Bula Triona

acessos
Óleo mineral
1908792
Basf

Composição

Óleo mineral 800 mL/L Hidrocarbonetos

Classificação

Adjuvante, Espalhante adesivo
IV - Pouco tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Emulsão Óleo em Água (EW)
Contato, Adjuvante
Café Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha parda
(Saissetia coffeae)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha verde
(Coccus viridis)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Citros Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha cabeça de prego
(Chrysomphalus ficus)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha escama vírgula
(Lepidosaphes beckii)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha parda
(Saissetia coffeae)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha verde
(Coccus viridis)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Mosca branca
(Aleurothrixus floccosus)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Maçã Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha branca
(Planococcus citri)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha escama farinha
(Pinnaspis aspidistrae)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Piolho de São José
(Quadraspidiotus perniciosus)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Pêssego Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha branca
(Planococcus citri)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha escama farinha
(Pinnaspis aspidistrae)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Piolho de São José
(Quadraspidiotus perniciosus)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Uva Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Cochonilha branca
(Planococcus citri)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Cochonilha escama farinha
(Pinnaspis aspidistrae)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água
Piolho de São José
(Quadraspidiotus perniciosus)
1 a 1,5 L p.c. / 100 L de água 1000 a 1500 L de calda/ha - De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Sem restrições. Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Temperatura acima de 25ºC: 1,0 L/100 L d'água. Temperatura abaixo de 25ºC: 1,5 L/100 L d'água

Bombona de 5 litros (tipo camburão) e bombona de polietilemo de alta densidade de 20 litros;
Balde metálico (em aço) de 20 litros;
Tambor metálico (emaço) de 200 litros;
Tanque de aço carbono de 1000; 5000; 10000; 15000; 20000 e 30000 litros;
Bombona plástica ( em polietileno de alta densidade) de 200 litros;
Contentor metálico (em aço) com saco pl��stico interno em polietileno de 1000 litros;
Contentor plástico (em polietileno de alta densidade) de 1000 litros.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:

Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados. Dar preferência às pulverizações de "alta pressão" e, no caso de serem usados pulverizadores costais comuns, manter a pressão no máximo. Nos casos de altas infestações a dose recomendada para temperaturas abaixo de 25 graus centígrados pode ser elevada para até 2 litros/100 litros de água.
De modo geral 2-3 tratamentos espaçados de 20 dias são suficientes. Nunca fazer os tratamentos durante a florada. Com a eliminação das cochonilhas desaparecem também a fumagina e a formiga ruiva.
* Pulverizar sempre nas horas menos quentes.

MODO DE APLICAÇÃO:

As doses indicadas devem ser misturadas em igual quantidade de água, agitando-se bem. Adicionar o restante d'água até completar o volume desejado. Para maior eficiência recomenda-se a aplicação com alta pressão (200-300 libras/polegada).
Como nos meses frios a atividade das pragas é diminuída e a tolerância das plantas é maior, recomenda-se a dose de 2 litros/100 litros de água.Para se obter uma boa cobertura o volume de calda por hectare deve variar em função do porte das árvores e da densidade do pomar. No caso das plantas cítricas usar volume de calda variando entre 1500 e 2000 litros/ha e demais culturas entre 1000 e 1500 litros/ha.
Utilizar nas pulverizações equipamentos terrestres, de preferência pulverizadores de pistola ou turbo-atomizadores, procurando atingir totalmente as plantas (tronco, galhos, frutos e folhas) até o "ponto de escorrimento".
Observações locais deverão ser efetuadas visando evitar a deriva e evaporação do produto.
TRIONA deve ser agitado na própria embalagem antes do uso.

INTERVALO DE SEGURANÇA: Sem restrições.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
( De acordo com as recomendações aprovadas pelo órgão responsável pela Saúde Humana - ANVISA/MS)

LIMITAÇÕES DE USO:
Não fazer os tratamentos durante a florada.
Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados.
Não aplicar em presença de ventos fortes.
Não aplique com produtos altamente alcalinos.
Chuvas após a aplicação podem lavar o produto e pode ocorrer a necessidade de nova aplicação (verificar comportamento das pragas).
Não aplicar 30 dias antes ou após aplicação de enxofre.
Quando usado nas doses, cultura e condições mencionadas, não causa efeito fitotóxico.

ADJUVANTE/ESPALHANTE ADESIVO:

INSTRUÇÕES DE USO:

Adjuvante: Em pulverizações agrícolas adicionar TRIONA na dose de 0,5% v/v na calda de pulverização, o que permite o aumento do espalhamento das gotas, velocidade de absorção, e contribui para urna melhor eficiência dos agrotóxicos, reduzindo os efeitos de lavagem pela chuva, degradação pela luz, etc.

Espalhante Adesivo: Em pulverizações agrícolas adicionar TRIONA na dose de 0,5% v/v na calda pulverização, o que promove a redução da tensão superficial da calda e resulta em um maior poder de espalhamento das gotas durante o processo de aplicação, promovendo a redução da deriva, isso porque reduz a evaporação das gotas devido à tendência de manter o peso das gotas durante a sua trajetória.

Utilizar o TRIONA na calda de pulverização somente quando o produto que estiver sendo utilizado receber a orientação de uso com adição de adjuvante ou espalhante adesivo pelo fabricante do agrotóxico.

CULTURASIPRAGAS, DOENÇAS OU PLANTAS INFESTANTES:
Devem ser obedecidas as indicações do agrotóxico em uso.

DOSE:
0,5%v/v na calda de pulverização.

NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO:
Devem ser obedecidas as indicações do agrotóxico em uso.

PREPARO DA CALDA:

Produtos formulados como Concentrado Emulsionável e Concentrado Solúvel. Fazer uma pré- mistura do TRIONA com o produto a ser utilizado sem diluição; e agitar bem. Com o pulverizador contendo 3/4 de água e o agitador ligado adicionar a pré mistura e completar o volume com água, mantendo a agitação durante toda a aplicação.
Produtos formulados como Suspensão Concentrada: Diluir o produto a ser utilizado com um pouco de água; adicionar a esta pré-mistura o TRIONA e agitar bem. Com o pulverizador contendo 3/4 de água e o agitador ligado adicionar a pré mistura, e completar o volume com água, mantendo a agitação durante toda a aplicação.
Produtos formulados como PÓ Molhável: Dissolver produto a ser utilizado em pequeno volume de água; adicionar o TRIONA, e mexer bem; completar parcialmente o tanque do pulverizador com água até 3/4 da capacidade, e com o agitador ligado adicionar a pré-mistura no tanque, completando o volume em seguida e mantendo a agitação durante toda a aplicação.

MODO DE APLICAÇÃO:
Devem ser obedecidas as indicações do agrotóxico em uso.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Devem ser obedecidas as indicações do agrotóxico em uso.

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS CULTURAS E ÁREAS TRATADAS:
Devem ser obedecidas as indicações do agrotóxico em uso.

LIMITAÇÕES DE USO:
• Não fazer os tratamentos durante a florada.
• Pulverizar sempre nas horas menos quentes do dia, de preferência em dias nublados.
• Não aplicar em presença de ventos fortes.
• Não aplicar com produtos altamente alcalinos.
• Chuvas após a aplicação podem lavar o produto e pode ocorrer a necessidade de nova aplicação (verificar comportamento das pragas).
• Não aplicar 30 dias antes ou após aplicação de enxofre.
• Observar as recomendações de uso dos agrotóxicos em uso.

ANTES DE USAR LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES.
USE OS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL COMO INDICADO.

PRECAUÇÕES GERAIS:
Produto para uso exclusivamente agrícola.
Não coma, não beba e não fume durante o manuseio do produto.
Não manuseie ou aplique o produto sem os equipamentos de proteção individual(EPI) recomendados.
Não utilize equipamentos de proteção individual(EPI) danificados.
Não utilize equipamentos com vazamentos ou defeitos.
Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca.
Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente e siga orientações descritas em PRIMEIROS SOCORROS.
Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e siga orientações descritas em PRIMEIROS SOCORROS.
Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamentee siga orientações descritas em PRIMEIROS SOCORROS.
Ao abrir a embalagem, faça-o de modo a evitar respingos.
Use macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calças por cima das botas, luvas, botas de borracha e viseira facial.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
Evite o máximo possível, o contato com a área de aplicação.
Não aplique o produto na presença de ventos fortes e nas horas mais quentes do dia.
Aplique o produtos somente nas doses recomendadas.
Utilize equipamento de proteção individual - EPI: Macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas passando por cima do punho das luvas e as pernas das calçãs por cima das botas;Luvas/Botas de borracha; touca árabe e viseira facial.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
Não reutilize a embalagem vazia.
Mantenha o restante do produto adequadamente fechado, em local trancado, longe do alcance de crianças e animais.
Tome banho imediatamente após a aplicação do produto.
Troque e lave as suas roupas de proteção separado das demais roupas da família.Ao lavar as roupas utilizar luvas e avental impermeável.
Faça manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto.
No descarte de embalagns utilize equipamento de proteção individual - EPI: macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, luvas e botas de borracha.

PRIMEIROS SOCORROS:
Procure logo um serviço médico de emergência levando a embalagem, rótulo, bula e receituário agronômico do produto.
Em caso de ingestão acidental, não provoque vômito.Entretando é possível que o mesmo ocorra espontanemente não devendo ser evitao.Caso o vômito ocorra, deite o paciente de lado para evitar que aspire resíduo.
Em caso de contato com os olhos lave-os com água corrente em abundância durante 15 minutos.
Em caso de contato com a pele lave água e sabão neutro em abundância.
Em caso de inalação do produtotransporte o intoxicado para um local arejado, se o intoxicado parar de respirar, aplique imediatamente respiração artificial. Transporte-o imediatamente para assistência médica mais próxima.

ANTÍDOTO: Não há antídoto específico.

GRUPO QUÍMICO: Hidrocarbonetos alifáticos.
CLASSE TOXICOLÓGICA: IV - Pouco Tóxico .
VIAS DE ABSORÇÃO: Oral, inalatória e cutâneo-mucosa.
SINTOMAS E SINAIS CLÍNICOS: Em caso de ingestão, podem ocorrer irritação do trato gastrintestinal, vômito, diarréia, irritação e reação inflamatória infiltrante da região anal e pneumonia por aspiração pulmonar durante o vômito.
A exposição respiratória pode causar irritação das vias aéreas superiores e granuloma lipídico, susceptível de evoluir para pneumonia lipídica.
A exposição ocular pode resultar em irritação e inflamação local.
Em casos de exposição cutânea podem ocorrer dermatite de contato, foliculite, erupções acneiformes, dermatite eczematosa e discromias, em particular, melanoses.
METABOLISMO/TOXICOCINÉTICA: Os óleos minerais têm reduzida absorção gastro-intestinal e são eliminados principalemente pelas fezes.
DIAGNÓSTICO: Em se apresentando sinais e sintomas indicativos de intoxicação, trate o paciente imediatamente, não condicionando o início do tratamento à confirmação laboratorial.
TRATAMENTO: O tratamento das intoxicações por óleos minerais é basicamente sintomático e deve ser implementado paralelamente às medidas de descontaminação, que visam limitar a absorção e os efeitos locais. Não existe antídoto.
Descontaminação
ADVERTÊNCIA: durante a descontam inação, usar luvas e avental! impermeável.
1.Remover roupas e acessórios e lavar a pele (incluindo pregas, cavidades e orifícios) e cabelos com água fria abundante e sabão.
2.Se houver exposição ocular, irrigar abundantemente com soro fisiológico ou água, por no mínimo 15 minutos, evitando contato com a pele e mucosas.
3.Em caso de ingestão,fazer repouso gástrico para evitar vômito. Avaliar função pulmonar. Atentar para nível de consciência e proteger vias aéreas do risco de aspiração.
4.Em caso de exposição respiratória, colocar a vítima em local ventilado.

Suporte e tratamento sintomático: manter vias aéreas permeáveis, se necessário através de entubação oro-traqueal, aspirar secreções e oxigenar.Tratar pneumonite se ocorrer.
CONTRA-INDICAÇÕES: O vômito é contra-indicado devido ao risco de aspiração.
ATENÇÃO: As Intoxicações por Agrotóxicos estão incluídas entre as Enfermidades de Notificação Compulsória. Comunique o caso e obtenha informações especializadas sobre o diagnóstico e tratamento através dos Telefones dei Emergência PARA INFORMAÇÕES MÉDICAS:
Disque-Intoxicação: 0800-722-6001
Rede Nacional de Centros de Informação e Assistência Toxicológica RENACIAT - ANVISA/MS
Telefone de Emergência da empresa: 0800-112273 ou Oxx 12 3128-1357

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO:

• Ação: Triona® é pouco tóxico para mamiferos, a intoxicação pode ocorrer em caso de exposição prolongada ou ingestão deliberada.
• Absorção: Através de ingestão acidental ou durante a aplicação e manuseio por via dérmica.
• Excreção: O produto é excretado através de fezes ou por provocação de vômito.


EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS:
• Efeito agudo: Se houver contato com a pele, pode ocorrer a irritação do local.
irritação da mucosa gástrica .
• Efeito crônico: Não se tem observações de efeitos crônicos com o produto.

OUTRAS INFORMAÇÕES:
• O produto é uma emulsão de óleo mineral, não contendo princípios ativos de Agrotóxicos e, em uso normal na Agricultura dificilmente provocará intoxicações.

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:

• Este produto é: Perigoso ao Meio Ambiente - Classe III
• Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
• Evite a contaminação ambiental - Preserve a Natureza.
• Não utilize equipamentos com vazamento.
• Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
• Aplique somente as doses recomendadas.
• Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos d'água. Evite a contaminação da água.
• A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:

• Mantenha o produto em sua embalagem original sempre fechada.
• O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas, rações ou outros materiais.
• A construção deve ser de alvenaria ou de material não combustível.
• O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
• Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
• Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
• Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidas ou para o recolhimento de produtos vazados.
• Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes na NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
• Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇOES EM CASO DE ACIDENTES:

• Isole e sinalize a área contaminada.
• Contate as autoridades locais competentes e a Empresa BASF SÃ., telefone de emergência (0800) 11- 2273 ou (0xx12) 3128-1357.
• Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão impermeável, luvas e botas de borrachas, óculos protetor e máscara com filtros).
• Em caso de derrame, siga as instruções abaixo:
Piso pavimentado: absorva o produto com serragem ou areia, recolha o material com auxilio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.
Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante conforme indicado acima.
Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotadas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.
• Em caso de incêndio, use extintores de água em forma de neblina, CO2 ou pó químico, ficando a favor do vento para evitar intoxicações.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGEM VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO.

- EMBALAGENS RÍGIDAS LAVÁVEIS:

- LAVAGEM DA EMBALAGEM

Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPI's — Equipamentos de Proteção Individual — recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de Tríplice Lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:

- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até t/4 do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a, por 30 segundos;
- Despeje a água de lavagem no tanque pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo.

Lavagem sob Pressão: Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seauir os seguintes procedimentos:

- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador; - Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo. Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:
- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-la invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.
- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA
Após a realização da Tríplice Lavagem ou Lavagem Sob Pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

-TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

- EMBALAGENS RÍGIDAS NÂO LAVÁVEIS:

- ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

- ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo
mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

- TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

- EMBALAGEM SENCUDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

• ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA

• ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA

O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde estão guardadas as embalagens cheias.

- DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA

É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

• TRANSPORTE

As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

- DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS

A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILIZAÇÃO E A RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU O FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

- EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS

A destinação inadequada das embalagens vazias, sacarias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

- PRODUTO IMPRÓPRIO PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO

- Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso consulte o registrante através do telefone (0800) 11-2273 ou (0xx12) 3128-1357 para sua devolução destinação final.
- A desativação do produto é feita através de incineração em fornos destinados para este tipo de operação, equipados com câmaras de lavagem de gases efluentes e aprovados por órgão ambiental competente.

- TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONETES E AFINS

O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

RESTRIÇÕES ESTABELECIDAS POR ORGÃO COMPETENTE DO ESTADO, DISTRITO FEDERAL OU
MUNICIPAL

De acordo com as recomendações aprovadas pelos órgãos responsáveis

Incluir outros métodos de controle de doenças (ex. controle cultural, biológico, etc.) dentro do programa do Manejo Integrado de Pragas.

• Qualquer agente de controle de inseto pode ficar menos efetivo ao longo do tempo se o inseto alvo desenvolver algum mecanismo de resistência. Implementando as seguintes estratégias de manejo de resistência à inseticidas (MRI) poderíamos prolongar a vida útil dos inseticidas.
• Qualquer produto para controle de inseto da mesma classe ou modo de ação não deve ser utilizado em gerações consecutivas da mesma praga.
• Utilizar somente as doses recomendadas na bula.
• Sempre consultar um Engenheiro Agrônomo para direcionamento sobre as recomendações locais para o MRI.

Compatibilidade

Não misturar com produtos fortemente alcalinos.