Preço do trigo deverá seguir em alta impulsionado pelo clima

MERCADO

Preço do trigo deverá seguir em alta impulsionado pelo clima

A seca que acometeu as regiões dos EUA, Argentina, Rússia e Ucrânia fez com que outros produtores se destacassem
Por: -Leonardo Gottems
412 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Os preços do trigo nas cotações de Chicago devem manter a perspectiva de alta até o final deste ano de 2018, motivados pela atual situação do clima que acabou afetando as principais regiões produtoras do cereal mundo afora. De acordo com a consultoria INTL FCStone, quando comparado com a média dos três anos anteriores, o atual patamar das cotações está 14,3% acima do observado. 

“Esse movimento é atípico, considerando-se que a sazonalidade dos preços do trigo no hemisfério norte sugere uma queda acentuada nos preços do cereal a partir do mês de agosto, tendência que se estende até o mês de dezembro”, diz a consultoria. 

Segundo a INTL FCStone, a seca que acometeu as regiões dos EUA, Argentina, Rússia e Ucrânia fez com que outros produtores secundários passassem a ser o alvo dos compradores, como Austrália, Canadá, União Europeia e até mesmo Brasil. “Nos meses mais recentes, as chuvas voltaram com certa regularidade a boa parte das áreas de cultivo da União Europeia, dos Estados Unidos, da Argentina e do Brasil, beneficiando as lavouras desses países”, informa 

Contudo, mesmo com os preços elevados, o País importou um volume maior do que a média dos três anos anteriores desde novembro de 2017, com exceção apenas dos meses de maio e junho deste ano. Em julho, a consultoria afirma que houve um aumento registrado de 68,9% no volume importado apenas de trigo argentino pelo Brasil.  

“Mesmo com a reaplicação das tarifas na Argentina, as exportações argentinas continuam bastante elevadas, principalmente porque o Brasil, país beneficiado pela vigência da Tarifa Externa Comum (TEC) entre os países do Mercosul, depende do produto argentino para o seu abastecimento interno”, indica.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink