II Conferência Mundial do Café

II CONFERÊNCIA MUNDIAL DO CAFÉ
23 A 25 DE SETEMBRO - HOTEL PESTANA
SALVADOR BAHIA BRASIL
INTRODUÇÃO

A Organização Internacional do Café - OIC é uma organização intergovernamental estabelecida pelas Nações Unidas em 1962 que hoje congrega 74 países Membros exportadores e importadores. Além de administrar o Convênio Internacional do Café, a OIC existe especificamente para tratar de problemas e questões do café em escala global, em vista da extraordinária importância econômica do café e de implicações relativas ao desenvolvimento.

O artigo 21 do Convênio Internacional do Café de 2001 dispõe que o Conselho Internacional do Café, em intervalos apropriados, deve realizar uma Conferência Mundial do Café, que será composta por Membros exportadores e importadores, representantes do setor privado e outros participantes interessados, inclusive participantes de países não-membros. O propósito da Conferência é contribuir para a promoção dos objetivos do Convênio.

A primeira Conferência Mundial do Café realizou-se em Londres em maio de 2001, sob a presidência do Gerente-Geral da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, Sr. Jorge Cárdenas. O objetivo desta primeira Conferência foi encontrar soluções para a crise dos excedentes de oferta e dos preços, em particular com referência ao alívio da pobreza dos pequenos cafeicultores nos países em desenvolvimento. A Conferência contou com a presença de quase 500 delegados de alto escalão de mais de 70 países e gerou idéias para soluções de curto e longo prazo para a crise, que foram incorporadas no plano de ação de seis anos da OIC.


2ª CONFERÊNCIAL MUNDIAL DO CAFÉ

Em maio de 2003, o Conselho Internacional do Café elegeu o Sr. Roberto Rodrigues, Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Brasil, para presidir a 2ª Conferência Mundial do Café. A Conferência realizar-se-á de 23 a 25 de setembro de 2005, em Salvador, Brasil. O Presidente da República Federativa do Brasil, S. Exa. o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, já confirmou sua participação na Conferência, que tem pleno apoio das autoridades brasileiras, entre as quais o Governador do Estado da Bahia.

Cumpre notar que a Declaração de Cartagena, adotada pelo Conselho Internacional do Café em maio de 2004, acolheu com satisfação a oferta do Brasil de realizar a 2ª Conferência Mundial do Café em seu território e externou a esperança de que o evento amplie o sucesso da sessão do Conselho realizada em Cartagena, adotando soluções que beneficiem o setor cafeeiro mundial.

A organização da Conferência está sendo empreendida em estreita cooperação com o Diretor-Executivo da OIC, Sr. Néstor Osorio, que criou um Grupo de Contato de alto nível da OIC para prestar assessoria nos preparativos.


OBJETIVOS

Um dos mais importantes objetivos do Convênio Internacional do Café de 2001 é incentivar os Membros a desenvolverem uma economia cafeeira sustentável.
As causas da atual crise e os meios para evitar a repetição de uma situação análoga no futuro, com vistas à garantia de um futuro sustentável para a economia cafeeira mundial, formarão portanto a base para a análise e as discussões na 2ª Conferência Mundial do Café em setembro de 2005.


ESTRUTURA

No dia 23, sexta-feira, haverá um coquetel seguido atividade cultural, que ainda estão sendo definidos. A Conferência realizar-se-á em dois dias, no sábado, dia 24, e no domingo, dia 25 de setembro de 2005. Haverá uma cerimônia inaugural na manhã de 24 de setembro, com a presença do Presidente do Brasil, Presidentes da América Latina, Ministros dos países Membros da OIC e representantes de alto nível de organizações multilaterais.
A Conferência adotará como seu tema “Lições que surgem da crise: novos caminhos para o setor cafeeiro” e compreenderá três sessões principais:


SESSÃO 1 - LIÇÕES QUE SURGEM DA CRISE

SESSÃO 2 - POLÍTICAS DE CAFÉ EM UMA ECONOMIA DE MERCADO

SESSÃO 3 - COMO DESENVOLVER UMA ECONOMIA CAFEERIRA SUSTENTÁVEL


Os palestrantes da Conferência serão especialistas de alto nível nos respectivos campos de atuação. Prevê-se que a Conferência promoverá um livre intercâmbio de opiniões e idéias com alguns dos mais influentes responsáveis pelos processos decisórios no setor, com plena representação dos interesses dos produtores e dos consumidores.



ANTECEDENTES DA CRISE DO CAFÉ

O café é um dos produtos de base que mais se negociam no mundo e, produzido em mais de 60 países, proporciona sustento para cerca de 25 milhões de cafeicultores e suas famílias no mundo inteiro. Muitos destes países dependem enormemente do café, que pode responder por mais de 75% do total de suas receitas de exportação.

Em 2000, os preços internacionais do café entraram em colapso, e a partir daí houve uma queda sem precedentes nas receitas dos cafeicultores da África, Ásia e América Latina. A adversidade sofrida pelos cafeicultores nestas regiões também foi vivenciada pelos produtores de outros produtos básicos agrícolas nos países em desenvolvimento. A queda das receitas auferidas destes produtos constitui uma das causas mais significativas da pobreza mundial. Isto foi expressamente enunciado em novembro de 2003 pela Secretária-Geral Adjunta das Nações Unidas, numa declaração em que ela destacava que “o declínio nos preços de produtos básicos como o café, que agora mal recebem um terço dos preços prevalecentes em meados dos anos 90, contribui para aumentar a pobreza e torna mais difícil alcançar os objetivos de desenvolvimento do Milênio. A obtenção de menores receitas das exportações de café também põe em risco a iniciativa dos Países Pobres Altamente Endividados (HIPC).” Coincide, em vários estudos, uma avaliação da magnitude da queda de preços dos principais produtos básicos agrícolas em 50 a 86 por cento nos últimos 20 anos. A queda dos preços do café foi a maior de todas. As cifras relativas ao café não deixam dúvidas: no final dos anos 80 e parte dos anos 90, as receitas dos países produtores de café, em termos de exportações FOB, eram de aproximadamente US$10-12 bilhões por ano, mas agora caíram para cerca de US$5,5 bilhões. Isto contrasta com o crescimento contínuo do valor das vendas de varejo nos países consumidores, que subiram de cerca de US$30 bilhões nos anos 80 a cerca de US$80 bilhões no presente. Esta perda de receita tem tido um impacto significativo na vida econômica e social de muitos países em desenvolvimento. Apesar de uma recuperação parcial dos preços no final de 2004, a crise ainda está produzindo efeitos em grande escala.



Informações Gerais

  • 23/09/2005 à 25/09/2005
  • BA - Salvador
    Hotel Pestana Bahia
  • Website do Evento
  • Gratuíto

Localização do Evento