<img src=http://www.agrolink.com.br/img/bandeiras/band_argentina.gif alt="Argentina"> Argentina segue perdendo espaço para carne brasileira

Agronegócio

<img src=http://www.agrolink.com.br/img/bandeiras/band_argentina.gif alt="Argentina"> Argentina segue perdendo espaço para carne brasileira

O Brasil exportou 500% mais que a Argentina no primeiro semestre de 2007 para a Rússia
Por: -Giuliano
94 acessos

Os frigoríficos da Argentina recebem os melhores preços na Europa graças à cota Hilton, mas no mercado de cortes in natura o Brasil ganha cada vez mais terreno. O Brasil exportou 500% mais que a Argentina no primeiro semestre de 2007 para a Rússia, consolidando a liderança como exportador de carne bovina no mercado europeu à medida que a Argentina perde espaço e imagem no bloco.

No primeiro semestre de 2007, a Argentina exportou 15.381 toneladas de carne bovina para a Alemanha com um preço FOB de US$ 8.567 a tonelada. E, nesse mesmo período, o Brasil enviou a esse destino europeu 12.048 toneladas a um valor médio FOB de US$ 5.484 a tonelada (Abiec em base com a Secex).

Mas esta diferença para a Argentina é resultado das 28 mil toneladas anuais da cota Hilton que tem os frigoríficos locais para exportar cortes de alto valor (que ingressam ao mercado europeu com arranques preferenciais).

A cota Hilton representou 6% do total das exportações de carne bovina realizadas pela Argentina em 2006. Em contrapartida, Brasil conta com uma cota Hilton de 5 mil toneladas anuais, que equivale a 0,3% do total de volume exportado pelo país vizinho em 2006. Se omitir os envios da cota e considerar somente as exportações de cortes in natura com destino a Alemanha, então observa-se que nos primeiros seis meses o Brasil entregou 9.306 toneladas a um preço médio de US$ 6.177 a tonelada, enquanto que a Argentina enviou 6.474 toneladas a um preço médio de US$ 7.797 a tonelada.

Em outras palavras: as vendas brasileiras de carne in natura com destino a Alemanha foram 43% superiores em relação aos embarques argentinos e com preço médio 20% inferior. As informações são do E-campo.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink