"Brasil deve ser radical ao protecionismo americano ao algodão”, diz Figueiró
CI
Agronegócio

"Brasil deve ser radical ao protecionismo americano ao algodão”, diz Figueiró

Senador defende posições radicais em relação ao protecionismo internacional
Por:

O senador Ruben Figueiró (PSDB/MS) defendeu que o Brasil tenha posições radicais em relação ao protecionismo internacional que prejudica os produtores rurais. Ele participou de audiência pública nas Comissões de Agricultura e Reforma Agrária e de Relações Exteriores que discutiu o protecionismo a produtores de algodão na nova lei agrícola dos Estados Unidos.


“Não é mais possível aceitar os prejuízos aos produtores brasileiros. A nossa diplomacia tem sido muito tolerante até agora”, criticou o senador sul-mato-grossense. Figueiró lembrou que o maior produtor individual de algodão do Brasil está em Mato Grosso do Sul e elogiou o espírito pioneiro da família Pinez que produz, inclusive, na África.


Ele concordou com a posição indignada dos senadores que participaram da audiência. Todos temem prejuízos à produção brasileira, pois a nova lei norte-americana – mais protecionista que a anterior, já condenado pela Organização Mundial do Comércio - garante renda ao produtor rural de algodão americano mesmo quando não houver produção.


A legislação agrícola norte-americana é renovada a cada cinco anos e as novas normas foram aprovadas em fevereiro. Conhecida como Farm Bill, define diretrizes para produção de alimentos, incentivos para projetos e benefícios a agricultores.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink