Milho

Abastecimento futuro de milho preocupa agroindústria catarinense

Insumo para 2018 está garantido, mas alta das exportações e mudanças na logística põem o Sul em alerta
Por:
129 acessos

Apesar de o secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura (Mapa), Neri Geller, informar que o abastecimento do milho está garantido para o próximo ano, a agroindústria de Santa Catarina está preocupada com a disponibilidade do grão para os próximos anos. Em reunião da Câmara de Desenvolvimento da Agroindústria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), realizada nesta quinta-feira (26), em Florianópolis, Geller chamou a atenção para três pontos: o aumento das exportações de milho, déficit de armazenamento e mudança na logística que tem deslocado o escoamento dos grãos por meio dos portos do Norte e Nordeste, situação que deixa a agroindústria do Sul do país mais distante do insumo, além de elevar o preço da saca do grão. “Estamos com uma passagem desse ano para o ano que vem razoável de estoque. Recolocamos o estoque público de 400 mil toneladas para 1,4 milhão de toneladas, o que dá um pouco de segurança, mas não vai resolver o problema”, alertou.   

O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, destacou a importância do setor para a economia catarinense e do Brasil. “Temos plena consciência da importância da agroindústria. Se não tivéssemos a agroindústria forte que temos, eficiente e atualizada tecnicamente, certamente, Santa Catarina teria sofrido muito mais os efeitos dessa crise, da qual, felizmente, acreditamos que estamos saindo”, declarou, lembrando que o Estado tem crescido em produção, vendas, exportações e, principalmente, no emprego. “Se não nos posicionarmos, vamos ficar sem milho. Há insegurança nessa questão”, afirmou o presidente da Câmara, Mário Lanznaster, que conduziu o encontro.

Geller informou que a produção nacional cresceu 28% neste ano, mas para 2018 talvez esse resultado não se repita em função do clima. “No Centro-Oeste  e no Sul o clima não está como foi no ano passado. Principalmente no Centro-Oeste , estamos 20 dias atrasados, o que compromete a janela de plantio da segunda safra, que é a principal do ponto de vista da produção de milho”, explicou. Geller disse ainda que o momento atual do abastecimento do milho, especialmente para a agroindústria, é complexo. 

“Precisamos ter uma política bem definida porque o Brasil se consolidou nos últimos quatro anos como grande exportador de milho. Nosso produto está sendo muito aceito pelo mercado internacional. Devemos exportar esse ano de 30 milhões a 35 milhões de toneladas, o que num primeiro momento parece ter muito milho no estoque, mas podemos num futuro próximo ficar, de novo, com deficiência. O governo está preocupado em não repetir o que ocorreu no ano passado”, ressaltou. Ele recomendou fortemente trabalhar na questão da armazenagem e disse que o governo financia com prazo de 15 anos e concede outros incentivos para tentar minimizar essa deficiência.  

O secretário também chamou a atenção para as mudanças nos eixos de escoamento da produção. “Temos hoje a BR-163 que vai ter capacidade para transportar para o Norte cerca de 40% da produção nacional. Temos eixos de ferrovias que estão em fase de execução que vão mudar completamente o sistema de exportação do Brasil. Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e uma parte de Goiás vão começar a escoar pelo Norte”, reiterou. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink