África do Sul rejeita semente de milho OGM da Monsanto

MUNDO

África do Sul rejeita semente de milho OGM da Monsanto

Ministério da Agricultura alegou inconsistências
Por: -Leonardo Gottems
3817 acessos

O Ministro da Agricultura da África do Sul, Thoko Didiza, rejeitou uma variedade de semente de milho geneticamente modificada da Monsanto, que agora pertence à Bayer, resistente à seca e à alguns insetos. Ele afirmou que a decisão não foi em nenhum momento baseada no clamor público que existe no país quanto às culturas geneticamente modificadas. 

O relatório oficial que rejeitou as sementes de milho modificadas declarou que “a contagem de grãos por linha e a quantidade de grãos por ano mostraram que não havia diferenças estatisticamente significativas entre o milho MON87460 x MON89034 x NK603 e o milho convencional em condições limitadas de água”. Além disso, os benefícios de produção propostos pela Monsanto eram "inconsistentes", enquanto os dados de resistência a insetos apresentados eram "insuficientes, pois foram coletados em apenas um local de teste por duas épocas de plantio". 

A decisão histórica, baseada na incapacidade das sementes de milho de corresponder às reivindicações da Monsanto, seguiu um apelo apresentado pelo Centro Africano de Biodiversidade (ACB), uma organização de pesquisa e advocacia que tem levantado preocupações sobre o projeto de milho da Monsanto nos últimos 10 anos. O ponto central dessa petição era o gene tolerante à seca "com pilha tripla". 

“Os dados expõem a distorção e manipulação da ciência pela Monsanto para promover as vendas de seus produtos GM reducionistas e ineficazes para desafios ambientais, políticos e socioeconômicos complexos, como mudanças climáticas e pobreza. O ACB expõe a falta de evidências de tolerância à seca desde 2008, exortando a Monsanto a provar a eficácia dessa característica. Mas, como confirmado pelos órgãos de decisão da África do Sul, a Monsanto falhou completamente em fornecer dados científicos para fundamentar suas reivindicações”, disse Mariam Meyet, diretora da ACB. 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink