Bula Radiant 100

acessos
Flumiclorac-pentyl
4695
Sumitomo

Composição

Flumicloraque-pentílico 100 g/L Ciclohexenodicarboximida

Classificação

Herbicida
I - Extremamente tóxica
II - Produto muito perigoso
Não inflamável
Não Classificado
Concentrado Emulsionável (EC)
Seletivo, Não sistêmico, Pós-emergência
Algodão Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Algodão
(Gossypium hirsutum)
0,6 L/ha 200 L de calda/ha - Realizar uma aplicação. 5 dias. Deve ser aplicado na cultura do algodão em uma única aplicação, somente quando as plantas de algodão apresentarem 80% ou mais de maçãs abertas, sempre adicionando óleo mineral emulsionável na concentração de 0,5% v/v (500 mL/100 L de água)
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Anileira
(Indigofera hirsuta)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Apaga fogo
(Alternanthera tenella)
0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Cheirosa
(Hyptis suaveolens)
0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Erva de touro
(Tridax procumbens)
0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Falsa serralha
(Emilia sonchifolia)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha até 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Flor amarela
(Melampodium perfoliatum)
0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Guanxuma
(Sida rhombifolia)
0,4 a 0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
0,6 L p.c./ha 150 a 250 L de calda/ha 40 L de calda/ha (aéreo) Realizar uma aplicação. 30 dias. Deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação em pós-emergência, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4

Frasco plástico: 1,0; 3,0 e 5,0 Litros.

INSTRUÇÕES DE USO:
RADIANT 100 trata-se de um herbicida pós-emergente, destinado ao controle de plantas daninhas na cultura da Soja, em solo leve, médio e pesado e para a Desfolha de Algodão.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
SOJA:
RADIANT 100 deve ser aplicado na cultura da soja em uma única aplicação, com as plantas de soja no estádio de 2 a 4 trifólios e as plantas daninhas no estádio de 2 a 4 folhas como indicado na tabela. A maior eficácia herbicida com RADIANT 100 é obtida quando o produto é aplicado em plântulas em estádio ativo de crescimento. Isso significa que o solo deve ter umidade e condições adequadas para o crescimento das plantas. Em condições normais, a absorção do produto dar-se-á em uma a duas horas após a aplicação.

ALGODÃO:
RADIANT 100 deve ser aplicado na cultura do algodão em uma única aplicação, somente quando as plantas de algodão apresentarem 80% ou mais de maçãs abertas, sempre adicionando óleo mineral emulsionável na concentração de 0,5% v/v. Em condições normais, a absorção do produto dar-se-á em uma a duas horas após a aplicação.

MODO DE APLICAÇÃO:
SOJA:
Via terrestre: A aplicação pode ser feita com pulverizador costal (manual ou motorizado) ou de barra tratorizado, gastando-se de 150 a 250 L/ha de volume de calda. Utilizar bicos do tipo leque, com pressão regulada para 45 a 60 psi. Para bicos da série 80, a altura da barra deverá estar 50 cm acima do topo das plantas e para bicos da série 110 a 30 cm.
Fazer uma cobertura uniforme, evitar aplicações em cultura com stress hídrico, evitar aplicações em plantas com orvalho, evitar aplicações em dias com ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.

Via aérea: RADIANT 100 pode ser aplicado através de aeronaves agrícolas equipadas com barra/bico série D e difusor 45 (diâmetro de gotas em torno de 250 micra), empregando-se o volume de 40 litros de calda/hectare; faixa de deposição de 15 metros, ângulo dos bicos de 45 graus em relação à linha de vôo da aeronave e seguindo sempre as boas práticas de aplicação, tais como: manter a agitação constante da calda no interior do tanque; pulverizar quando não houver vento ou pelo menos que a velocidade do vento seja inferior a 8 Km/h e sem rajadas, umidade relativa do ar superior a 70% e temperatura inferior a 27ºC visando reduzir as perdas por deriva e evaporação.

ALGODÃO:
RADIANT 100 deve ser aplicado em pulverização terrestre munido de bicos adequados. Recomenda-se o uso de bicos leques devendo-se gastar um volume de calda em torno de 200 L/ha. Deve-se fazer uma cobertura uniforme, e evitar aplicações em plantas com orvalho ou molhadas por chuvas, pois pode causar escorrimento e perda do produto com conseqüente redução de eficácia. Obs.: Aplicar em mistura com adjuvante (Óleo mineral emulsificado) na concentração de 0,5% v/v.

Condições climáticas: As aplicações devem ser feitas nas horas mais frescas do dia, de preferência na parte da manhã ou à tarde em condições de temperatura inferior à 27ºC, umidade relativa do ar acima de 70% e ventos entre 2 e 10 Km/hora, para evitar ao máximo, a perda por deriva e/ou evaporação. OBS: Em caso de dúvidas, consulte um Eng. Agrônomo

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Soja: 30 dias
Algodão: 5 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS).

LIMITAÇÕES DE USO:
- Fitotoxicidade: Não há para as culturas e nas doses recomendadas.
- Outras restrições: Não há.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DA SAÚDE HUMANA

ANTES DE USAR, LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.
PRODUTO PERIGOSO.
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:
-Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados. Os equipamentos de proteção individual (EPI) recomendados devem ser vestidos na seguinte ordem: macacão, botas, avental, máscara, óculos, touca árabe e luvas.
-Não utilize equipamentos de proteção individual (EPI) danificados.
-Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
-Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NA PREPARAÇÃO DA CALDA:
Produto extremamente irritante para os olhos.
-Caso ocorra contato acidental da pessoa com o produto, siga as orientações descritas em primeiros socorros e procure rapidamente um serviço médico de emergência.
-Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos
Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão de algodão impermeável com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; avental impermeável; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.
Manuseie o produto em local aberto e ventilado.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
Evite o máximo possível o contato com a área tratada.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
Verifique a direção do vento e aplique de forma a evitar o contato com o produto, dependendo do equipamento de aplicação.
-Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança (intervalo de tempo entre a última aplicação e a colheita).
Utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas; botas de borracha; máscara com filtro combinado (filtro químico contra vapores orgânicos e filtro mecânico classe P2); óculos de segurança com proteção lateral; touca árabe e luvas de nitrila.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
Caso necessite entrar na área tratada com o produto antes do término do intervalo de reentrada, utilize os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados para o uso durante a aplicação.
Mantenha o restante do produto adequadamente fechado em sua embalagem original em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
-Antes de retirar os equipamentos de proteção individual (EPI), lave as luvas ainda vestidas para evitar contaminação.
Os equipamentos de proteção individual (EPIs) recomendados devem ser retirados na seguinte ordem: touca árabe, óculos, avental, botas, macacão, luvas e máscara.
Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
-Troque e lave as suas roupas de proteção separadas das demais roupas da família. Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
-Fique atento ao tempo de uso dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante.
Não reutilizar a embalagem vazia.
-No descarte de embalagens utilize equipamento de proteção individual — EPI: macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, luvas de nitrila e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS: procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e/ou receituário agronômico do produto.
Ingestão: Se engolir o produto, não provoque vômito. Caso o vômito ocorra naturalmente, deite a pessoa de lado. Não dê nada para beber ou comer.
Olhos: Em caso de contato, lave com muita água corrente durante pelo menos 15 minutos. Evite que a água de lavagem entre no outro olho.
Pele: Em caso de contato, tire a roupa contaminada e lave a pele com muita água corrente e sabão neutro.
Inalação: Se o produto for inalado ("respirado"), leve a pessoa para um local aberto e ventilado.
A pessoa que ajudar deveria proteger-se da contaminação usando luvas e avental impermeáveis, por exemplo.


INTOXICAÇÕES POR CICLOHEXENODICARBOXIMIDA E POR HIDROCARBONETOS AROMÁTICOS INFORMAÇÕES MÉDICAS

Grupo Químico
FLUMICLORAQUE PENTILICO: Ciclohexenodicarboximida.
XILENO: Hidrocarboneto Aromático

Classe Toxicológica
I - EXTREMAMENTE TOXICO

Toxicocinética
- Ciclohexenodicarboximida: Testes realizados em animais de laboratório mostram que o Flumicloraque-pentílico é absorvido, distribuído e metabolizado. O Flumicloraque-pentílico (13-34%) e seus metabólitos (65-84%) são eliminados pelas fezes e pela urina. O produto não se acumula nos órgãos e nos tecidos.
Hidrocarboneto aromático: Estudos conduzidos com ratos mostraram que os produtos pertencentes ao grupo dos Hidrocarbonetos aromáticos são bem absorvidos através da via inalatória, atravessam facilmente a membrana alveolar e, rapidamente, atingem o sistema nervoso central. Em caso de ingestão, a eliminação ocorre principalmente através das fezes.

Mecanismos de Toxicidade
- Ciclohexenodicarboximida: Não são conhecidos os mecanismos de toxicidade do flumicloraque-pentílico em seres humanos e nem em animais de laboratório. Não há produção de metabólitos tóxicos conhecidos. Animais expostos em diferentes concentrações apresentaram mudanças no fígado, rins e células vermelhas e redução no peso.
- Hidrocarboneto aromático: Depressor do sistema nervoso central.

Sintomas e Sinais clínicos
- Ciclohexenodicarboximida: Os animais, que receberam doses letais ou próximas, apresentaram salivação, mudanças na taxa respiratória, lacrimejamento, andar cambaleante e tremores.
- Hidrocarboneto aromático: A ingestão pode causar queimaduras na boca e estômago, tosses, náuseas, vômito, diarréia, dores abdominal, taquidisritmia cardíaca. A ingestão e inalação podem causar depressão do sistema nervoso central, caracterizada por náuseas, dificuldades respiratórias, dor de cabeça, tontura, perda de coordenação, inconsciência e coma. O vapor em alta concentração é anestésico. A aspiração do produto pode causar pneumonia química com risco de morte. O contato com a pele retira a camada natural de óleo, sendo que exposições de longo prazo ou repetidas que possibilitem o contato do produto com a pele pode causar severa dermatite, ressecamento, vermelhidão, bolhas e edemas. Pessoas com desordens de pele ou problemas nos olhos, deficiências hepáticas, rim, sangue ou função respiratória com problemas podem ser mais suscetíveis aos efeitos da substância. O Xileno pode causar alteração no comportamento.

Diagnóstico
O diagnóstico é estabelecido pela confirmação de exposição e pela ocorrência de quadro clínico compatível.

Tratamento
Não há antídoto específico. O tratamento deve ser direcionado ao controle dos sintomas clínicos.
Em caso de contato com a pele, lavar as áreas atingidas com água corrente e sabão neutro em abundância. O profissional de saúde deve estar protegido, utilizando luvas, botas e avental impermeáveis.
Se o produto for ingerido, avaliar a necessidade de administração de carvão ativado e de realização de lavagem gástrica.

Contra- indicações
Não são conhecidas contra-indicações, efeitos adversos ou sinérgicos.

Atenção
As intoxicações por Agrotóxicos estão incluídas entre as Enfermidades de Notificação Compulsória. Comunique o caso e obtenha informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento através dos Telefones de Emergência PARA INFORMAÇÕES MÉDICAS:
Disque-Intoxicação: 0800-722-6001
Rede Nacional de Centros de Informações e Assistência Toxicológica RENACIAT-ANVISA/MS
Telefone de Emergência da Empresa: 0800-141-149


Efeito Agudos e Crônicos

Estudos em animais de laboratório com o aroduto Radiant 100:
DL 50 oral, ratos - 5200 mg/kg peso vivo
DL 50 dermal, coelhos - Superior 5000 mg/kg peso vivo
CL 50 inalatória, ratos - 5,51 mg/L de ar
Irritação primária da pele, coelhos - Causou irritação reversível em 7 dias
Irritação primária dos olhos, coelhos - EXTREMAMENTE IRRITANTE PARA OS OLHOS.
Sensibilização dérmica - Não sensibilizante.

Efeitos de longo prazo pela administração de Flumicloraque pentílico em roedores e cachorros incluíram: prejuízo nas funções do fígado e rins pela alteração de peso induzida nestes órgãos; mudanças nos parâmetros bioquímicos do sangue e mudanças histológicas no fígado.
A inalação crônica pode causar dor de cabeça, perda do apetite, nervosismo e palidez. Exposições repetidas pode causar danos na medula óssea.


Sintomas de alarme:
Não são conhecidos sintomas de alarme, sendo recomendado a suspensão do uso do produto se surgirem quaisquer sintomas durante a sua manipulação.

DADOS RELATIVOS À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE

1. PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

- Este produto é:
- MUITO PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE II).

Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para organismos aquáticos (Alga e Peixes).
Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para Olhos de mamíferos.
Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
Não utilize equipamento com vazamento.
Aplique somente as doses recomendadas.
Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinquenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos e vegetação suscetível a danos.
Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.


2.INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT
Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.


3.INSTRUÇÕES EM CASO DE ACIDENTES:

Isole e sinalize a área contaminada.
Contate as autoridades locais competentes e a Empresa SUMITOMO CHEMICAL DO BRASIL REPRESENTAÇÕES LTDA. - telefone de Emergência: 0800-111767.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de PVC, óculos protetor e máscara com filtros).
Em caso de derrame, estanque o escoamento, não permitindo que o produto entre em bueiros, drenos ou corpos d'água. Siga as instruções abaixo:

-Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.

-Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.

-Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.


4. PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

EMBALAGEM RÍGIDA LAVÁVEL

LAVAGEM DA EMBALAGEM
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's —Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:

- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até 1/4 do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

•Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:

- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:

- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.


- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

-DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

-TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.


EMBALAGEM SECUNDÁRIA

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

•DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

•TRANSPORTE
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.


- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos
competentes.

•É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

•EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS.

A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.


PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
A desativaç��o do produto é feita, principalmente, por incineração em fornos apropriados a uma temperatura de 800 a 850°C, por um tempo de 2 segundo até a sua completa combustão.

- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

- RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ÓRGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DO DISTRITO FEDERAL OU DO MUNICÍPIO:
(De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis).

Incluir outros métodos de controle de pragas (Ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa de Manejo Integrado de Pragas, quando disponível e apropriado.

O uso continuado de herbicidas com o mesmo mecanismo de ação pode contribuir para o aumento de população de plantas infestantes a ele resistentes.
Como prática de manejo de resistência em plantas infestantes deverão ser aplicados herbicidas, com diferentes mecanismos de ação, devidamente registrada para cultura. Não havendo produtos alternativos recomenda-se a rotação de culturas que possibilite o uso de herbicidas com diferentes mecanismos de ação. Para maiores esclarecimentos consulte um Engenheiro Agrônomo.