Ações do governo promovem aumento na destinação correta de embalagens de agrotóxicos

Agronegócio

Ações do governo promovem aumento na destinação correta de embalagens de agrotóxicos

To ocupa a 13ª posição nacional, em destinação correta de embalagens
Por:
942 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Com apoio do governo do Estado, mais de 266 mil quilos de embalagens vazias de defensivos agrícolas - recolhidas entre janeiro e agosto deste ano - foram encaminhados para o destino ambientalmente correto, através do Sistema Campo Limpo (logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas), formado por agricultores, fabricantes (estes representados pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV)), canais de distribuição e poder público. O número alcançado representa um crescimento de 44% em relação a 2013.
 
Conforme a coordenadora de Inspeção Vegetal da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), Ingergleice Machado de Oliveira, o Tocantins deu destino adequado a 266.147 quilos de embalagens vazias de defensivos agrícolas, ocupando a 13ª posição nacional, segundo dados do inpEV, na destinação correta das embalagens. Segundo ela, 227.477, quilos dos 266.147, foram de embalagens que passaram pelo processo de lavagem. “As embalagens lavadas podem ser reutilizadas pela indústria de defensivos, voltando para a cadeia produtiva da agricultura, ou ainda podem ser utilizadas na construção civil para produzir conduítes e tomadas”, explica.
 
A coordenadora conta que ações como recolhimento itinerante, palestras, fiscalização e orientação junto aos produtores rurais são desenvolvidas pelo governo do Estado, contribuindo assim com o Sistema Campo Limpo - que consiste na realização da logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas no Brasil. O Sistema abrange todas as regiões do país e tem como base o conceito de responsabilidade compartilhada entre agricultores, indústria, canais de distribuição e poder público, conforme determinações legais.
 
Consequências

Quando as embalagens são abandonadas no ambiente ou descartadas em aterros e lixões, esses produtos ficam expostos às intempéries e podem contaminar o solo, as águas superficiais e os lençóis freáticos. Há ainda o problema da reutilização sem critério das embalagens, que coloca em risco a saúde de animais e do próprio homem.
Lavagem e destinação dos resíduos

As embalagens de defensivos agrícolas são classificadas em dois grandes grupos: laváveis e não laváveis. As embalagens laváveis são rígidas (plásticas, metálicas ou de vidro) e servem para acondicionar formulações líquidas para serem diluídas em água. A legislação brasileira determina que todas as embalagens rígidas de defensivos agrícolas devem ser submetidas a um processo de lavagem. Essa prática reduz os resquícios do produto na embalagem, impedindo que esses resíduos sequem e, assim, contaminem a própria embalagem. Além disso, os procedimentos de lavagem, quando realizadas durante a preparação da calda, garantem a utilização de todo o produto, evitando tanto o desperdício quanto a contaminação do meio ambiente.

Postos e Centrais de Recebimento

No Tocantins há cinco postos e dois centros de devolução de embalagens de agrotóxicos vazias. Os postos são responsáveis pelo recebimento de embalagens lavadas e não lavadas; inspeção e classificação das embalagens entre lavadas e não lavadas; emissão de recibo confirmando a entrega das embalagens pelos agricultores e encaminhamento das embalagens às centrais de recebimento.

Já as centrais recebem embalagens lavadas e não lavadas (de agricultores, dos postos e dos estabelecimentos comerciais licenciados); realiza inspeção e classificação das embalagens entre lavadas e não lavadas; emite recibo confirmando a entrega das embalagens; separa as embalagens por tipo (COEX, PEAD MONO, metálica, papelão); realiza compactação das embalagens por tipo de material; e emite ordem de coleta para que o inpEV providencie o transporte para o destino final (reciclagem ou incineração).
 
Postos de Devolução
 
MÚNICIPIO POSTO/CENTRAL CONTATO
PEDRO AFONSO CENTRAL COAPA-COOPERATIVA AGROPECUÁRIA DE PEDRO AFONSO
 (63) 3466-2003 E CEL: 8116-6326
SILVANÓPOLIS CENTRAL MELQUIZEDEQUE DO VALE NUNES
(63) 8457-8403
COLINAS POSTO LUCIMAR FRANÇA ( CASA DO CRIADOR )
(63) 3476-1868
LAGOA DA CONFUSÃO POSTO JOSÉ ALBERTIR
(63) 3364-1145
ARAGUAÍNA POSTO RENATO MOREIRA
(63) 9261-4837
TOCANTINÓPOLIS POSTO GILMAR CARVALHO
(63) 3471-6300
GURUPI POSTO CARLOS FELIPE
(63) 8407-0632
(63) 92411313

Foto: Lenito Abreu
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink