Agricultura digital

Agricultura digital auxilia na tomada de decisões no campo

Uso de diversas técnicas ligadas à informática moderniza a gestão das propriedades agrícolas
Por:
214 acessos

O termo “Agricultura Digital” começou a circular nos meios agrícolas nos últimos tempos e, como toda a novidade ligada a novas tecnologias, ainda gera dúvidas. Por meio do uso de diversas técnicas ligadas à informática, ela auxilia os produtores na tomada de decisões ao longo das safras ao ser aplicada na gestão completa das propriedades agrícolas. O termo novo propõe um passo além na integração do uso de ferramentas que já estão no mercado com a adição de novas técnicas.

Para Marcio Albuquerque, diretor da Falker e presidente da Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), trata-se de uma revolução digital que já mudou profundamente muitos setores, do comércio a diversas indústrias, chegando ao campo. “A disponibilidade cada vez maior de tecnologias digitais de coleta, transmissão, processamento, análise e armazenamento de grande quantidade de dados é a base para estas novas tecnologias”, observa.

Albuquerque destaca que no futuro, vislumbra-se a união de informações agronômicas detalhadas sobre cada talhão da fazenda, dados precisos sobre a operação das máquinas agrícolas, informações completas de previsão climática, controle completo e detalhado do uso de insumos e custos indiretos, dados de sensores instalados de forma permanente nas lavouras e conectados, informações de satélites de grande precisão ou de drones, monitoramento de pragas e outras informações que direta ou indiretamente influenciam na produção agrícola. Salienta, no entanto, que para a utilização de forma eficiente de toda esta grande quantidade de dados é preciso o apoio de tecnologias digitais, com capacidade para extrair informações úteis.

Segundo Albuquerque, é preciso atenção, pois o foco não deve estar nas inúmeras tecnologias, mas no seu uso para auxiliar em decisões de manejo que aumentem a produtividade e rentabilidade das lavouras. “Temos disponíveis hoje as primeiras ferramentas de agricultura digital que começam a oferecer partes da visão que acredita-se ser possível ter nas lavouras daqui alguns anos. Iniciando-se pela agricultura de precisão, que oferece dados cada vez mais completos sobre as variações presentes nas áreas, passando pelo uso de novos satélites, drones, sensores conectados, telemetria de máquinas e sistemas web que permitem tirar proveito desses dados”, explica. 

Entre o que está disponível hoje no mercado e a visão de futuro de uma lavoura conectada com decisões totalmente apoiadas na tecnologia, o produtor precisa medir seus passos e não ficar para trás. É importante que adote as novas tecnologias que chegam para ajudá-lo. Porém, Albuquerque alerta ser necessária uma avaliação do que cada nova tecnologia disponível já consegue entregar de resultado frente ao seu custo. “Por isso, é fundamental lembrar que não existem milagres e os resultados de uma boa gestão nem sempre se observam em apenas uma safra, devido aos diversos fatores envolvidos. Algumas tecnologias chegaram para ficar, outras precisarão ainda amadurecer, e quem separará uma da outra será o produtor, avaliando os resultados das próximas safras”, afirma.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink