Preço do milho recua na maioria das praças
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,724 (-1,53%)
| Dólar (compra) R$ 5,45 (1,38%)

Imagem: Marcel Oliveira

MERCADO

Preço do milho recua na maioria das praças

Mas sobe em Campinas
Por: -Leonardo Gottems
1618 acessos

Os preços do milho no mercado brasileiro acabaram recuando na maioria das praças nesse meio de semana, segundo informações coletadas na pesquisa diária do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, os preços tiveram alta somente em Campinas, que é a principal praça do Brasil. 

“Depois de tomada de lucros na B3, na última terça-feira, os preços médios voltaram a subir nesta quarta-feira, cerca de 1,09% para R$ 50,96, na região de Campinas, principal fonte de referência do produto no país, segundo pesquisa do Cepea. Com isto, o acumulado do mês já atinge 0,99%”, informa. 

No Rio Grande do Sul, os preços continuam elevados, mas recuaram por pressão da safra. “No Rio Grande do Sul, houve negócios a R$ 46,50 em Santa Rosa, R$ 47,00 em Ijuí, R$ 50,0 em Montenegro e R$ 49,00 em Marau, nesta segunda-feira", indica. “Também por pressão da safra os preços do atacado recuaram para R$ 49,50 em Campos Novos, onde tinham chegado a R$ 54,00 na semanaanterior e R$ 49,00 em Chapecó, onde tinham chegado a R$ 57,00. A pressão vem do milho do MS que chega ao estado ao redor de R$ 46,70, sem ICMS, que pode ser creditado”, completa falando de Santa Catarina. 

“Os preços do milho no estado do Paraná, também recuaram nesta quarta-feira, para R$ 46,50 em Cascavel, R$ 44,00 em Guarapuava, R$ 45,50 em Londrina e Maringá, R$ 45,00 em Ponta Grossa e R$ 5,50 em Pato Branco. A colheita da safra de verão já atingiu 13% no estado, segundo dados do Deral-PR, com as plantas que permaneceram de pé 93% boas, 7% médias e zero ruins. As fases em que se encontram as lavouras são zero germinação, 2% Desenvolvimento vegetativo, 9% em floração,43% em frutificação e 47% em maturação, de modo que se pode esperar mais oferta de produto já nesta semana”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink