Expocachaça 2005 de Minas Gerais

O clima de feira e festival que permeia a EXPOCACHAÇA, agora com 5 dias de evento, traduz a similitude entre as antigas feiras, dos mascates, das trocas, da Idade Média e do Renascimento, que sobrevive nos bazares e nas ruas de diversos países com suas nuanças, suas festas, cores e nomes que representam toda uma cultura. Seja no caminhar atrás da banda do Orlando Russo, nos intervalos dos shows, seja nas descobertas do agronegócio nas Rodadas de Negócios e nas Clínicas Tecnológicas do SEBRAE, a feira da cachaça mineira, em sua 8ª edição, é uma grande festa onde todos ganham - consumidores, negociantes, pesquisadores, produtores e a cidade que se quer internacional e que vem garimpando eventos e pontos que a fazem roteiro de negócios e turismo.

Os números do setor revelam uma atividade onde a cadeia produtiva tem representatividade na absorção de mão de obra na safra e, notadamente na entressafra, de maio a outubro. Em Minas , são cerca de 8,5 mil alambiques, empregando direta e indiretamente perto de 450 mil pessoas, vivendo deste agronegócio e produzindo 230 milhões de litros/ano, por volta de 50% da produção nacional de cachaça de alambique.

O Brasil produz 1,8 bilhões de litros/ano e exporta 1,5% da produção anual para cerca de 80 países. Deste total 500 milhões de litros são de cachaça de alambique e 1bilhão e 300 milhões de cachaça de coluna.

Em seu novo perfil, a cachaça deixa os guetos a que esteve relegada por anos e se transforma em bebida de griffe , em destilado nobre, conquistando espaço no mercado mundial, através de suas misturas liderada pela caipirinha , comercializada na Europa em torno de 8 euros , e considerada pela IBA- International Bartenders Association : um dos 10 drinques mais importantes do novo século.

O seu crescimento junto ao público feminino é muito grande, e além de ser uma manifestação de bom gosto, não é sem razão que algumas confrarias femininas utilizam como slogam a frase: """" que nos perdoem os homens mas cachaça é substantivo feminino"""". Mas esse crescimento pode estar ligado, também , a razões históricas, pois às mulheres sempre coube o ofício da produção de cachaça.

A versatilidade da cachaça, sua capacidade de mistura que faz sucesso na coquetelaria e na culinária, que antigamente servia para tirar a maldade da carne , o seu consumo puro, gelado ou on the rocks , é uma tendência irreversível.

A 8ª edição da EXPOCACHAÇA agora ocupando 2 pavilhões do Expominas, com 8.000 m2 representa um momento importante para o setor quando a Cachaça alcança grande visibilidade nos mercados Interno e Externo e é o único destilado com potencial para se transformar no destilado de maior sucesso do século 21 .

A 8ª. Expocachaça será realizada simultaneamente com a 1ª Edição de uma Feira que envolve os setores de café laticínios e carne com portais de acesso liberado entre as duas feiras. Na área externa dos pavilhões estará acontecendo também a 45ª. Exposição Estadual Agropecuária no Parque de Exposições Bolívar de Andrade.

O Governo de Minas através da Secretaria de Estado da Agricultura Pecuária e Abastecimento e seu sistema que inclui a EMATER ,o IMA , a FAPEMIG entre outros, a FAEMG , o Ministério do Turismo, Ministério da Agricultura, a Secretaria de Estado do Turismo, a Belotur, a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte,o Convention Bureau, Abrasel, o SINDBEBIDAS e a FIEMG, O IBCA-Instituto Brasileiro da Cachaça de Alambique a AMPAQ-MG, a RMTC-Rede Mineira de Tecnologia da Cachaça, o SEBRAE-MG, o PBDAC - Programa Brasileiro da Cachaça, ABRABE, ABBA, Câmara Setorial da Cachaça, Fenaca _ Federação Nacional dos Produtores de Cachaça de Alambique e outros, de forma individual ou em conjunto, estão ajudando a reescrever a história do setor, apoiando iniciativas importantes, desenvolvendo programas e projetos e atuando politicamente para dar o desenho adequado ao arranjo produtivo da cachaça.

Por tudo isso, a 8ª edição da EXPOCACHAÇA se insere definitivamente no calendário dos mais importantes eventos do turismo de negócios e do agronegócio, em nível nacional e internacional, pelas suas peculiaridades, visibilidade e credibilidade.

Durante cinco dias Belo Horizonte se transforma na Capital Nacional da Cachaça e na Vitrine Mundial da Bebida Oficial do Brasil , movimentando diversos setores e conseguindo ser a mais forte, a maior e a mais importante feira do setor, possibilitando uma gama de negócios numa vitrine que favorece a visibilidade dos expositores e de seus produtos.

BOM para o Brasil , BOM para a indústria de cachaça e sua cadeia produtiva !


Informações Gerais

  • 01/06/2005 à 05/06/2005
  • MG - Belo Horizonte
    Expominas Belo Horizonte
  • Website do Evento
  • Gratuíto

Localização do Evento