Encontro avalia resultados da biofortificação de alimentos

a Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro-RJ) reunirá pesquisadores de seis países em Niterói (RJ) para avaliar os resultados dos Programas HarvestPlus e AgroSalud para biofortificação de feijão, arroz, milho, mandioca, feijão caupi e batata-doce. São alimentos amplamente consumidos pelas populações de baixa renda na América Latina, África e Ásia e que podem servir de fonte de suprimento de ferro, zinco e pró-vitamina A. A falta destes nutrientes debilita mais de 2 bilhões de pessoas, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, tornando-as suscetíveis a cegueira, anemia, baixa resistência a doenças e menor desenvolvimento do intelecto.



No Brasil, várias unidades da Embrapa (Agroindústria de Alimentos, Arroz e Feijão, Mandioca e Fruticultura Tropical, Milho e Sorgo, Hortaliças, Meio Norte e Tabuleiros Costeiros) participam do projeto em ações como a avaliação de cerca de 100 acessos de feijão-caupi, 200 de batata-doce, 300 de arroz, 500 de feijão, 1.400 de milho e 1.800 de mandioca quanto a qualidade nutricional. O cruzamento das variedades mais promissoras em termos nutricionais e agronômicos leva ao desenvolvimento de variedades biofortificadas.



Em parceria com pequenos produtores, técnicos da extensão rural e poder público, a tarefa seguinte é fazer as variedades enriquecidas chegarem às comunidades rurais para multiplicação e distribuição, tornando os alimentos acessíveis às populações mais carentes. As ações contam com apoio da Unicamp, Unesp e Universidade de Adelaide (Austrália).



A Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical (Cruz das Almas/BA), por exemplo, já lançou duas variedades de mandioca, BRS Gema de Ovo e BRS Dourada, com maiores teores de betacaroteno (percursor de vitamina A) e indicadas para cultivo na região do Recôncavo Baiano e Tabuleiros Costeiros e, nos últimos dois anos, acompanha o desempenho das variedades no semi-árido.



Durante o encontro também serão apresentados os resultados na área de pós-colheita como a utilização de farinhas de mandioca e batata-doce em formulações para pães e bolos; e produção de alimentos extrusados a partir de farinhas mistas de arroz, mandioca e batata-doce. São alternativas que poderão ser adotadas pelo setor agroindustrial e disponibilizadas ao consumidor.



Parcerias - O Estado do Maranhão foi o primeiro a estruturar uma rede de instituições públicas que aderiram ao programa HarvestPlus e Agrosalud. Variedades melhoradas de mandioca estão sendo introduzidas no campo com apoio da Embrapa e Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp). Em dezembro, começam os estudos sobre hábitos alimentares e aceitação das novas variedades. Esta etapa será feita junto com o Conselho Estadual de Segurança Alimentar (Consea).



Trabalho similar começa a concretizar-se no Sergipe onde um dos focos é reverter o quadro de deficiência de vitaminas e minerais em crianças de até 6 anos. Estudos da Organização Panamericana da Saúde (1990-2000) mostram que, no Estado, 32 % das crianças menores de 5 anos apresentam hipovitaminose A e a anemia ferropriva atinge até 50% deste grupo.



América Latina, África e Ásia - Peru e Colômbia trazem os resultados com melhoramento de batata-doce e arroz, além de estratégias para os setores agrícola e de saúde que podem ser adotadas para as populações latino-americanas e caribenhas. China e Índia apresentarão as alternativas para uma região onde somente o arroz fornece entre 50% e 70% da energia ingerida pelos mais pobres.



O HarvestPlus é uma rede de instituições de pesquisa, que atua na América Latina, Ásia, África para melhorar a qualidade dos alimentos. A Embrapa Agroindústria de Alimentos coordena as atividades na América Latina e África. A Fundação Bill e Melinda Gates e o Banco Mundial, entre outros, investem mais de US$ 50 milhões no programa.



O AgroSalud é um consórcio de instituições com o mesmo propósito mas com foco na América Latina e Caribe. Fazem parte do consórcio o Centro Internacional de Agricultura Tropical (CIAT), o Centro Internacional de Mejoramiento de Maíz y Trigo (CIMMYT), o Centro Internacional de la Papa (CIP), o Consórcio Latinoamericano y del Caribe de Apoyo a la Investigación y al Desarrollo de la Yuca (CLAYUCA) e a Embrapa. A Canadian International Development Agency (CIDA) é a principal fonte financiadora do AgroSalud.

Informações Gerais

  • 11/11/2007 à 14/11/2007
  • RJ - Rio de Janeiro
    Embrapa Agroindústria de Alimentos
  • Gratuíto

Localização do Evento