Exportação ao Iraque cresce US$ 100 milhões em 2019

AGRONEGÓCIO

Exportação ao Iraque cresce US$ 100 milhões em 2019

Colômbia passa a exportar com apoio da Câmara Brasil Iraque
Por:
986 acessos

As vendas das empresas brasileiras ao Iraque cresceram US$ 100 milhões este ano. De janeiro a agosto de 2019 o faturamento com exportações ao mercado iraquiano chegou a US$ 416 milhões ante US$ 327 milhões em 2018.

Os produtos que lideram são açúcar de cana, carne de frango, boi vivo, tubos de liga de aço para a indústria de petróleo e gás, arroz e carne bovina. Mas outros itens como milho, cosméticos, calçados, equipamentos odontológicos, café, pimenta, tabaco, tratores e demais máquinas de construção. “O comércio entre Brasil e Iraque cresce porque temos a situação ideal para a realização de negócios”, diz Jalal Chaya, vice-presidente Executivo da Câmara Brasil Iraque. “De um lado temos o Iraque com menor baixo grau de industrialização e carente de todos os produtos e do outro o Brasil com seu parque industrial maduro e diversificado”, explica.

Ponte para a América do Sul. A Colômbia está exportando para o Iraque com suporte da Câmara Brasil Iraque. Em termos práticos significa que todo o proceso de certificação de origem é conduzido pela entidade no Brasil.

As exportações colombianas certificadas pela Câmara são boi vivo e bombas de sistemas de distribuição de água, Isso já totaliza US$ 3,2 milhões. As vendas da Colômbia somam-se as da Argentina (soja e arroz) e Uruguai (tubos para industria de petróleo e gás e arroz).

O Iraque exige certificação de origem para todos os produtos importados como forma de combater pirataria e garantir a qualidade do que é vendido ao seu mercado interno. “No passado tivemos casos de mercadorias falsas tentando ingressar no Iraque e graças ao sistema de certificação de origen isso foi impedido”, explica Chaya.

Em toda a América do Sul o único país que dispõe de uma Câmara de Comércio com o Iraque é o Brasil. Dessa forma, os trâmites de emissão do certificado de origen são concentrados em São Paulo. “O exportador que envia sua mercadoria sem toda a documentação necessária, exigida pelo governo do Iraque incluido o certificado de origem, pode ter dificuldades para por seu produto no mercado iraquiano”, conta o vice-presidente da Câmara. “O cerificado agiliza o trâmite”, afirma.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink