Abates de frango sob inspeção aumentaram quase 12%
CI
Agronegócio

Abates de frango sob inspeção aumentaram quase 12%

Por:
Embora tenha registrado ligeiro recuo de volume no segundo trimestre do ano, a carne de frango produzida em estabelecimentos sob inspeção federal, estadual ou municipal fechou o primeiro semestre de 2012 com expansão de 2,9% sobre o mesmo período de 2011.


Se, neste caso, a expansão observada pode ser considerada modesta (ou, mesmo, pertinente), surpreende constatar que em relação ao primeiro semestre de 2010 apresenta aumento de volume de (nada desprezíveis) 11,6%. Ou seja: como, em relação ao mesmo semestre de 2010, as exportações deste ano (100% inspecionadas) aumentaram 10,1%, a oferta interna – considerado somente o produto inspecionado, ressalte-se – aumentou 12,6%. O que, sem dúvida, ajuda a explicar parte dos problemas enfrentados pelo setor na primeira metade de 2012.

É oportuno esclarecer, de toda forma, que 90% do adicional produzido neste ano (603 mil toneladas a mais que no mesmo semestre de 2010) saíram de apenas seis estados – Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Mato Grosso. E o destaque, no caso, cabe a Mato Grosso que, com 46% de aumento no volume abatido sob inspeção, produziu um adicional (93,1 mil toneladas) superior ao de São Paulo (91,2 mil toneladas) e não muito distante do adicional produzido por Santa Catarina (113 mil toneladas).


Note-se, adicionalmente, que - em relação a 2010 – apenas um estado acusa redução significativa de produção – o Rio Grande do Sul que, por razões amplamente conhecidas, acabou cedendo o terceiro lugar a São Paulo. Quer dizer: não fossem os problemas de ordem administrativa de uma empresa, a expansão teria sido ainda maior.

É bom não esquecer, entretanto, que a queda do Rio Grande do Sul para o quarto posto é temporária, pois quem assumiu a principal empresa avícola do Estado já deixou claro que vai retomar todas as atividades anteriores. Isso sinaliza que as reduções previstas para esta segunda metade de 2012 podem ser menores que as até agora anunciadas.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink