660 acessos
Insumos

Fungo Metarhizium para controle de cigarrinhas das pastagens

Descrição

Controle Biológico e eficiente das cigarrinhas das pastagens
As chuvas voltaram a cair mas as pastagens continuam amareladas como nos meses secos. A atenção do pecuarista deve ser redobrada porque pode se tratar de um ataque de cigarrinhas. A praga atinge aproximadamente 10 milhões de hectares de pastos no Brasil e causa prejuízos que variam entre 10% e 100%, dependendo da espécie do inseto, do tipo de gramínea, do manejo do pasto e das condições de clima. É prejuízo na certa para o pecuarista que acaba enfrentando os problemas de falta de pasto para os animais e, consequentemente, a baixa produtividade do rebanho.

As cigarrinhas colocam seus ovos no solo, que passam todo o período seco do ano protegidos e dormentes. Com o calor e a presença de água no solo após o início das chuvas, nascem as primeiras ninfas, que sugam a seiva da planta e formam uma espuma branca na base dos perfilhos. Na fase adulta, se alimenta das folhas, o que leva ao amarelecimento e queima do capim, formando reboleiras. O ataque das ninfas e adultos reduz o crescimento da planta, sua produção, palatabilidade e teores de proteína e sais.
O uso exclusivo de agrotóxicos no controle das cigarrinhas não é aconselhável e tampouco eficaz. É preciso considerar as conseqüências ecológicas dessas aplicações no tocante à eliminação da fauna silvestre e dos inimigos naturais responsáveis por boa parte do controle natural das pragas.
Aplicações contínuas de produtos químicos podem ainda contaminar a carne e o leite. Por esses motivos, o controle deve ser executado com a integração de uma série de medidas que englobam o manejo das pastagens. Dentre elas destaca-se o uso do controle biológico, que não polui nem deixa resíduos, não afeta o equilíbrio do sistema, é economicamente viável e constitui-se na única alternativa para o pecuarista orgânico.
O método pode ser feito com o uso do fungo Metarhizium anisopliae, um patógeno natural das cigarrinhas.
A ação do fungo Metarhizium anisopliae, controlador natural das cigarrinhas, é quebrar o ciclo de reprodução do inseto e a grande vantagem do controle biológico é o fato de o fungo agir sobre a ninfa e adulta – os inseticidas químicos, combatem apenas a população adulta. Daí a necessidade de se fazer várias vezes por ano, ou seja, a cada revoada (normalmente são três ou quatro). Trata-se de um inseto multivoltino (várias gerações no ano). As cigarrinhas atacadas morrem e se transformam em meio de cultura, aumentando a população de fungo, que se encarregará de controlar as posteriores gerações advindas de ninfas e ovos já existentes no capim.
Entre em contato com nosso departamento técnico e obtenha mais informações de como solucionar o problema.

Responsavel: Agromilena Nutrição Animal
Fone: 16-31069742
Email: comercial@agromilena.com.br

Gilberto Brene
Ituverava/SP
Em Dinheiro
R$ 350,00
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink