Agricultora aposta na criação de aves e suínos com apoio do Brasil Sem Miséria

Agronegócio

Agricultora aposta na criação de aves e suínos com apoio do Brasil Sem Miséria

Inocência Souza foi a primeira a receber as sementes distribuídas pelo programa
Por:
321 acessos
Inocência Souza foi a primeira a receber as sementes distribuídas pelo programa

Em Janaúba, no norte de Minas Gerais, Inocência Francisca da Silva Souza, de 55 anos, mostra os primeiros resultados da aplicação dos recursos do Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais, no âmbito do Plano Brasil Sem Miséria (PBSM). Com os R$ 1 mil da primeira parcela, ela cercou 170 m² para um galinheiro, que servirá para proteger os animais de criação de raposas e outros predadores.


“Eu criava as galinhas soltas e não tinha condições de fazer o galinheiro sozinha”, diz a agricultora, que vive com o marido e três dos nove filhos, e foi a primeira a receber, no ano passado, as sementes distribuídas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) para as famílias atendidas pelo PBSM.

A renda regular de Inocência e do marido, João Batista, 54 anos, são os R$ 132 mensais do Bolsa Família. Sobrevivem com a ajuda dos filhos que já trabalham. O marido presta serviços em fazendas da região, quando a saúde permite. “Ainda não gastamos o dinheiro todo”, conta dona Inocência, que planeja comprar pintinhos e porcos. O investimento está sendo acompanhado por Ygo Mendes Pereira, agente de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) contratado a partir da chamada pública realizada pelo MDA, em 2011. “Sem dúvida, há uma perspectiva de melhora grande na vida dessas famílias”, diz Ygo.


Sementes

A família foi a primeira no País a receber, como parte do PBSM, sementes de hortaliças, dez quilos de sementes de milho e cinco de feijão, em outubro de 2011. A forte estiagem dos meses de janeiro e fevereiro deste ano não deixou o milho prosperar, mas foram colhidas cinco sacas de feijão, que dona Inocência está usando para alimentar a família. As galinhas e os porcos serão criados para venda. “O retorno dos porcos é seguro, devido ao consumo da carne na região", avalia o agente Ygo. A agricultora também revela seu conhecimento do campo, ao dizer que vai criar galinhas caipiras, que atingem preços mais altos no mercado: "A galinha caipira vende melhor".

Programa chega a 2,8 mil famílias

A família de Inocência é uma das 2.815 do interior de Minas Gerais que já receberam a primeira parcela do fomento do Plano Brasil Sem Miséria. O restante do dinheiro, duas parcelas de R$ 700, será liberado com intervalos de no mínimo seis meses, totalizando R$ 2,4 mil recebidos por família de agricultores familiares. “Esse é um programa que possibilita ao agricultor estruturar sua produção”, afirma a assessora do MDA para o Plano Brasil Sem Miséria, Simone Gueresi. O plano, uma ação do MDA e do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), já doou 375 toneladas de sementes a 20 mil agricultores familiares do Brasil. Até o final de abril, outros 12 mil agricultores familiares terão acesso aos insumos, que, como no caso de dona Inocência e seu João, vão ajudar a tirar da extrema pobreza dezenas de milhares de brasileiros que vivem na zona rural.


Plano

Lançado em junho do de 2011, o Brasil Sem Miséria visa superar as condições de pobreza extrema no País até 2014. Em 2010, aproximadamente 16,2 milhões de brasileiros viviam com menos de R$ 70 por mês. No campo, uma em cada quatro pessoas não atingiam esse patamar de renda. E isso acontece ainda que, desde 2003, mais de 4,8 milhões de agricultores familiares tenham deixado a situação de miséria, a maioria deles devido ao aumento da renda gerada por seu próprio trabalho.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink