Agricultura gera renda e transforma a vida de alagoanos

Agronegócio

Agricultura gera renda e transforma a vida de alagoanos

Programa de Arranjos Produtivos Locais (PAPL) diversifica a estrutura produtiva do Estado
Por:
1301 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Arar, plantar, regar e colher. Essa é a rotina de Maria José Alves há 40 anos. Natural de Arapiraca, no Agreste alagoano, a agricultora preside, atualmente, a Cooperativa dos Produtores Rurais de Arapiraca (Cooperal), que reúne cerca de 500 produtores da região e acaba de conseguir um crédito de quase R$ 500 mil reais para incrementar a produção.

O recurso para desenvolver a produção da Cooperal faz parte dos mais de R$ 2 milhões que foram liberados pelo Governo do Estado por meio da Desenvolve. O dinheiro vai beneficiar pequenos produtores ligados às cooperativas de produção, através da linha Coopmais, além de microempreendedores das grotas de Maceió.

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico e Turismo, Helder Lima, o cooperativismo é um dos grandes caminhos para Alagoas ir além. “O cooperativismo vincula solidariedade e união, e o trabalho desenvolvido pelo Governo tem garantido o sucesso e o apoio real às cooperativas e microempreendedores”, afirmou Lima.

A Sedetur, por meio da Superintendência de Desenvolvimento Regional e Setorial, identifica as potencialidades das regiões e fortalece as atividades produtivas, transformando pequenos produtores em microempreendedores do campo, por meio de cursos, capacitações e seminários, além do auxílio direto de gestores.

O Programa de Arranjos Produtivos Locais (PAPL) diversifica a estrutura produtiva do Estado, por meio do fomento à criação de novas empresas, gera emprego e renda e melhora as condições de vida dos municípios alagoanos. Só este ano, Alagoas já conta com 10 mil empreendedores assistidos em 69 municípios.

A Cooperal integra três Arranjos Produtivos Locais (APL), sendo eles a Horticultura, Mandioca e Fruticultura no Agreste, e produz hortaliças, raízes e tubérculos. Há quatro anos fazendo parte do Programa, Maria José dos Alves viu sua vida e sua produção mudar com a chegada do APL.

“O APL é uma ferramenta fantástica para que o produtor rural consiga mais apoio, mais incentivo e mais mercado. Através do Programa, fiz cursos, me capacitei e incrementei a minha produção”, afirmou Maria José.

por Agência Alagoas

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink