Precisamos parar o aumento da fome agora!
CI

Precisamos parar o aumento da fome agora!

Por:

Anna Ricoy, Oficial de Gestão de Riscos de Desastres da FAO para a América Latina e o Caribe.

A fome –que estava crescendo de forma implacável nos últimos anos– aumentou para níveis sem precedentes devido ao aumento do preço dos alimentos, perda de empregos devido aos efeitos econômicos da Covid-19, eventos extremos e conflitos, violência e insegurança.

De acordo com o novo relatório global sobre crise alimentar, 193 milhões de pessoas de 53 países e territórios sofreram insegurança alimentar aguda em 2021 e precisam de assistência urgente. É um aumento de quase 40 milhões de pessoas em comparação com os números de 2020. 

A insegurança alimentar aguda é quando a fome representa uma ameaça imediata à subsistência e à vida das pessoas. Uma fome que ameaça ser ainda mais grave. 

Na América Latina e no Caribe, a situação no Haiti, Guatemala, Honduras, El Salvador e Nicarágua é preocupante. Nesses países, um total de 12,7 milhões de pessoas foram classificadas em Crise ou pior (Fase 3 ou superior na Classificação Integrada de Fases de Segurança Alimentar (CIF)) em 2021, um aumento de quase um milhão de pessoas em relação a 2020.

Isso não leva em consideração a possível deterioração adicional que vem acontecendo em 2022, impulsionada pelo conflito na Ucrânia, que destacou a interconectividade e a fragilidade dos sistemas agroalimentares em todo o mundo.

Parte da resposta a esta crise é colocar os meios de subsistência agrícolas no centro das respostas, já que em média dois terços das pessoas que sofrem de insegurança alimentar aguda vivem em áreas rurais e dependem de alguma forma de agricultura para sua sobrevivência.

Em 2020, o financiamento para intervenções de emergência com uma abordagem de subsistência agrícola representou apenas 8% dos fundos humanitários destinados à segurança alimentar: 92% foram dedicados à ajuda alimentar. Temos que mudar essa tendencia.

Investir na agricultura e nos meios de subsistência agrícolas é estratégico e lucrativo: de acordo com a Organização das Nações Unidas para a

Alimentação e a Agricultura, o retorno do investimento nesses casos pode ser 10 vezes maior do que se os fundos fossem dedicados à ajuda alimentar, e o efeito disso tipo de intervenção se prolonga ao longo do tempo.

Prevenir, mitigar e responder a crises alimentares deve começar com a produção de alimentos onde são mais necessários, por meio de programas que facilitem o acesso a sementes, ferramentas, fertilizantes, forragem animal e cuidados veterinários.

Para evitar que o aumento dos preços dos alimentos –impulsionado por preços mais altos de transporte e energia– se transforme em uma crise alimentar, precisamos aproveitar as temporadas agrícolas para aumentar rapidamente a disponibilidade de alimentos nutritivos.

Isso pode ser alcançado fornecendo aos produtores os meios necessários para continuar produzindo em condições adversas: enfrentar a escassez de fertilizantes e insumos, enfrentar secas ou enchentes. Devemos permitir que as pessoas rurais permaneçam em suas terras, ganhem uma renda decente e liderem sua própria recuperação, garantindo que seus filhos sejam bem alimentados e educados. Se os agricultores afetados por um furacão recebem ajuda alimentar, obtêm um benefício transitório (embora muito necessário), mas se recebem apoio para restaurar a infraestrutura crítica da comunidade danificada, nós os capacitamos a retomar suas vidas.

Paralelamente ao apoio produtivo, é fundamental garantir o acesso a alimentos aos segmentos mais vulneráveis da população, por meio do fortalecimento de mecanismos direcionados de transferência de renda e redes de proteção social.

As intervenções focadas em salvar vidas e meios de subsistência devem ser acompanhadas de esforços para canalizar investimentos para a resiliência das pessoas e suas comunidades. Isso significa equipá-los com os recursos para antecipar ameaças em tempo real e tomar medidas antecipadas antes que uma crise ocorra.

Significa também estimular o investimento e o emprego por meio da ativação do capital social dos territórios, propiciar o acesso dos pequenos produtores ao financiamento –em conjunto com o setor privado– e promover o associativismo, os curtos-circuitos e as cadeias de valor sustentáveis.

Além das intervenções de emergência e resiliência, não podemos negligenciar a necessidade de abordar as causas profundas das crises alimentares: a persistência da pobreza rural e das desigualdades estruturais e o alto custo das dietas saudáveis.

Em última análise, devemos trabalhar juntos e fazê-lo agora para impedir a escalada da fome. Requer vontade política ao mais alto nível e o esforço coordenado de todos, desde governos nacionais a organizações locais, agências das Nações Unidas, sociedade civil e setor privado. Só assim conseguiremos a transição para sistemas agroalimentares mais eficientes, inclusivos, resilientes e sustentáveis, e só assim evitaremos enfrentar a mesma situação no próximo ano, provavelmente com mais pessoas precisando de ajuda.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink


Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.