Tecnologia de Sementes

Agronegócio

Tecnologia de Sementes

Por: -José Luis da Silva Nunes
55367 acessos

Tecnologia de sementes

A semente se constitui em insumo básico imprescindível a uma agricultura produtiva e da qual, em função de suas características genéticas, físicas, fisiológicas e sanitárias, bem como da maneira como é utilizada, dependem os resultados da nova safra. Existem cinco classes de sementes:

a) Genética: produzida exclusivamente sob a responsabilidade do melhorista ou entidade melhoradora e, por ser portadora da carga genética varietal, deve ser multiplicada sob condições de rigoroso controle de qualidade no sentido de assegurar a obtenção de sementes com grau de pureza inquestionável;

b) Básica: resulta da multiplicação da semente genética ou da própria básica. É usualmente produzida sob a responsabilidade da entidade de pesquisa que lançou a cultivar ou por pessoa física, ou jurídica, por ela credenciada;

c) Registrada: é a primeira classe de semente comercial, obtida da multiplicação da semente básica ou da própria registrada por, no máximo, três gerações. É produzida por produtores credenciados pela Entidade Certificadora;

d)  Certificada: resulta da multiplicação da semente básica, registrada ou da própria certificada, por, no máximo três gerações, geralmente destinada a plantios para produção de grãos;

e)  Fiscalizada: resulta da multiplicação de qualquer uma das classes anteriores ou da própria fiscalizada e não há exigência quanto ao número de gerações desde que a semente produzida esteja em conformidade com as normas e padrões estabelecidos pela Entidade Certificadora.

Qualquer que seja a classe de semente, cuidados e recomendações são necessários à produção da mesma.

 

Cuidados na produção de sementes

O estabelecimento de campos de produção de sementes requer, além de um planejamento criterioso, alguns cuidados especiais e imprescindíveis.

 

Origem da semente

A semente a ser utilizada deverá ser :

1. De origem e classe conhecida;

2. De alta pureza genética;

3. De alta qualidade sanitária (livre de doenças);

4. Com boa qualidade fisiológica (germinação e vigor);

5. Livre de sementes de plantas daninhas;

6. Livre de sementes de outras espécies e material inerte.

 

Escolha do campo

O produtor necessita conhecer o histórico do campo em que irá trabalhar, pois alguns fatores podem interferir na qualidade final do produto. Entre esses fatores temos os seguintes:

- Cultivo anterior: o campo não deve ter sido cultivado com a mesma espécie no ano anterior ou nos anos anteriores, conforme a cultivar escolhida. Desta forma evita-se contaminação varietal.

- Espécies silvestres: o conhecimento das plantas daninhas predominantes no campo é importante, pois é mais fácil produzir em áreas livres de invasoras do que em áreas onde há presença de plantas que dão origem a sementes silvestres nocivas toleradas ou proibidas.

 

Sementes

É obrigatório utilizar sementes básicas ou sementes certificadas. Estas devem ser adquiridas junto a instituições públicas ou de particulares idôneos, em embalagens fechadas contendo informações sobre a qualidade das sementes.

 

Semeadura

a - Época de semeadura: Para o arroz irrigado, no RS, a época de semeadura recomendada é de 15 de outubro a 15 de novembro, podendo em algumas regiões (fronteira oeste e litoral norte) ser antecipada por alguns dias.

b - Densidade de semeadura: Recomenda-se, para cultivares que emitam perfilhos, 125 kg ha-1 de sementes viáveis. Para cultivares que emitam poucos perfilhos a quantidade de semente deve ser aumentada. No sistema de plantio direto e cultivo mínimo, o solo é mais frio que no convencional, sendo necessário aumentar a densidade de semeadura.

c - Preparo do solo: O solo no plantio convencional deve ser bem preparado para que as sementes tenham profundidade de semeadura, emergência e estande uniformes.

 

Manejo da cultura
A adubação, tratos culturais, irrigação e manejo da cultura seguem a mesma orientação que para uma lavoura de produção comercial.


Isolamento

É muito importante evitar as possibilidades de contaminação genética através da polinização cruzada. O isolamento dos campos de produção de sementes pode ser realizado através de:

a - Espaço: para cultivares de arroz irrigado o isolamento físico é de, no mínimo, 3 metros para cultivo em linha e de 15 metros para cultivo à lanço, tanto no plantio como na colheita.

b - Época de semeadura: esse tipo de isolamento pode ser utilizado de maneira que o florescimento de cada variedade ocorra em épocas diferentes. Para arroz uma defasagem de 20 dias é suficiente, desde que não exista diferença de ciclo entre as cultivares.

c - Barreiras: a distância mínima de isolamento pode ser reduzida se forem feitas semeaduras de bordaduras, que irão se constituir em barreiras vegetais.

 

Descontaminação

É a limpeza total e sistemática de um campo de produção de sementes, através da remoção de plantas indesejáveis. A descontaminação deve ser realizada para retirar:

1. Plantas atípicas: são plantas da mesma espécie, mas que destoam desta por uma ou mais características, tais como: tipo de planta, ramificações, hastes ou folhas pilosas, cor, forma, tamanho etc. Estas plantas devem ser eliminadas dos campos de produção de sementes em qualquer época do seu desenvolvimento vegetativo e reprodutivo.

2. Plantas liberadoras de pólen: são todas aquelas plantas indesejáveis da mesma espécie que possam polinizar através do cruzamento natural.

3. Plantas daninhas: são aquelas plantas que são difíceis de controlar pelas práticas culturais ou através de utilização de herbicidas.

4. Sementes inseparáveis: são aquelas consideradas de difícil separação por meio de equipamentos mecânicos.

 

Inspeções em campo de produção

Uma forma de realizar a descontaminação de campos de produção de sementes é através de inspeções criteriosas das lavouras. Os períodos de inspeção devem ser realizados nas seguintes fases de desenvolvimento da cultura:

- Pré floração: compreende todo o período de desenvolvimento vegetativo que precede ao florescimento das plantas.

- Floração: este período é caracterizado pela fase em que as flores estão abertas, o estigma receptivo e a antera liberando pólen.

- Pós floração: neste período a receptividade do estigma e a liberação do grão de pólen das anteras terão cessado. O óvulo já deverá estar fertilizado e desenvolvendo-se em semente.

- Pré colheita: nesta fase a semente se torna mais dura e alcança a maturação fisiológica. Este é o período mais importante para a descontaminação, pois vários tipos de plantas indesejáveis e misturas varietais podem ser identificadas facilmente.

 

Colheita

Nesta fase a semente esta fisiologicamente madura e suficientemente seca, permitindo uma colheita fácil e segura, ou então madura e úmida, podendo, no entanto, ser colhida e secada artificialmente para armazenamento.  Dentro de um sistema de produção de sementes de arroz a colheita é uma das últimas operações antes da comercialização.

 

Pós colheita

Apesar dos bons resultados já obtidos pela pesquisa, a fase de pós colheita carece de informações tecnológicas e operacionais. Basicamente, após a colheita a semente de arroz passa por uma pré limpeza, secagem, limpeza, separação densimétrica (mesa de gravidade) e por uma operação de acabamento.

 

José Luis da Silva Nunes

Eng. Agrº, Dr. em Fitotecnia


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink