3º Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto

O Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto (ICEP) é realizado a cada dois anos em países que têm grande tradição no uso de eucalipto como matéria-prima para fabricação de celulose e papel. A primeira versão do colóquio foi realizada em Viçosa, Brasil, em 2003, com cerca de 260 participantes, e focalizou nos tópicos rendimento, branqueabilidade e estabilidade de alvura de polpas kraft de eucalipto. A segunda foi realizada em Concepción, Chile, com cerca de 220 participantes, e enfatizou os tópicos de qualidade da madeira e biotecnologia aplicada ao eucalipto. Nesta terceira versão do evento planeja-se direcionar os trabalhos para áreas de qualidade da polpa e novos produtos de fibras de eucalipto que transcendam o mercado de papéis de imprimir e escrever e sanitários. Espera-se um público superior a 300 participantes.

O ICEP foi lançado pela equipe de professores e pesquisadores do Laboratório de Celulose e Papel da Universidade Federal de Viçosa (LCP-UFV) no ano de 2003, com apoio irrestrito da indústria de celulose e papel nacional, tendo em vista a grande importância das fibras de eucalipto no cenário mundial e o grande papel que o Brasil exerce neste cenário.

Os criadores do evento consideraram na ocasião que o Brasil deveria liderar os desenvolvimentos científicos nas áreas de produção e utilização da celulose de eucalipto, já que é o maior produtor e exportador desse tipo de fibra ao nível mundial. Há uma previsão de que no ano 2015, a produção de celulose de mercado alcançará a cifra de 70 milhões de toneladas anuais, sendo 35 milhões provenientes de fibra curta, das quais cerca da metade será de fibras de eucalipto. O principal interesse nas fibras de eucalipto deriva do seu baixo custo de produção que é causado pelas altas taxas de crescimento desta espécie em certas regiões do mundo e pelo seu alto rendimento de polpação. Por outro lado, os avanços tecnológicos na aplicação de fibras de eucaliptos, têm demonstrado ser estas fibras de excelente qualidade para produção de muitos papéis outrora fabricados com fibras longas.

Vislumbra-se, em futuro próximo, uma significativa substituição das fibras longas por fibras de eucalipto na fabricação da maioria dos papéis branqueados. Sendo fibras homogêneas, derivadas de plantações clonais, as fibras de eucalipto apresentam atributos muito especiais e são atualmente consideradas as melhores fibras de celulose disponíveis no mercado mundial. Para manter a hegemonia das fibras de eucalipto e ampliar ainda mais os seus usos em diferentes mercados, é necessário trabalhar fortemente em pesquisa e desenvolvimento. O Colóquio Internacional sobre Celulose de Eucalipto visa fomentar as pesquisas com eucalipto nas áreas florestal, de transformação da madeira em celulose, e de aplicações das fibras de eucalipto através do envolvimento de cientistas de todo o mundo, incluindo professores e pesquisadores, estudantes de pós-graduação, produtores florestais, fabricantes de celulose e papel, fabricantes de equipamentos e outros fornecedores dessa indústria etc.

O terceiro ICEP terá como foco as áreas de qualidade da polpa e novos produtos de fibras de eucalipto e contará com a presença já confirmada de 20 cientistas, sendo 15 internacionais, abrangendo os cinco países principais geradores de tecnologia nas áreas de celulose e papel (Suécia, Finlândia, Canadá, EUA e Brasil). O evento de três dias contará com 12 sessões abrangendo os seguintes tópicos: (1) biotecnologia florestal aplicada a melhorias da qualidade da madeira, através da minimização do teor de lignina e aumento da sua reatividade; (2) avanços em química da madeira, particularmente em relação à estrutura e reatividade das hemiceluloses; (3) desenvolvimento de novos produtos na indústria de celulose, pela aplicação do conceito da bio-refinaria florestal: (3) polpação mecânica e biomecânica com foco em novos produtos; (5) processos modificados de polpação focalizados na melhoria do rendimento e das propriedades mecânicas das fibras; (6) processos de polpação adaptados às novas gerações de clones de eucalipto; (7) deslignificação intensiva com oxigênio, particularmente para polpas ricas em ácidos hexenourônicos; (8) compreensão dos mecanismos de reversão de alvura de polpas branqueadas e alternativas para mitigar o problema; (9) novos produtos derivados de fibras de eucalipto além dos papéis de imprimir e escrever; (10) impacto da qualidade da madeira e dos processos de polpação & branqueamento na qualidade do produto; (11) avanços na recuperação química do licor negro kraft de eucalipto, focalizados nos elementos não processáveis; (12) qualidade de papéis derivados de fibras de eucalipto.

Informações Gerais

  • 04/03/2007 à 07/03/2007
  • MG - Belo Horizonte
    Ouro Minas Palace Hotel
  • Website do Evento
  • Gratuíto

Localização do Evento