Bula Twister

acessos
Chlorimuron-ethyl
3103
FMC - Campinas

Composição

Clorimurom-etílico 250 g/kg Sulfoniluréias

Classificação

Herbicida
III - Medianamente tóxico
III - Produto perigoso
Não inflamável
Não corrosivo
Granulado Dispersível (WG)
Seletivo, Sistêmico
Soja Dosagem Calda Intervalo Época
Aplic
Terrestre Aérea Aplic Seg
Carrapicho beiço de boi
(Desmodium tortuosum)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Catirina
(Hyptis lophanta)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Cheirosa
(Hyptis suaveolens)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Corda de viola
(Ipomoea grandifolia)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Erva quente
(Spermacoce latifolia)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Fedegoso branco
(Senna obtusifolia)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Mentrasto
(Ageratum conyzoides)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Picão preto
(Bidens pilosa)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas
Trapoeraba
(Commelina benghalensis)
60 a 80 g.p.c./ha 200 a 600 L de calda/ha 30 a 40 L de calda/ha (aéreo) - 65 dias. Pós-emergência das plantas daninhas, quando as mesmas apresentarem de 2 a 4 folhas

Frasco de polietileno contendo: 150 g, 200 g, 240 g, 300 g, 400 g, 480 g, 500 g, 1 Kg, 2 Kg e 5 Kg.
Saco aluminizado contendo 240 g, com 4 saches de 60 g.
Saco aluminizado contendo 300 g, com 3 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 400 g, com 4 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 480 g, com 6 saches de 80 g.
Saco aluminizado contendo 500 g, com 5 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 1 Kg, com 10 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 2 Kg, com 20 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 5 Kg, com 50 saches de 100 g.
Saco aluminizado contendo 2 Kg e 5 Kg.
Frascos metálicos contendo 1 Kg, 2 Kg e 5 Kg.
Caixas ou cartuchos de papelão contendo 1 Kg, 2 Kg e 5 Kg.
Baldes plásticos contendo 5 Kg.
Baldes ou tambores metálicos contendo 5 Kg.
Cartuchos de pepelão contendo 480 g, com 8 saches hidrossolúveis de 60 g.

INSTRUÇÕES DE USO:
Twister é um herbicida seletivo de ação sistêmica pertencente ao grupo químico sulfoniluréia, recomendado para o controle de plantas daninhas de folhas largas na cultura da soja, sendo rapidamente absorvido através de folhas e raízes, com translocação por toda a planta.
Age inibindo a síntese do ácido Acetohidróxido ou Acetolactato sintase (ALS), o qual é uma enzima participante do processo de biossíntese dos aminoácidos valina, leucina e isoleucina. Com o bloqueio da síntese desses três aminoácidos, ocorre em conseqüência a inibição da síntese de proteínas, com interferência no crescimento celular.
Twister pode ser aplicado em dessecacao das plantas daninhas (pre-plantio). Utilizar dose de 40 g/ha
para controle de nabo ou nabica (Raphanus sativus) e maria-mole (Senecio brasiliensis). Utilizar dose de 80 g/ha para controle de buva (Conyza bonariensis).


MODO DE APLICAÇÃO:
Adicionar % (25%) de agua no tanque do pulverizador, seguido pela quantidade recomendada do
produto. Após, adicionar Oleo mineral emulsionavel (50 mL/100 L de agua) e completar o tanque do pulverizador corn agua.

Aplicação terrestre:
Volume de aplicação: 200-600 L/ha via costa I manual ou 100-400 L/ha via pulverizador tratorizado. Altura média da barra: 0,50 m acima da superfície do solo.
Utilizam-se bicos de jato plano (ex.: XR110.015) espaçados entre si de 0,50 m ou conforme recomendação do Engenheiro Agrônomo.
Pressão de trabalho: entre 40-60 Ib.lpol.2

Aplicação aérea:
Aplicar através de aeronaves agrícolas equipadas com barra de bicos tipo cônico. Volume de aplicação: 30-40 L/ha dependendo do clima e nível de infestação. Altura do vôo: 2,0 a 4,0 m;
Largura da faixa de deposição efetiva: 13,0 a 15,0 m (aeronave tipo Ipanema);
Condições climáticas: Não aplicar o produto na presença de ventos fortes (velocidade maior que 10 km/h) ou nas horas mais quentes, visando reduzir ao máximo as perdas por deriva ou evaporação. Temperatura menor que 25° C e umidade relativa maior que 70%.
Não fazer vôo muito baixo para evitar "faixas" desuniformes.

INTERVALO DE SEGURANÇA:
Cultura Intervalo
Soja ----- 65 dias

INTERVALO DE REENTRADA DE PESSOAS NAS ÁREAS TRATADAS:
Recomenda-se não entrar nas áreas tratadas sem equipamento de proteção individual até que a calda pulverizada sobre as plantas esteja seca. Aguardar pelo menos 24 horas. Evitar sempre que pessoas alheias ao trato com a cultura e animais domésticos circulem pela área tratada.

LIMITAÇÕES DE USO:
Twister e um herbicida que deve ser utilizado somente para a cultura da soja na dessecação de pré
plantio ou em pós emergência da cultura, observando-se atentamente as instruções de uso do produto.
A adição do Óleo mineral ao produto pode provocar uma lave clorose que desaparece com o desenvolvimento da soja e sem afetar a produtividade. Desde que sejam seguidas as recomendações de uso, não ocorre fitotoxicidade para a cultura.
Aplicar no Máximo 80 g/ha de Twister por ciclo da cultura (do plantio a colheita).
Para a rotação de cultura com a soja deve-se observar o prazo de 60 dias após a aplicação de Twister, para as culturas de trigo, feijão, algodão e milho. Para outras culturas deve-se realizar bio-ensaio antes do plantio em rotação. Chuvas após 2 horas da aplicac5o n5o afetam a eficiência do produto.

PRECAUÇÕES GERAIS:
- Produto para uso exclusivamente agrícola;
- Não transporte o produto juntamente com alimentos, medicamentos, rações, animais e pessoas;
- Não coma, não beba e não fume durante o manuseio e aplicação do produto;
- Não utilize Equipamentos de Proteção Individual (EPI) danificados;
- Não utilize equipamento com vazamento ou com defeitos;
- Não desentupa bicos, orifícios e válvulas com a boca;
- Não distribua o produto com as mãos desprotegidas.

PRECAUÇÕES NO MANUSEIO:
- O produto é irritante para os olhos;
- Se houver contato do produto com os olhos, lave-os imediatamente, VEJA PRIMEIROS
SOCORROS.
- Caso o produto seja inalado ou aspirado, procure local arejado e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
- Ao contato do produto com a pele, lave-a imediatamente e VEJA PRIMEIROS SOCORROS.
- Use macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, boné árabe, máscara com
filtro apropriado, viseira facial, luvas e botas.

PRECAUÇÕES DURANTE A APLICAÇÃO:
- Aplique o produto somente nas doses recomendadas e observe o intervalo de segurança;
- Evite o máximo possível o contato com a área de aplicação;
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes;
- Quando utilizar pulverizador tratorizado, aplicar o produto contra o vento;
- Quando utilizar pulverizador costal, aplicar o produto a favor do vento;
- Use macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, boné árabe, máscara com
filtro apropriado, viseira facial, luvas e botas.

PRECAUÇÕES APÓS A APLICAÇÃO:
- Não reutilize a embalagem vazia;
- Mantenha o restante do produto adequadamente fechado na embalagem original, em local
trancado, longe do alcance de crianças e animais;
- Faça a manutenção e lavagem dos equipamentos de proteção após cada aplicação do produto. Fique atento ao período de vida útil dos filtros, seguindo corretamente as especificações do fabricante;
- Tome banho, troque e lave as roupas de proteção separado das roupas domésticas;
- Ao lavar as roupas utilizadas/contaminadas, utilize luvas e avental impermeável;
- No descarte de embalagens vazias use EPI (macacão de algodão hidrorepelente com mangas compridas, luvas e botas);
- Evitar entrar nas áreas tratadas até o término do intervalo de reentrada estabelecido para o produto.

PRIMEIROS SOCORROS:
- Ingestão: Em caso de ingestão acidental, provoque vômito. Beba água e procure imediatamente assistência médica levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Olhos: Evite contato com os olhos. Caso isso aconteça, lave-os imediatamente com água corrente em abundância durante 15 minutos e procure assistência médica levando embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
- Pele: Evite o contato com a pele. Caso isso aconteça, lave as partes atingidas imediatamente com água e sabão em abundância e, se persistir a irritação, procure assistência médica levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.
- Inalação: Evite a inalação ou aspiração do produto. Caso isto aconteça, remova o paciente para local arejado e procure assistência médica levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto.

ANTíDOTO E TRATAMENTO MÉDICO DE EMERGÊNCIA:
Antídoto: Não há antídoto específico.
Tratamento médico: Não existe tratamento específico em caso de intoxicação. Efetuar tratamento sintomático.

MECANISMO DE AÇÃO, ABSORÇÃO E EXCREÇÃO PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Em testes realizados em laboratório com administração oral de Chorimurom-etílico Técnico em ratos, a excreção foi dividida igualmente entre urina e fezes, 32-53 % da dose administrada. A meia vida biológica da excreção em urina e fezes foi de aproximadamente 50 horas em todas as condições de dosagens. Os níveis remanescentes em tecidos, 168 horas após a administração, foram baixos, estimados em 2-3 % da dose administrada, o que indica que a excreção é a rota primária de eliminação e que a incorporação do composto e de seus metabólitos em tecidos é insignificante.

EFEITOS AGUDOS E CRÔNICOS PARA ANIMAIS DE LABORATÓRIO:
Inúmeros estudos foram desenvolvidos com o Clorimurom-etílico, a fim de avaliar seu grau de periculosidade, podendo através destes dados ser extraídas as seguintes conclusões: o produto não apresenta propriedades carcinogênicas, mutagênicas ou teratogênicas em testes com animais de laboratório e apresentou baixa toxicidade aguda oral ou dérmica com DL50 oral maior que 2000 mg/kg e DLso dérmica acima de 2000 mg/kg.

SINTOMAS DE ALARME:
Em qualquer caso de suspeita de intoxicação, procure imediatamente assistência médica levando a embalagem, rótulo, bula ou receituário agronômico do produto. Observar a sintomatologia do paciente.

TELEFONES DE EMERGÊNCIA:
Informações de Emergência Toxicológica: 0800 70 10450 (24 horas)
Telefone da Empresa: (OXX11) 5182-1010 (Horário comercial)

PRECAUÇÕES DE USO E ADVERTÊNCIAS QUANTO AOS CUIDADOS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE:
- Este produto é: PERIGOSO AO MEIO AMBIENTE (CLASSE III).
- Este produto é ALTAMENTE MÓVEL, apresentando alto potencial de deslocamento no solo, podendo atingir principalmente águas subterrâneas.
- Este produto é ALTAMENTE PERSISTENTE no meio ambiente.
- Este produto é ALTAMENTE TÓXICO para algas.
- Evite contaminação ambiental- Preserve a Natureza.
- Não utilize equipamento com vazamento.
- Não aplique o produto na presença de ventos fortes ou nas horas mais quentes.
- Aplique somente as dose recomendadas.
- Não lave as embalagens ou equipamento aplicador em lagos, fontes, rios e demais corpos
d'água. Evite a contaminação da água.
- A destinação inadequada de embalagens ou restos de produtos ocasiona contaminação do solo, da água e do ar, prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.
- Não execute aplicação aérea de agrotóxicos em áreas situadas a uma distância inferior a 500 (quinhentos) metros de povoação e de mananciais de captação de água para abastecimento público e de 250 (duzentos e cinqüenta) metros de mananciais de água, moradias isoladas, agrupamentos de animais e vegetação suscetível a danos.
- Observe as disposições constantes na legislação estadual e municipal concernentes às atividades aeroagrícolas.

INSTRUÇÕES DE ARMAZENAMENTO DO PRODUTO, VISANDO SUA CONSERVAÇÃO E PREVENÇÃO CONTRA ACIDENTES:
- Mantenha o produto em sua embalagem original, sempre fechada.
- O local deve ser exclusivo para produtos tóxicos, devendo ser isolado de alimentos, bebidas,
rações ou outros materiais.
- A construção deve ser de alvenaria ou de material não comburente.
- O local deve ser ventilado, coberto e ter piso impermeável.
- Coloque placa de advertência com os dizeres: CUIDADO VENENO.
- Tranque o local, evitando o acesso de pessoas não autorizadas, principalmente crianças.
- Deve haver sempre embalagens adequadas disponíveis, para envolver embalagens rompidàs ou para o recolhimento de produtos vazados.
- Em caso de armazéns, deverão ser seguidas as instruções constantes da NBR 9843 da Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT.
- Observe as disposições constantes da legislação estadual e municipal.

INSTRUÇÕES EM CASOS DE ACIDENTES: - Isole e sinalize a área contaminada.
- Contate as autoridades locais competentes e a Empresa CHEMINOVA BRASIL LTDA. -
Telefone de emergência: 0800111 767.
- Utilize equipamento de proteção individual - EPI (macacão de impermeável, luvas e botas de PVC, óculos protetor e máscara com filtros).
- Em caso de derrame siga as instruções abaixo:
• Piso pavimentado: recolha o material com auxílio de uma pá e coloque em recipiente lacrado e identificado devidamente. O produto derramado não deverá mais ser utilizado. Neste caso, contate a empresa registrante, pelo telefone indicado no rótulo para a sua devolução e destinação final.
• Solo: retire as camadas de terra contaminada até atingir o solo não contaminado, recolha esse material e coloque em um recipiente lacrado e devidamente identificado. Contate a empresa registrante indicado acima.

• Corpos d'água: interrompa imediatamente a captação para o consumo humano ou animal, contate o órgão ambiental mais próximo e o centro de emergência da empresa, visto que as medidas a serem adotas dependem das proporções do acidente, das características do corpo hídrico em questão e da quantidade do produto envolvido.

- Em caso de incêndio, use extintores DE ÁGUA EM FORMA DE NEBLINA, CO2 ou PÓ QUíMICO, ficando a favor do vento para evitar intoxicação.

PROCEDIMENTOS DE LAVAGEM, ARMAZENAMENTO, DEVOLUÇÃO, TRANSPORTE E DESTINAÇÃO DE EMBALAGENS VAZIAS E RESTOS DE PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:

Para embalagem RÍGIDA LAVÁVEL

I. LAVAGEM DA EMBALAGEM:
Durante o procedimento de lavagem o operador deverá estar utilizando os mesmos EPls - Equipamentos de Proteção Individual - recomendados para o preparo da calda do produto.

• Tríplice Lavagem (Lavagem Manual):
Esta embalagem deverá ser submetida ao processo de tríplice lavagem, imediatamente após o seu esvaziamento, adotando-se os seguintes procedimentos:

- Esvazie completamente o conteúdo da embalagem no tanque do pulverizador, mantendo-a na posição vertical durante 30 segundos;
- Adicione água limpa à embalagem até ~ do seu volume;
- Tampe bem a embalagem e agite-a por 30 segundos;
- Despeje a água da lavagem no tanque do pulverizador;
- Faça esta operação três vezes;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica perfurando o fundo;

• Lavagem sob Pressão:
Ao utilizar pulverizadores dotados de equipamentos de lavagem sob pressão seguir os seguintes procedimentos:

- Encaixe a embalagem vazia no local apropriado do funil instalado no pulverizador;
- Acione o mecanismo para liberar o jato de água;
- Direcione o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos; - A água de lavagem deve ser transferida para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo;

Ao utilizar equipamento independente para lavagem sob pressão adotar os seguintes procedimentos:

- Imediatamente após o esvaziamento do conteúdo original da embalagem, mantê-Ia invertida sobre a boca do tanque de pulverização, em posição vertical, durante 30 segundos;
- Manter a embalagem nessa posição, introduzir a ponta do equipamento de lavagem sob pressão, direcionando o jato de água para todas as paredes internas da embalagem, por 30 segundos;
- Toda a água de lavagem é dirigida diretamente para o tanque do pulverizador;
- Inutilize a embalagem plástica ou metálica, perfurando o fundo.

II. ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
Após a realização da tríplice lavagem ou lavagem sob pressão, esta embalagem deve ser armazenada com a tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens não lavadas.
O armazenamento das embalagens vazias, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, ou no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.

III. DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 (seis) meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

IV. TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

Para embalagem RíGIDA NÃO LAVÁVEL

I. ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.

II. ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem deve ser armazenada com sua tampa, em caixa coletiva, quando existente, separadamente das embalagens lavadas.

III. DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, com tampa, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 (seis) meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.
IV. TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.

Para embalagem FLEXÍVEL

I. ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.

II. ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no local próprio onde são guardadas as embalagens cheias.
Use luvas no manuseio dessa embalagem.
Essa embalagem vazia deve ser armazenada separadamente das lavadas, em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

III. DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
No prazo de até um ano da data da compra, é obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, ao estabelecimento onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida no ato da compra.
Caso o produto não tenha sido totalmente utilizado nesse prazo, e ainda esteja dentro de seu prazo de validade, será facultada a devolução da embalagem em até 6 (seis) meses após o término do prazo de validade.
O usuário deve guardar o comprovante de devolução para efeito de fiscalização, pelo prazo mínimo de um ano após a devolução da embalagem vazia.

IV. TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas. Devem ser transportadas em saco plástico transparente (Embalagens Padronizadas - modelo ABNT), devidamente identificado e com lacre, o qual deverá ser adquirido nos Canais de Distribuição.

Para embalagem SECUNDÁRIA (NÃO CONTAMINADA)

I. ESTA EMBALAGEM NÃO PODE SER LAVADA.

II. ARMAZENAMENTO DA EMBALAGEM VAZIA:
O armazenamento da embalagem vazia, até sua devolução pelo usuário, deve ser efetuado em local coberto, ventilado, ao abrigo de chuva e com piso impermeável, no próprio local onde guardadas as embalagens cheias.

III. DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA:
É obrigatória a devolução da embalagem vazia, pelo usuário, onde foi adquirido o produto ou no local indicado na nota fiscal, emitida pelo estabelecimento comercial.

IV. TRANSPORTE:
As embalagens vazias não podem ser transportadas junto com alimentos, bebidas, medicamentos, rações, animais e pessoas.
DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS:
A destinação final das embalagens vazias, após a devolução pelos usuários, somente poderá ser realizada pela Empresa Registrante ou por empresas legalmente autorizadas pelos órgãos competentes.

É PROIBIDO AO USUÁRIO A REUTILlZAÇÃO E RECICLAGEM DESTA EMBALAGEM VAZIA OU FRACIONAMENTO E REEMBALAGEM DESTE PRODUTO.

EFEITOS SOBRE O MEIO AMBIENTE DECORRENTES DA DESTINAÇÃO INADEQUADA DA EMBALAGEM VAZIA E RESTOS DE PRODUTOS:
A destinação inadequada das embalagens vazias e restos de produtos no meio ambiente causa contaminação do solo, da água e do ar prejudicando a fauna, a flora e a saúde das pessoas.

PRODUTOS IMPRÓPRIOS PARA UTILIZAÇÃO OU EM DESUSO:
Caso este produto venha a se tornar impróprio para utilização ou em desuso, consulte o registrante através do telefone indicado no rótulo para sua devolução e destinação final.

MÉTODO PARA DESATIVAÇÃO DO AGROTÓXICO E DE SEUS COMPONENTES:
Incinerar é o método mais indicado em forno rotativo/câmara de pós-combustão de 7,5 ton/dia de capacidade nominal e com DRE acima de 99,999%. Esta operação deve ser de conformidade com a norma ABNT NBR 1265. Parâmetros para incineração:
Temperatura do forno: 900°C
Temperatura da câmara de pós-combustão de: 1200° C Tempo de residência gases (CPC) : 3,2 seg
Tempo de residência dos gases (FR): 2,5 seg
Tempo de residência de sólidos (FR) : 30 min
Pressão de operaçâo: - 0,2 mbar
Oxigênio em excesso na chaminé: 11 %
Monitoramento em "on line" para CO e O2

TRANSPORTE DE AGROTÓXICOS, COMPONENTES E AFINS:
O transporte está sujeito às regras e aos procedimentos estabelecidos na legislação específica, que inclui o acompanhamento da ficha de emergência do produto, bem como determina que os agrotóxicos não podem ser transportados junto de pessoas, animais, rações, medicamentos ou outros materiais.

Sempre que houver disponibilidade de informações sobre programas de Manejo Integrado, provenientes da pesquisa pública ou privada, recomenda-se que estes programas sejam implementados.

MANEJO DE RESISTÊNCIA:
Quando herbicidas com o mesmo modo de ação são utilizados repetidamente por vários anos para controlar as mesmas espécies de plantas daninhas nas mesmas áreas, biótipos resistentes de plantas daninhas, de ocorrência natural, podem sobreviver ao tratamento herbicida adequado, propagar e passar a dominar a área. Esses biótipos resistentes de plantas daninhas podem não ser controlados adequadamente. Práticas culturais como cultivo, prevenção de escapes que cheguem a sementear, e uso de herbicidas com diferentes modos de ação nas mesma safra ou entre safras, pode ajudar a retardar a proliferação e possível dominância de biótipos de plantas daninhas resistentes à herbicidas.