Agronegócio

Qual o seu ritmo para a neurobiologia vegetal?

Por:
832 acessos
Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rádio Jovem Pan.
Como outubro foi o mês das mulheres do agronegócio, vejam só essa notícia hiper sensível que recebemos da China, que além de tudo, significa hoje, o nosso importante e maior cliente do agronegócio brasileiro.
Você acredita que plantas sejam sensíveis a música? Aos mantras, por exemplo? Muito bem, uma experiência chinesa acredita que tocar mantras budistas em campos de arroz aumentam a produtividade da colheita.
Um Dr. Chamado T.C. Singh, que foi chefe do Departamento de Botânica da Annamalia University, na Índia, disse que um campo de azaleia crescia 20% mais rápido quando expostos a música clássica.
Eu já vi propriedades de gado de leite com música clássica nos alto falantes, e posso dizer era muito agradável, mas para os humanos.
Agora, anos depois desses insights surge uma área da ciência chamada Neurobiologia Vegetal, que afirma que as plantas são sensíveis, inteligentes e têm sensores que reagem positiva ou negativamente aos estímulos sonoros.
O mesmo pesquisador indiano afirmou que sementes expostas ao som dos violinos  geravam plantas mais fortes e resistentes. Já que estamos falando sobre a sensibilidade e a sensitividade feminina neste mês das mulheres, diríamos, por que não? Plantas são sim sensíveis e respondem a tudo, inclusive aos sons, a música.

Agora só basta escolher qual é o seu ritmo. Produtores de arroz na China optam pelos mantras budistas, e você produtor brasileiro, qual seria o seu ritmo para a neurobiologia da sua produção agropecuária?
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink