folhas, durante o estádio de afilhamento, situar-se entre 10 - 15%.
Ferrugem - iniciar o controle no aparecimento dos primeiros sintomas, quando a incidência em folhas atingir entre 30 e 40%, independente do estádio de desenvolvimento.

MODO DE APLICAÇÃO:
O produto deve ser diluído em água e aplicado na forma de pulverização, utilizando equipamentos terrestres ou aeronaves.

Aplicação terrestre: em trigo, usar pulverizadores de barra com bicos jato cônico vazio, com pressão adequada ao tipo de ponta de pulverização em uso e vazão de 200 a 300 L de calda/ha.
Na cultura de café empregam-se atomizadores costais ou tratorizados com volume de calda variando de 500 a 600 L/ha. É importante observar um volume de calda e densidade de gotas que propiciem uma boa cobertura das plantas tratadas, sem que ocorra escorrimento de calda.
Aplicação via drench na cultura do café: A dose recomendada deve ser diluída em água, e a aplicação deve ser dirigida ao solo, utilizando-se equipamento específico para essa finalidade, sendo realizada no local de maior concentração de raízes e nas proximidades do tronco. O volume de calda necessário é de 100 mL por planta.
Aplicação aérea na cultura de trigo: usar micronair ou barra equipada com bicos jato cônico vazio série D e difusor (Core) 45, altura de vôo de 4 a 5 m, pressão da bomba 15 a 30 / pol2, vazão de 10 a 20 L/ha para micronair e 20 a 30 L/ha quando se emprega barra, largura da faixa de deposição 15 a 18 m, com densidade mínima de 80 gotas / cm2.

Na cultura do café, recomenda-se adicionar espalhante adesivo na calda.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Café 30 dias
Trigo 45 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS).

LIMITAÇÕES DE USO:
Não há outra limitação além de seguir criteriosamente as instruções de uso do produto.

PRECAUÇÕES DE USO E RECOMENDAÇÕES GERAIS QUANTO A PRIMEIROS SOCORROS, ANTÍDOTO E TRATAMENTO:

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

PRECAUÇÕES GERAIS:

- Produto para uso exclusivamente agrícola.
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
- Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI’s) danificados.
- Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
- Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
- Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.
- Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.


PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:

- Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
- Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
- Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
- Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; avental impermeável; protetor ocular; máscara com filtro de carvão ativado cobrindo nariz e boca; luvas e botas de borracha.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:

- Evite, o máximo possível, o contato com a área de aplicação.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes do dia.
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; protetor ocular ou viseira facial; máscara com filtro de carvão ativado cobrindo nariz e boca; luvas e botas de borracha.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:

- Não reutilize a embalagem vazia.
- Evite, o máximo possível, o contato com a área aplicada com o produto até o término do intervalo de reentrada (24 horas).
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
- Tome banho, troque e lave as suas roupas de proteção separadamente das demais roupas da família. Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto. Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
- Ao lavar as roupas utilizadas/contaminadas, utilize luvas e avental impermeável.
- No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão de algodão hidrorrepelente com mangas compridas, luvas/botas de borracha).

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico.
Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente por pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
Inalação: Se o produto for inalado (“respirado”), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.

ANTÍDOTO E TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA:

Não específico - Tratamento sintomático conforme as ocorrências clínicas surgirem e segundo sua gravidade. Em caso de ingestão recente, proceder à lavagem gástrica. Administrar carvão ativado na proporção de 50 - 100 g em adultos e 25 - 50 g em crianças de 1- 12 anos, e 1g/kg em menores de 1 ano, diluídos em água, na proporção de 30 g de carvão ativado para 240 ml de água.


MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

Não se dispõe de dados referentes ao ser humano.
O Triadimenol, em ratos, em doses muito altas, age sobre o sistema nervoso central, anifestando-se na forma de agitação, fases alternadas de aumento e redução de motilidade e agressividade.
Em administração oral e dermal a ratos, o produto é rapidamente absorvido pelo organismo alcançando os níveis de concentração mais altos na gordura, fígado, pele e rins.
A biotransformação ocorre através da hidroxilação da porção tert-butil com subsequente oxidação em ácido carboxílico.
É rapidamente eliminado dos órgãos e tecidos.
Após 3 dias a eliminação foi praticamente completa, pelas vias biliar/fecal e renal.
Não ocorre excreção pelo ar exalado.

EFEITOS AGUDOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

No estudo de toxicidade oral em ratos, foram observados em ambos os sexos, alterações na atividade motora, ataxia, salivação, hiperatividade, manchas claras na boca e vermelhas no nariz, iniciando no dia da administração do produto, e desaparecendo até o 10º dia. Via inalatória, sinais clínicos como secreção nasal, hipoatividade, alopecia, pele áspera e urina manchada foram observados em ratos fêmeas no dia da exposição, desaparecendo 5 dias após. No teste de irritação dermal, o produto causou um leve eritema em alguns dos animais testados, porém, sem sinais de lesão ou toxicidade. No teste de irritação ocular, foram observados secreção ocular e avermelhamento da conjuntiva, sem causar lesões na córnea nem na íris. Produto não sensibilizante dermal.

EFEITOS CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:

No ensaio conduzido com ratos durante 2 anos, observou-se nas duas doses mais altas testadas (500 e 2.000 ppm) aumento da atividade da transaminase e da desidrogenase glutamate, respectivamente durante todos os exames e no final do experimento e constatações gravimétricas (aumento de peso do fígado nas fêmeas da dose mais elevada indicaram influência no fígado, porém não correlacionadas com os exames de patologia macroscópica e histopatologia).

SINTOMAS DE ALARME:

Em animais, age sobre o sistema nervoso central após doses muito altas; sinais no estômago (irritação da mucosa) e fígado (aumento de peso e indução de enzimas microssomáticas) são observados.

TELEFONES DE EMERGÊNCIA PARA INFORMAÇÕES MÉDICAS:
DISQUE-INTOXICAÇÃO: 0800-722-6001
Rede Nacional de Centros de Informações e Assistência Toxicológicas RENACIAT - ANVISA/MS
Telefone de Emergência da Empresa: 0800-7010450
Centro de informações toxicológicas: 0800-410148

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE

- Este produto é:

( ) Altamente Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE I)
( ) Muito Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE II)
(X)PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III)
( ) Pouco Perigoso ao Meio Ambiente (CLASSE IV)

- Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamentos.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as doses recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d’água. Evite a contaminação da água
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinquenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES

- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES

- Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa BAYER S/A, através do Telefone
de Emergência: 0800-0243334.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de PVC, óculos protetores e máscara com filtros).
- Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
• Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
• Corpos d’água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
- Em caso de incêndio, use extintores DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, DE CO2, PÓ QUÍMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.


PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

- LAVAGEM DA EMBALAGEM

Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI’s -
Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.
• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual)
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:
- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até ¼ do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque do pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.
• Lavagem sob Pressão
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:
- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem sob Pressão, essa embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra. Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade, O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
8

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (CAIXA DE TRANSPORTE - NÃO CONTAMINADA)

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS

A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:

O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle.
O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Para as culturas que, durante o ciclo, exigem um elevado número de aplicações, recomenda-se:
· realizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos, visando prevenir o aparecimento de fungos resistentes e prolongar a vida útil dos fungicidas na agricultura; utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados na bula;
· incluir outros métodos de controle de doenças (ex. resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados
· consultar um Engenheiro Agrônomo para o direcionamento das recomendações locais para o manejo de resistência.