2º melhor março da história nos embarques de frango

Frango

2º melhor março da história nos embarques de frango

Brasil exportou 350.429 toneladas de carne de frango in natura, resultado que significou aumento de 2,3% sobre março de 2017 e de 21,3% sobre o mês anterior
Por:
103 acessos

Em março passado, dados da SECEX/MDIC, o Brasil exportou 350.429 toneladas de carne de frango in natura, resultado que significou aumento de 2,3% sobre março de 2017 e de 21,3% sobre o mês anterior, fevereiro de 2018. Esse foi, também, o segundo melhor março da história das exportações do produto in natura. Acima disso no terceiro mês do ano somente as 368.620 toneladas de março de 2016.

À primeira vista o resultado surpreende, pois as previsões baseadas nos resultados das quatro primeiras semanas de março (17 dias úteis, faltando apenas quatro dias úteis para o fechamento do mês) sugeriam embarques não muito superiores a 335 mil toneladas. Mas foram alcançadas 15 mil toneladas a mais. Erro de previsão?

Pelos dados da SECEX/MDIC, nos últimos quatro dias úteis do mês os embarques atingiram uma das melhores médias de todos os tempos: 19.604 mil toneladas diárias, 22,5% a mais que o registrado até a quarta semana. Tudo indica, porém, que esse foi apenas o resultado contábil de quatro dias de embarques. Ou seja: os embarques físicos não se resumiram aos quatro dias úteis da semana, podem ter prosseguido no feriado da sexta-feira (30) ou, mesmo, no sábado, 31.

Apesar, no entanto, do bom volume, o preço obtido continua sofrendo corrosão. A média registrada em março, de US$1.527,86 por tonelada exportada, significou queda de 1,44% em relação ao mês anterior e de 8,21% sobre idêntico mês do ano passado. Foi, também, o segundo menor valor dos últimos 15 meses.

E como, apesar do preço menor, o volume embarcado no mês apresentou significativo incremento em relação a fevereiro último, a receita cambial de março superou em quase 20% o resultado do mês anterior. Porém, continuou apresentando resultado negativo em relação ao mesmo mês de 2017, com redução pouco superior a 6%.

Completado o primeiro trimestre do ano, volume, preço e receita do produto in natura seguem menores que há um ano. A redução no volume ficou em 2,57%, no preço médio em 6,88% e na receita cambial em 9,29%.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink