Acompanhe o desempenho de ontem para açúcar, café e soja
CI
Agronegócio

Acompanhe o desempenho de ontem para açúcar, café e soja

Por:

Açúcar - maior alta em dois meses

Os preços futuros do açúcar fecharam em alta ontem (25-02), impulsionados pelas compras dos fundos, atingindo a maior cotação dos últimos dois meses. Os contratos para maio encerraram o dia a 6,15 centavos de dólar por libra-peso, na bolsa de Nova York, com aumento de 2% (ou 15 pontos), sobre o pregão anterior.

Segundo Júlio Maria Martins Borges, diretor da Job Economia e Planejamento, os preços ganharam suporte na bolsa de Londres com a menor oferta de açúcar refinado, o que se reflete em Nova York. Para a Fimat Futures, os atuais aumentos refletem as compras técnicas. "Os países de origem aproveitaram as recentes altas para venderem", disse o analista Fernando Martins. No mercado interno, o índice Cepea/Esalq para a saca de 50 quilos fechou a R$ 18,02, com alta de 0,9%.

Café - preços em ligeira baixa

Os preços futuros do café encerraram o pregão com ligeira queda, depois da forte alta do dia anterior. Os contratos do grão para maio fecharam ontem a 74,15 centavos de dólar por libra-peso, na bolsa de Nova York, com recuo de 0,8% (ou 60 pontos), em relação à sessão anterior. Investidores locais e países produtores foram vendedores, de acordo com a Dow Jones Newswires.

Levantamento do Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) mostra que os produtores do país receberam em média 91,7% do valor da exportação do café arábica no mês de janeiro, com elevação de 2,4 pontos percentuais sobre dezembro. O aumento reflete a recuperação dos preços dos grãos. No mercado interno, o índice Cepea/Esalq fechou a R$ 203,43 a saca de 60 quilos, com aumento de 1,9%.

Soja - cotações voltam a subir

As cotações da soja voltaram a subir ontem (25-02) na bolsa de Chicago, ainda que bem menos do que as valorizações observadas nos primeiros dois pregões da semana. Novamente o mercado encontrou suporte nos magros estoques americanos e nos problemas climáticos na América do Sul - seca em regiões produtoras da Argentina e chuvas no Centro-Oeste do Brasil, principalmente no Mato Grosso.

Com isso, os contratos com vencimento em maio, que sinalizam preços para a comercialização da safra brasileira, encerraram a sessão negociados a US$ 9,28 por bushel, com ganho de 2 centavos de dólar. E mais um recorde histórico foi batido. Os preços do farelo também subiram, mas o óleo caiu. O mercado interno continuou travado em virtude do carnaval.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink