Cotações do trigo oscilaram bastante

TRIGO

Cotações do trigo oscilaram bastante

As inspeções de exportação estadunidenses de trigo somaram 609.456 toneladas na semana encerrada em 04/07
Por: -Aline Merladete
359 acessos

As cotações do trigo em Chicago, igualmente na expectativa do relatório de oferta e demanda deste dia 11/07, oscilaram bastante durante a semana, fechando na véspera do relatório em US$ 5,11/bushel. Após o anúncio do relatório, o fechamento do dia 11/07 registrou forte elevação, com o bushel atingindo a US$ 5,36, para o primeiro mês cotado, contra US$ 5,18 uma semana antes. 

O relatório do USDA indicou para o trigo os seguintes números:
1)    Área semeada nos EUA, para 2019/20, em 18,4 milhões de hectares, sendo praticamente a mesma indicada em junho e 4,6% menor do que a registrada na safra anterior;
2)    Produtividade média do trigo estimada em 3.362 quilos/hectare (56 sacos/hectare) nos EUA para o corrente ano, sendo 2,7% acima do indicado em junho e 5% superior ao ano anterior;
3)    Produção de trigo nos EUA, em 2019/20, a 52,3 milhões de toneladas, contra 51,3 milhões no ano anterior;
4)    Estoques finais nos EUA, para o corrente ano, em 27,2 milhões de toneladas, contra 29,2 milhões em junho e igualmente um ano antes;
5)    Preço médio aos produtores de trigo dos EUA, em 2019/20, em US$ 5,20/bushel, contra US$ 5,10 em junho e US$ 5,16 um ano antes;
6)    Produção mundial de trigo em 771,5 milhões de toneladas no corrente ano, contra 780,8 milhões em junho;
7)    Estoques finais mundiais em 286,5 milhões de toneladas em 2019/20, sendo 2,7% menores do que o indicado em junho;
8)    Produção da Argentina em 20 milhões de toneladas, com exportações de 14 milhões neste ano comercial;
9)    Produção do Brasil em 5,3 milhões de toneladas, com importações em 7,5 milhões de toneladas em 2019/20.

Além do relatório, os contratos mais próximos estiveram pressionados, por um lado, pela menor demanda do cereal nos EUA, somada a melhoria das condições das lavouras de trigo de inverno. De outro lado, houve sustentação das cotações devido a preocupações com o clima quente na Europa, onde uma onda de calor prejudica as lavouras da França, maior produtor de trigo da Europa.

As inspeções de exportação estadunidenses de trigo somaram 609.456 toneladas na semana encerrada em 04/07, superando o esperado pelos analistas.

No Mercosul, a tonelada FOB para exportação, na referência, se manteve entre US$ 230,00 e US$ 240,00 na compra, enquanto a safra nova argentina continuou em US$ 185,00, igualmente na compra.

Já no Brasil. enquanto o Paraná encerrou o seu plantio, o Rio Grande do Sul atingia a cerca de 90% da área no início da presente semana, enquanto na Argentina o mesmo atingia a 74% da área neste início de julho. No vizinho país a área total será de 6,6 milhões de hectares segundo o governo local. No Brasil, a área total está estimada ao redor de 2,3 milhões de hectares.

Ao mesmo tempo, o mercado deverá contabilizar logo mais as quebras devido as fortes geadas que atingiram o sul do país entre os dias 05 e 09/07 em particular. Se as quebras forem significativas, especialmente no Paraná e São Paulo, a tendência é de os preços subirem nas próximas semanas. Por enquanto, no Paraná, já se detectou piora no quadro das condições de suas lavouras, com 2% ficando entre ruins a muito ruins, 13% regulares e 85% entre boas a excelentes. (cf. Safras & Mercado) Todavia, será preciso esperar duas semanas, pelo menos, para se ter uma ideia mais concreta das perdas causadas pela geada.

Neste contexto, o balcão gaúcho fechou a semana na média de R$ 41,00/saco, enquanto os lotes ficaram em R$ 46,80/saco na referência. No Paraná o balcão esteve entre R$ 45,00 e R$ 46,50/saco, enquanto os lotes, na referência, continuaram entre R$ 54,00 e R$ 54,60/saco. Entretanto, a safra nova já tem indicações de preços mais baixos, ou seja, entre R$ 45,00 e R$ 48,00/saco. Porém, os mesmos irão depender muito do que efetivamente houve de perdas nas lavouras paranaenses devido às geadas deste início de julho. Enfim, em Santa Catarina o balcão permaneceu entre R$ 41,00 e R$ 42,00/saco, enquanto a referência nos lotes ficou em R$ 50,40/saco.
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink