Bula Procampo 500 SC

CI
Carbendazim
9821
AllierBrasil

Composição

Carbendazim 500 g/L

Classificação

Terrestre/Aérea/Tratamento de sementes
Fungicida
5 - Produto Improvável de Causar Dano Agudo
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Suspensão Concentrada (SC)
Sistêmico

Algodão

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides (Ramulose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium moniliforme (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Lasiodiplodia theobromae (Podridão de raiz) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Ramularia areola (Ramularia) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Citros

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum gloeosporioides (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Elsinoë fawcetti (Verrugose) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Feijão

Dosagem Calda Terrestre
Colletotrichum lindemuthianum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phaeoisariopsis griseola (Mancha angular) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Soja

Dosagem Calda Terrestre
Cercospora kikuchii (Mancha púrpura da semente) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum dematium (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Colletotrichum truncatum (Antracnose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Corynespora cassiicola (Mancha alvo) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Diaporthe phaseolorum var. sojae (Seca da haste e da vagem) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Erysiphe diffusa (Oídio) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Fusarium pallidoroseum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Penicillium spp (Fungo de armazenamento) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Phomopsis sojae (Podridão seca) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Rhizoctonia solani (Podridão-radicular) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Septoria glycines (Mancha parda) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Trigo

Dosagem Calda Terrestre
Fusarium graminearum (Fusariose) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Septoria tritici (Mancha salpicada) ( veja aqui ) ( veja aqui )
Stagonospora nodorum (Mancha das glumas) ( veja aqui ) ( veja aqui )

Tipo: Bombona
Material: Plástico
Capacidade: 5; 10; 20; 25; 50 L

Tipo: Frasco
Material: Plástico
Capacidade: 0,5; 1 L

Tipo: Tambor
Material: Metálico/Plástico
Capacidade: 50; 100; 110; 125; 200 L.

INSTRUÇÕES DE USO

O produto é um fungicida, que contém o ingrediente ativo carbendazim, 500 g/L, na formulação Suspensão Concentrada, do grupo químico benzimidazol, de ação sistêmica indicado no controle de doenças para aplicação através de pulverização foliar para as culturas de algodão, citros, feijão, soja e trigo, além de para tratamento de sementes algodão, feijão e soja.

MODO DE APLICAÇÃO

Deve ser aplicado diluído em água somente nas dosagens recomendadas. Deve ser aplicado de maneira uniforme dando uma boa cobertura da parte aérea das plantas e/ou das sementes tratadas. Equipamentos de aplicação:

Tratamento de sementes

- Algodão, feijão e soja
Equipamentos
Mecânicos, tipo rosca sem fim, ou máquinas específicas com fluxo continuo de sementes, ou tambor giratório ou betoneira ou pá sobre lonas ou equipamentos específicos para essa modalidade de uso. Observar os critérios específicos de calibragem das respectivas máquinas a fim de proporcionar uma boa cobertura das sementes nas doses recomendadas.

Pulverização terrestre

- Algodão, feijão, soja, trigo
Equipamentos tratorizados com barras dotadas de bicos cônicos da série D ou similar;
Velocidade do trator: em torno de 6 km/h;
Pressão de trabalho: entre 80 a 120 lb/pol²;
Tamanho de gotas: 200 a 400 micra;
Densidade: em torno de 60 gotas/cm².

- Citros
Turbo atomizador acoplado ao trator;
Velocidade do trator: em torno de 6 km/hora;
Pressão de trabalho: 200 a 300 lb./pol², com tamanho de gotas entre 200 a 400 micra;
Densidade: em torno de 60 gotas/cm².

Condições climáticas

Temperatura inferior a 30ºC, umidade relativa superior a 50% e velocidade do vento de no máximo 10 km/hora.

Pulverização aérea

Algodão, feijão, soja, trigo

Aeronaves agrícolas equipadas com barra de aplicação apropriada, com bicos tipo cone (ex: D9, D10 ou D12, core 45) ou de bicos rotativos (ex: Micronair). Regular o angulo dos bicos em relação a aeronave de acordo com as características do equipamento e da aeronave, e das condições climáticas no momento da aplicação.
Volume de calda de aplicação: 30 a 40 Litros/ha, em função do tipo de bico escolhido.
Tamanho de gotas: 200 a 400 micra.
Densidade de gotas: em torno de 60 gotas/cm².
Altura do voo: de 2 a 4 metros acima do alvo.
Largura deposição efetiva: de acordo com o tipo de aeronave utilizada e as condições climáticas no momento de aplicação.
Faixa de deposição: que proporcione uma cobertura uniforme e sem sobreposição, devendo proporcionar uma cobertura uniforme. Não permitir que a deriva proveniente da aplicação atinja culturas vizinhas, áreas habitadas, leitos e rios e outras fontes de água, criações e áreas de preservação ambiental.

Condições climáticas

Temperatura entre 15°C a 30°C, umidade relativa superior a 60% e velocidade do vento inferior a 15 Km/h. Observações locais deverão ser realizadas visando reduzir ao máximo as perdas por volatilização ou deriva.

Instruções para preparo da calda de pulverização

- Tratamento de sementes: Agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda de aplicação e adicionar a dose recomendada ao volume de água indicado. Realizar uma mistura homogênea do produto às sementes, por um período de no mínimo 10 minutos. Durante o procedimento adicionar um corante específico para tratamento de sementes. O corante denominado Vermelho Sun deve ser adicionado na água com o fungicida, misturando-se com as sementes que serão plantadas logo em seguida. Recomenda-se utilizar 15 mL de corante/ 100 kg de sementes.

- Pulverização foliar: Encher a metade do tanque do pulverizador com água para então adicionar o produto, mantendo o misturador mecânico ou o retorno em funcionamento e completar o volume do tanque com água. Manter a agitação da calda de forma contínua durante o preparo da calda e durante a operação de aplicação da calda.

Lavagem do equipamento de pulverização

Somente utilizar equipamentos limpos e devidamente conservados. Após a aplicação do produto, realizar lavagem completa do equipamento.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS

Não entrar na área em que o produto foi aplicado antes da secagem completa da calda (no mínimo 24 horas após a aplicação). Caso necessite entrar antes deste período, utilizar os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.

LIMITAÇÕES DE USO

- Somente utilizar as doses recomendadas;
- Seguir as recomendações da bula;
- Não deverá ocorrer fitotoxicidade para as culturas indicadas se forem seguidas as recomendações de uso para o produto;
- Não aplicar o produto através de sistemas de irrigação;
- Não aplicar o produto em dias nublados ou na probabilidade de ocorrência de chuvas e ventos fortes;
- Evitar aplicações via terrestre, sob condições de orvalho na cultura, aplicando somente após seu desaparecimento;
- É PROIBIDA A APLICAÇÃO COM EQUIPAMENTO MANUAL OU COSTAL;
- As sementes tratadas destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizadas para o consumo humano ou animal.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana – ANVISA/MS.

De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pelo Meio Ambiente – IBAMA/MMA.

Recomenda-se, de maneira geral, o manejo integrado das doenças, envolvendo todos os princípios e medidas disponíveis e viáveis de controle. O uso de sementes sadias, variedades resistentes, rotação de culturas, época adequada de semeadura, adubação equilibrada, fungicidas, manejo da irrigação e outros, visam o melhor equilíbrio do sistema.

Qualquer agente de controle de doenças pode ficar menos efetivo ao longo do tempo devido ao desenvolvimento de resistência. O Comitê Brasileiro de Ação a Resistência a Fungicidas (FRAC-BR) recomenda as seguintes estratégias de manejo de resistência visando prolongar a vida útil dos fungicidas:
- Utilizar a rotação de fungicidas com mecanismos de ação distintos;
- Utilizar o fungicida somente na época, na dose e nos intervalos de aplicação recomendados no rótulo/bula;
- Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. resistência genética, controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Doenças (MID) quando disponíveis e apropriados;
- Sempre consultar um Engenheiro agrônomo para orientação sobre as recomendações locais para o manejo de resistência.




Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.