Agronegócio

Abate de fêmeas aumenta 10,5% no MT

De um total de 3,6 milhões de cabeças de gado comercializadas, 1,846 milhão foram de fêmeas e os machos somaram 1,816 milhão
Por: -redação
1 acessos

Enquanto no mercado interno os preços do boi gordo estão em queda e o pecuarista espera por um aumento na demanda e a recuperação do valor da arroba neste final de ano, no mercado internacional, o cenário é bem mais favorável. A exportação de carne bovina está em alta. Mato Grosso exportou entre os meses de janeiro e setembro, deste ano, 168% a mais que o no mesmo período do ano passado, ou US$ 320 milhões.

Em 2005, foram comercializados US$ 120 milhões nos primeiros nove meses do ano. Os dados estão no Boletim da Pecuária de Corte, publicado quinzenalmente pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola (Imea), da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato).

Outra constatação importante em relação ao ano passado, é a incidência, cada vez maior, do abate de fêmeas no Estado. Até setembro, o índice fêmeas abatidas foi 10,5% maior em relação ao mesmo período de 2005. Em nove meses, de um total de 3,6 milhões de cabeças de gado comercializadas, 1,846 milhão foram de fêmeas e os machos somaram 1,816 milhão, uma diferença de apenas 1,6%.

Avaliação

A Comissão de Pecuária de Corte da Famato vai avaliar nesta sexta-feira (24-11) o aumento no índice de abates de fêmeas, em Mato Grosso. O presidente da comissão, Normando Corral, e técnicos da entidade vão falar dos reflexos deste processo no mercado interno e externo. Detalhes como o valor bruto da produção, Produto Interno Bruto (PIB) da agropecuária brasileira e uma análise do desempenho das exportações de carne também serão apresentados.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink