Agronegócio

Abiove expõe caso da Moratória da Soja no bioma Amazônia

Abiove expõe caso da Moratória da Soja no bioma Amazônia como contribuição do setor empresarial à redução do desmatamento
Por:
680 acessos

A Associação das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), que coordena o setor privado no Grupo de Trabalho da Soja (GTS), o braço operacional da Moratória da Soja, apresentará no Ministério do Meio Ambiente a metodologia e os resultados do pacto de desmatamento zero no bioma Amazônia.

A Abiove participa hoje, em Brasília, da Oficina de Revisão dos Planos de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm) e no Cerrado (PPCerrado). O convite à Abiove para falar dos dez anos do monitoramento do plantio da soja no bioma Amazônia partiu do Ministério do Meio Ambiente (MMA). A Moratória é um caso bem-sucedido de combate ao desmatamento e tem provado, ao longo dos dez últimos anos, que a soja não é um fator relevante de desflorestamento no bioma e que é possível conciliar a produção de alimentos com a conservação dos recursos naturais. 

A coordenadora de sustentabilidade da Abiove, Cindy Silva Moreira, mostrará como funciona o pacto da Moratória da Soja, formado pelo setor empresarial (Abiove e Anec – Associação Nacional dos Exportadores de Cereais), pela sociedade civil, coordenada pelo Greenpeace, e pelo governo (MMA e Banco do Brasil). 

A área monitorada no bioma Amazônia abrange 76 municípios nos estados de Pará, Rondônia e Mato Grosso, onde são cultivados 98% da soja naquela região. A partir de 2016, também serão monitorados Amapá e Roraima.

O monitoramento do plantio da soja é feito por meio de imagens de satélites e de sensoriamento remoto. Na Moratória da Soja, as empresas associadas à Abiove e à Anec se comprometem a não comprar nem financiar a oleaginosa produzida em áreas desmatadas do bioma Amazônia desde julho de 2008.

Todos os anos, o GTS publica um relatório do monitoramento e mapeamento do plantio de soja no bioma Amazônia, elaborado pela Agrosatélite e auditado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Na safra 2014/2015, verificaram-se 28.768 hectares de soja em desacordo com a Moratória. Isso significa que apenas 0,84% do desflorestamento no bioma se deve à soja. 

O relatório do monitoramento do plantio de soja no bioma Amazônia, relacionado à safra 2015/2016, será divulgado em 15 de setembro, por ocasião de evento comemorativo dos dez anos da Moratória da Soja, que reunirá 150 participantes, em São Paulo.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink