Soja: “Venda antes que o Dólar comece a cair”

Imagem: Divulgação

MERCADO BRASIL

Soja: “Venda antes que o Dólar comece a cair”

Perigo é a situação repetir o que ocorreu no ano de 2016, quando houve rápida desvalorização
Por: -Leonardo Gottems
8997 acessos

Segundo apurou a pesquisa diária do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da USP), os preços da soja no mercado físico brasileiro fecharam a quarta-feira (18.03) com preços médios da soja nos portos do Brasil sobre rodas para exportação subindo 0,14% nos portos, para R$ 94,69 (contra R$ 94,56 do dia anterior). Com isto o ganho acumulado nos terminais portuários avançou para 5,38% no mês.

“Os preços subiram cerca de 1 real/saca no mercado interno, em todo o Brasil, seguindo a alta do dólar durante o dia, apesar de haver caído depois. Nossa recomendação continua a de venda nos níveis atuais, mesmo que os preços subam 1 ou 2 reais a mais, porque sua obrigação não é a de vender no pico do ano, mas a de ter e garantir lucro para sua atividade”, aponta a T&F Consultoria Agroeconômica.

Os analistas apontam o exemplo do que aconteceu no ano de 2016, quando a saca chegou a R$ 92,50, que registrava mais de 87% de lucro líquido, e todos esperavam R$ 100,00. “Mas o mercado deu volta e muitos foram vender somente quando chegaram as contas pra pagar a R$ 68,00, com um lucro insignificante de um terço do que poderia ter tido”, relembram.

De acordo com os especialistas, o maior componente do preço atual da soja é a cotação do Dólar: “Se dependesse apenas de Chicago e do prêmio o nível de preço estaria por volta de R$ 63,00/saca. O dólar está momentaneamente alto, muito fora da curva, exaurindo as economias mundiais, inclusive a dos EUA. Então, todos os governos do mundo estão tentando reajustar e fortalecer as suas economias, isto é, enfraquecer o dólar, inclusive os EUA, que, com dólar forte, estão perdendo competitividade no trigo para a Rússia e no milho e na soja para o Brasil”.

“Como consequência, pode-se esperar para um período de curto ou médio prazo a volta da cotação do dólar aos seus níveis ‘normais’, apresentados pelos analistas das 100 maiores instituições financeiras do país, qo redor de R$ 4,35/4,20. Por isso, nossa recomendação é que se venda tudo o que se puder de soja e milho no dólar atual, antes que caia”, concluem os analistas da T&F.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink